QUANDO O MGTOW CHEGA TARDE DEMAIS


Hoje eu vivi um episódio icônico. Pareceria até que eu inventei esse texto de tantos clichês que vocês verão nele. No entanto, infelizmente, o conteúdo a seguir é inteiramente verídico.

Desde que comecei a produzir conteúdo masculinista, muitas pessoas me perguntam como me tornei um masculinista, como tomei a redpill, como passei pela “fase da rage”. Sempre fui sincero. Nunca me tornei “redpill”, masculinista ou passei por uma “rage”. Quem me conhece sabe que não mudei absolutamente nada sobre a minha visão sobre relacionamentos amorosos desde que conheci o masculinismo, o MGTOW, a Real, ou o JPBF. Quase tudo que eu vi apresentado nesses conteúdos eram coisas que eu, intuitivamente, já havia percebido.

A única exceção foi a minha percepção sobre amizade que de fato era muito infantil e que, após muito aprender, pude perceber que os mesmos mecanismos de barganha que eu sempre notei em relação amorosas, familiares e sociais também estavam escamoteadas dentro das amizades que julgava serem mais verdadeiras. Até mesmo pude notar que eu mesmo fazia uso de artimanhas questionáveis como tratar pessoas melhor por serem ricas ou bonitas. Contudo, o otário aqui pecou mesmo por confiar demais em amizades desproporcionais nas quais eu era menos respeitado por ter menos barganha social.

Ultimamente eu cheguei numa conclusão bastante indigesta. Eu avaliei todas as chances de relacionamento que eu tive e porque não consegui ou escolhi não namorar algumas mulheres com as quais sai. Eu, mesmo jovem e incauto, cabaço em todos os sentidos, atentei-me a riscos que muitos mgtows coroões desprezam quando contam seus relatos. Mesmo jovem, nunca me achei o machão ou tive complexo de super-homem. Sempre tive na minha cabeça que só namoraria com mulheres minimamente namoráveis e em circunstâncias razoavelmente favoráveis. Esse é um cuidado que a esmagadora maioria dos homens despreza. Existe uma enorme resistência nas pessoas do nosso meio em admitir responsabilidade, ainda que mínima, pelos fracassos dos seus relacionamentos. Já vi culparem a mulher, culparem a falta do pai, culparem a mãe, culparem a religião, culparem a sociedade ginocêntrica, mas poucos, como eu, são capazes de assumir que não tiveram sucesso por imprudência ou por mera incapacidade.

Em resumo, o motivo pelo qual nunca namorei é porque nunca encontrei a pessoa “certa”, e quando encontrei, julguei ACERTADAMENTE que não seria proveitoso, tanto para mim quanto pra ela, iniciar um relacionamento naquelas circunstâncias desvantajosas. E digo mais, muito do meu fracasso amoroso poderia ser debitado no fato de eu não ter conseguido sucesso profissional, não ter me destacado num meio social ou pelo menos ter me esforçado para alcançar um shape que chamasse atenção. Logo, em última instância, o maior responsável pelo meu “fracasso” fui eu mesmo. E nem pelas minhas decisões, uma vez que sempre tive boas intenções, muito empenho e poucos arrependimentos, mas o que realmente pesou para mim foi minha falta de talento e limitações que eu tenho que enfrentar caso queira mudar meu quadro no futuro.

Entretanto, hoje aconteceu um evento que me fez perguntar se eu realmente fracassei. Por mais fracassado que eu seja, pelo menos eu me orgulho de não precisar fazer nada que eu não julgue proveitoso para sobreviver. Pois bem. Eu estava voltando da academia depois de um treino pesado no auge da minha forma física, quando encontrei um ex-amigo, o Andersson. Andersson estava com uma criança. Se possível, teria fingido que não o reconheci, mas como não tinha como desviar, tive que abordá-lo. Perguntei como ele estava, e ele disse que tinha engravidado uma menina, ido morar junto, se divorciado, que tinha que trabalhar num subemprego horroroso pra pagar a pensão do contrário seria preso. E pra terminar, disse que o stress estava dando problemas de saúde pra ele. Nos seus cabelos, com 30 anos, já se destacavam mechas e mechas de fios grisalhos. Seu físico era magro, seu olhar abatido. Pude ver ali o retrato de uma pessoa que cagou sua vida. Sua ex-mulher já vive com outro macho e sua filha já vivencia o que chamamos de rodízio de padrasto.

Eu poderia dizer para ele que tinha um canal no youtube, ou indicar algum canal redpill pra ele. Porém, naquele caso, a cagada já tinha sido feita. Ele poderia virar mgtow, realista ou JPBF que ainda assim iria ser obrigado a pagar pensão pelas próximas décadas, correndo risco de prisão caso perdesse o emprego, tendo assim a que se sujeitar a qualquer coisa. Olhei no fundo do preto do olhar dele com muita pena. Conheci o sujeito criança. Ele era privilegiado, tinha uma família boa, mas escolheu esse caminho, tendo muitas outras opções desperdiçadas. Já eu, sou um fracassado, mas não corro risco de ser preso e ao menos tenho a desculpa de ter me esforçado ao máximo e de sempre ter tido todo cuidado do mundo pra não causar mal a mim mesmo e aos próximos.

A real é que quando a pessoa quer se ferrar, ela irá se ferrar. Essa pessoa era extremamente arrogante e se expôs a riscos desnecessários pelo simples fato de achar que não iria dar em nada. Sua vida era fácil e achou que iria sempre ser assim. Eu me recordo de ter falado pra ele parar com essa vida promíscua, mas ele foi extremamente infantil em discordar de mim. Acabou se ferrando. Você pode falar da leis, falar de moral, falar de consequências… Quando a pessoa quer se ferrar, não tem outro jeito. Ela só vai aprender na porrada.

Eu não me admiraria se no futuro ele se tornasse um mgtow, não por opção, mas porque é o que sobrou pra ele. A esmagadora maioria das pessoas que conheço que se dizem seguidores desta sigla não possuem uma boa aparência ou, já estão sofrendo os efeitos da idade. O que sobrou para eles é realmente algo inaceitável. Logo, é totalmente racional que eles não queiram namorar quando as mulheres que eles têm acesso são todas não namoráveis. É por isso que não julgo nossos amigos de aparência decrépita que hoje se relacionam com “inteligências” artificiais e fazem sexo com bonecas de plástico. Por mais extravagante que seja, para muitos, é a melhor opção; já para outros, é a única opção

Um comentário

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s