Mercado Sexual: a realidade


Mercado Sexual: a realidade 

Olá amigos! Hoje nós vamos falar sobre o mercado sexual em mais profundidade. No último capítulo pudemos avaliar que o mercado sexual é dinâmico e fluído, funcionando como qualquer outro mercado, com algumas idiossincrasias. Dessa vez entraremos de cabeça nos fatores que podem estar influenciando o seu resultado nesse mercado e como você pode se posicionar melhor dentro dele. 

1- Atração Masculina ( curto prazo x longo prazo) 

Fonte: https://thepowermoves.com/sexual-market-value/ 

No último capítulo explicamos que existiriam alguns fatores que sempre, em qualquer circunstância, elevam o seu SEXUAL MARKET VALUE (valor no mercado sexual). Esses fatores objetivos, aplicados a qualquer bípede falante nos denominamos de LMS (look-aparência, money-dinheiro, status). Contudo, existiriam outros fatores que também influenciariam o poder de um homem no mercado sexual. 

Há muitas pessoas que alegam que “o dinheiro vence tudo”. No entanto, seria de um reducionismo bobo nós avaliarmos que apenas uma variável pode explicar um processo tão complexo como é o mercado sexual. Como estamos falando de um mercado que é avaliado pelos sentidos e percepções femininas, seria imbecil não colocar num modelo explicativo variáveis subjetivas, uma vez que o processo decisório feminino nem sempre se baseia em pontos objetivos ou percebidos como racionais pelos homens.  

Nesse sentido, temos que contemplar algumas variáveis: 

  • Dinheiro (capacidade de suprir, prover, dar segurança) 
  • Status (o quanto o homem é percebido dentro de uma hierarquia como importante) 
  • Personalidade (capacidade de demonstrar carisma e conexão com pessoas) 
  • Aparência (capacidade de atrair olhares e desejos de pessoas de ambos os sexos) 
  • Idade (possuir uma faixa etária compatível com as mulheres desejadas por você) 
  • Jogo (capacidade de lábia, ganhar na conversa, criar um ambiente mental no qual é possível seduzir e encantar a pessoa desejada) 

Sendo assim, o valor no mercado sexual seria a soma de todos os recursos, posses materiais ou não, experiências, e indicadores físicos que fortaleceriam na mente de um coletivo de pessoas do sexo oposto a ideia de que você é um parceiro valioso. 

Um ponto pertinente é que o mercado sexual as vezes é confundido com o mercado amoroso. Enquanto um é onde as pessoas se procuram para sexo casual e relações de curto prazo; o outro, em contrapartida, é onde as pessoas se procuram para relacionamentos de longo prazo, para se casarem, terem filhos, construírem uma vida inteira juntos.  

É natural que se você comprar uma bala de alguém haja o mínimo de formalidade possível nessa relação. O vendedor não emite recibo. Você não procura saber o histórico do vendedor. Você não pede pra ver se a caixa da bala está dentro da validade. É uma relação ordinária, de baixo valor. Logo não faz sentido você perder tempo escolhendo o vendedor da bala. O que você quer é a bala. Por isso qualquer uma serve. 

Agora, se você for comprar um carro. Há riscos envolvidos, e o preço é também algo que deve ser mensurado. O passado do vendedor importa. Quem ele é importa. É preciso saber se a documentação do carro está ok. Se os componentes estão funcionando. Se o carro já foi batido. Uma escolha errada, para algo com tanto risco e valor, pode não só te dar prejuízo, mas também pode tirar a sua vida. De igual modo, quando falamos do mercado amoroso, as variáveis que são avaliadas têm pesos diferentes das variáveis do mercado sexual. 

Para o mercado sexual, o passado da mulher não importa. A reputação dela muito menos. O status dela é desnecessário. O homem está nem aí se a mulher ganha pouco ou ganha muito mais que ele. O que importa é se ela é bonita o suficiente para deixá-lo de pau duro. Para os homens, a escolha do mercado sexual é muito prática. A mulher nem precisa ser bonita de rosto. Sendo bonita de corpo já é o suficiente. 

Não obstante, para o mercado amoroso, um homem racional tem que se importar com o passado da mulher, com os gostos dela, com as coisas em comum, com aquilo que pode ser incompatível com sua personalidade, com os hábitos tóxicos, com a possibilidade dela queimá-lo socialmente, com a vida financeira, com o fato de que ela sendo muito feia pode atrair críticas a ele, com a forma vulgar como ela se veste ou se expõe nas redes sociais, etc. Em suma, o homem pode ser pouco criterioso para transar, mas para se relacionar ele precisa ser, uma vez que os riscos e o investimento financeiro, emocional e de tempo numa relação de longo prazo não lhe oferecem a possibilidade de ser descuidado sem sofrer terríveis consequências. 

Já para as mulheres não é bem assim. Mulheres costumam ser mais criteriosas do que homens para escolher parceiros sexuais e também para parceiros de longo prazo. A explicação biológica é óbvia. Elas ficam 9 meses grávidas e tem um investimento físico enorme na prole. Daí a maior necessidade de selecionar um macho com genes e signos sociais de força, saúde e de provisão.  

Mulheres, como são muito mais vulneráveis que homens, estão sempre à procura de segurança. E essa segurança se manifesta de forma física, o que faz com que procurem alfas físicos, ou de forma financeira, o que lhes aproxima de alfas financeiros. O que difere homens de mulheres é que elas são seres muito mais lúdicos e imaginativos. Elas entendem o mundo de forma muito referencial. É em função disso que elas dão tanto valor ao status. Mulheres são competitivas e adoram saber que o macho delas é superior ao macho das amigas delas. Elas também se sentem confortáveis e protegidas com um macho com status superior ao delas. É essa busca natural da mulher pelo macho com mais status que chamamos de HIPERGAMIA. Os homens, por outro lado, procuram mulheres com status inferior ao deles, sendo HIPOGAMICOS.  

Um traço que difere o comportamento feminino do masculino quanto ao mercado sexual é a questão de que o homem, por motivos naturais, é enviesado para ser poligâmico. A melhor estratégia que o homem desenvolveu desde a idade da pedra para perpetuar seus genes é inseminar o máximo de mulheres possíveis. Já as mulheres, por ficarem grávidas, e vulneráveis, desenvolveram uma estratégia de escolher o melhor macho possível. 

O antropólogo social Robert Briffault, um estudioso das relações sexuais entre machos e fêmeas em diferentes espécies, ao observar como as estratégias femininas e masculinas se comportam de forma padronizada, acabou por cunhar aquilo que ficou conhecida como A LEI DE BRIFFAULT

“A fêmea, nãssociação com o o homem, determina todas as condições da família animal. Onde a fêmea pode derivar nenhum benefício da a o macho, há tal associação ocorre .” 

 – Robert Briffault, As Mães, Vol. I, p. 191 

Segundo Briffault, as fêmeas seriam as gatekeepers do mercado sexual. São elas que definiriam quais são as condições nas quais o sexo irá acontecer e quais são os critérios pelos quais os homens tem que atender para chegar ao sexo. Briffault foi taxativo ao dizer que esses critérios tendem a beneficiar as mulheres e quando estes não são atendidos, a associação entre macho e fêmea não ocorre. Isso explica muito o crescimento dos celibatários involunários, homens feios e pobres, incapazes de atender os critérios cada vez mais elevados impostos pela coletividade feminina.  

Qualquer pessoa pode perceber que as mulheres são mais exigentes. É perceptível que uma mulher queira um homem bonito, rico e com status para um relacionamento de longo prazo. No entanto, por que motivo elas se importam que o homem tenha dinheiro e status para relacionamentos de curto prazo? Enquanto que homens se importam apenas com a beleza para o mercado sexual, as mulheres impões mais critérios para suas decisões de fazer sexo. 

Muitos estudos apontam que transar com homens ricos, mesmo que casualmente, pode oferecer benefícios sociais às mulheres, além de elevar suas autoestimas quando elas se percebem no mesmo nível de homens de alto nível na hierarquia social. Os recursos masculinos podem turbinar a atração de curto prazo por meio do que foi apelidado de “consumo conspícuo” (Kenrick et. Al., 2011). Em termos mais simples: ostentar dinheiro é uma técnica muito eficaz para atrair mulheres.  

Um ponto que deve ser frisado é que mulheres tendem a dar mais valor para a personalidade e com o caminhar da conversa. Para elas, o ideal é que o homem se comporte como o alfa que elas almejam e que dentro do diálogo ele possa demonstrar se encaixar com o estereótipo masculino que elas procuram. Não por acaso, até mesmo alguns homens sem o LMS, mas com um bom jogo e personalidade, conseguem tirar a barriga da miséria de vez em quando, uma vez que, no curto prazo, eles podem conseguir emular ser mais alfas do que realmente são, explorarem as carências femininas, falarem o que elas querem ouvir e seduzi-las vendendo uma imagem de alguém de valor. É óbvio que muitas dessas táticas de sedução não irão se sustentar no longo prazo se o homem não tiver LMS, mas no curto prazo é possível obter algum resultado tendo uma personalidade mais adequada com o que as mulheres querem e adaptando seu jogo para ser um sedutor melhor. 

1- Atração Feminina ( curto prazo x longo prazo) 

Agora que já vimos o que faz um homem ter valor aos olhos da maioria das mulheres, faz-se necessário avaliar o que faz uma mulher desejada aos olhos dos homens. Como pode ser conferido abaixo, para a surpresa de absolutamente, ninguém, o que conta para uma mulher conseguir se sobressair no mercado sexual é basicamente a beleza. Mulheres, pelo fato dos homens serem mais desesperados por sexo e inclusive estarem dispostos a sempre reduzir seus padrões de beleza para conseguirem sexo, estão numa posição confortável nesse mercado. Como em qualquer lugar, quanto maior a demanda, maior o preço. Desse modo, numa realidade em que os homens estão cada vez mais carentes por sexo, aceitando mulheres cada vez mais feias, as mulheres tem ainda mais condições de poderem escolher mais dentre os seus possíveis pretendentes. Em outras palavras, para a mulher, o sexo é uma questão de querer; já para o homem, é uma questão de poder.  

Já quando as mulheres são procuradas para relacionamentos de longo prazo, a beleza não conta tanto, apesar de contar mais que para os homens. A principal diferença entre os critérios de escolha de homens e mulheres no mercado amoroso é que o homem é muito mais preocupado com o fator fidelidade. Isso se explica pelo fato do homem ter um investimento maior numa relação e pelo risco da mulher acabar tendo uma prole de outro macho mesmo estando com ele. Se hoje, os riscos de uma fraude de paternidade assombram muitos, imagine no passado. Daí o homem, para ter certeza que o filho tem seus genes, passou a valorizar no passado a virgindade feminina. O homem que fosse o primeiro de uma mulher teria ao menos mais indícios para crer que o primeiro filho dela seria dele. Daí inclusive partiu o direito de primogenitura. 

Além da fidelidade, homens se preocupam muito com a idade da parceira. Isso não se dá somente pelo fato da idade sinalizar que a janela de beleza da mulher esteja chegando ao fim (the wall). Homens geralmente desejam ter filhos e a idade fértil de uma mulher se situa entre os 16 e os 32 anos. A partir dos 32 anos, as chances de um filho nascer saudável diminui, assim como aumenta as chances da mulher ter complicações na gravidez, falecer, e não poder oferecer outros herdeiros. Por isso, a idade da mulher é tão importante para homens que querem ter filhos.  

Estatisticamente, é admissível que o homem se 2 anos mais novo e 7 anos mais velho que a parceira. Qualquer diferença maior que essa pode implicar em divergências geracionais e há um aumento nos índices de divórcio. De qualquer forma, abaixo observamos os valores de ambos homens e mulheres no mercado sexual com o passar da idade. Mulheres, que se valorizam mais pela beleza, que é perdida com o tempo, chegam ao seu ápice aos 23 anos, enquanto homens, que se valorizam pelo dinheiro e status, que são adquiridos com o tempo, chegam ao seu ápice próximo dos 40, idade em que muitos ironicamente começam a perder testosterona e libido. 

Chega até ser estranho que o homem tenha tanta necessidade de conseguir uma parceira. E percebendo que não tem boas condições no mercado sexual, começa a estudar e trabalhar pra construir uma carreira. E quando alcança o status necessário já não tem mais a libido que tinha no início da empreitada. Essa é a armadilha do mercado sexual masculino. Nós trabalhamos pra conseguir dinheiro, pra pegar mulher, e quando conseguimos, já estamos velhos, cansados, e muitas vezes, brochas, por causa de tanto trabalho e cansaço.   

Fonte: Rational Male.com 

Observando o comportamento das curvas, o Pobretão de Vida Ruim cunhou um termo chamado de VINGANÇA TARDIA, na qual homens betas e jovens, antes rejeitados pelas mulheres, poderiam se valorizar e superá-las no mercado sexual com a idade, quando elas alcançarem a THE WALL, ficando feias e derrubadas. Porém, a vingança tardia é um conceito problemático, uma vez que, com sites como tinder e happn, mulheres velhas podem ter acesso a homens mais novos, ao passo que em países como o Brasil, com economias fracas, é apenas uma pequena fração dos homens que se beneficiará da vingança tardia, já que a maioria dos betas chegará aos 40 anos sem ter acumulado patrimônio, sem ter casa própria ou carro.  

3- Dinâmica relacional 

Uma vez que o homem consegue uma parceira, a tendência é que ele queira que ela o admire. Mas para tanto ela precisa percebê-lo como superior. Esse é o grande problema que muitos homens têm nos dias de hoje. Dada a facilidade colossal para mulheres em encontrar um homem melhor do que eles no mercado sexual, devido a escalabidade fornecida pelo Instagram, muitas mulheres hipergâmicas acabam não se sujeitando às vontades de seus parceiros e acabam competindo com ele pelo controle da relação. 

Como vemos na imagem abaixo, em relacionamentos de longo prazo, mulheres geralmente são as mais interessadas no início. Entretanto, após certa idade os homens passam a ficar mais carentes que as mulheres e por isso se sujeitam a circunstâncias deploráveis. Muitos aceitam agressões, físicas e verbais. Outros aceitam abrir o relacionamento, mesmo sabendo que suas mulheres terão mais parceiros sexuais que eles conseguirão parceiras. A falta de barganha por parte do homem dentro de um relacionamento de longo prazo tende a fazer com que a mulher perca qualquer admiração que tenha por ele, diminuindo a intensidade e quantidade da vida sexual 

Um ponto que devemos colocar em perspectiva é que o mesmo homem pode ser valorizado por uma mulher e ser desprezado por outra. E isso pode ocorrer de acordo com a mulher com a qual ele se envolve. Na minha vida, mulheres feias e gordas, sem melhores opções, trataram-me muito melhor do que mulheres atraentes, que tinham muitas opções superiores a mim. Ou seja, todo pareamento está sujeito a uma subjetividade da posição referencial das duas partes dentro do mercado sexual. 

A distribuição normal acima tenta posicionar as pessoas referencialmente dentro do todo. Segundo a curva normal, apenas um homem acima da média conseguiria hoje em dia tomar o controle da sua relação frente a uma mulher mediana. Para os demais relacionamentos, o homem mediano já deve entrar sabendo que em algum momento sua autoridade será desafiada. Evidentemente isso é uma alegoria, uma vez que não sabemos como mensurar todos os fatores objetivos que medem o valor sexual das mulheres e homens.   

No entanto, para a questão de beleza é possível fazer uma avaliação honesta. Pegando 100 homens da sua igreja, vizinhança ou do trabalho, que tenham idade próxima a sua e pedindo para mulheres escolherem quantos deles são mais bonitos que você, é possível identificar qual é a sua nota. Caso 50% deles sejam mais bonitos que você, então você é mediano. Agora, caso a maioria seja mais bonito, você é relativamente feio. Já se apenas uma fração deles for mais bonito que você, então você está no topo e pode ser considerado bonito. 

O problema desse tipo de avaliação é que sabemos que a escolha feminina é multifatorial. Esse tipo de pesquisa é muito mais apta para avaliar o poder de uma mulher no mercado sexual, uma vez que ele é mais baseado na beleza. Já para o homem teria que mensurar não só sua beleza, mas também seu capital.  

O problema é que o dinheiro não é percebido no mercado sexual da forma correta. As pessoas não te avaliam pelo que você tem, uma vez que ninguém tem certeza do quanto as pessoas tem no banco ou em ações. As pessoas te avaliam pelo que você ostenta ou pelas suas posses notórias. Um qualquer um pode ter 1 milhão em ações com uma vida simples. Essa mesma pessoa passa despercebida pelas mulheres, que podem preteri-lo por alguém mais feio que ostenta uma motinho ou um carro, ou que é filho ou dono de uma loja, empresa ou estabelecimento conhecido na região. 

Um outro fator difíil de mensurar é a questão do status. O status é bem referencial e nós mesmo temos a ilusão de nos acharmos superiores em determinadas situações a forma como outros nos veem, e vice-versa. Alguém com posição de mando geralmente tem status. Um outro fator complicador é que o status é alterado por outras variáveis. Alguém com dinheiro naturalmente é visto como alguém com status, assim como um modelo pode ter seu status elevado em certo ambiente apenas pela beleza. Apesar disso, dentro de ambientes, o que impera é quem tem maior posição hierárquica dentro dele. Dentro de uma igreja a opinião do pastor conta mais do que a opinião do homem mais rico ou do homem mais bonito. O status é aferido pela evidência que a pessoa possui e como ela é vista como ponto de referência e exemplo para os demais. 

É natural que homens queiram se sentir desejados, admirados e superiores às suas esposas. Muitos conseguem. Mas a realidade é que a maioria dos brasileiros é feia (mesmo não se vendo assim) e pobre, não possuindo muita barganha para bater de frente com os anseios femininos. Quando a mulher alcança destaque profissional ou social, aí não tem muito o que o beta possa fazer. Nessa hora o homem cai em copings, acreditando que pode retomar o controle da situação “se impondo” ou aderindo a joguinhos. Contudo, ele mal percebe que tentar ganhar no grito, sem estar lastreado por uma barganha que seja reconhecida pelo outro lado, é inútil no longo prazo e apenas tende a estressar a relação numa época em que qualquer coisa é considerada relacionamento abusivo e que existem repercussões legais para quem quer bancar o machão. 

Portanto, a saída mais segura para esse problema é o homem procurar uma mulher que tenha um valor menor do que o dele e que não haja muitas chances dela se deslumbrar no futuro. Uma vez casado, há pouquíssimas coisas que podem ser feitas. Caso o homem tenha barganha e a mulher comece a testá-lo, ele deve se impor; mas caso ele não a tenha, muitas vezes para não precisar pagar uma pensão a melhor opção é ele evitar problemas e não discutir. Infelizmente existem casos em que o relacionamento se torna uma competição e não uma colaboração, e muitas pessoas, por terem filhos, não podem arriscar sofrerem alienação parental ou verem seus filhos sendo criados por um rodízio de padrastos. 

Acima há uma tabela com as características de personalidade que as mulheres desejam em parceiros para relacionamentos de curto e longo prazo. É importante entender o que as mulheres desejam caso você tenha interesse de suprir suas expectativas. Caso a sua personalidade não tenha essas características, talvez você não deveria entrar numa relação de longo prazo. Do contrário você pode criar insatisfação na sua cônjuge e se deparar com conflitos desnecessários.  

Algo interessante dessa tabela é que elas alegam que desejam homens ambiciosos e carreiristas. Isso é balela. O que elas gostam é de dinheiro. O cara pode ter pouca ambição e não querer carreira alguma, mas se ele tem dinheiro, isso que importa. Quando elas falam que preferem alguém formado, não necessariamente significa que gostam de homens formados porque são mais inteligentes, mas sim porque estes tendem a ganhar mais.  

4- Ativos físicos 

Homens costumam valorizar muito o poder que a malhação pode oferecer, mas já existem estudos que apontam que a beleza facial excede a beleza corporal no homem. Evidentemente isso é relativo. O que estou apontando é que o Zach Efron magro é mais desejado que o musculoso The Rock. Isso pode parecer loucura, mas é uma dura realidade, já que podemos mudar o corpo e não o rosto. 

Sendo assim vamos apontar quais seriam os traços que são mais desejados nos homens: 

  • Altura  
  • Corpo e faces simétricas 
  • Atletismo (simboliza saúde) 
  • Músculos tonificados 
  • Características masculinas ( mandíbula grande, queixo proeminente, Barba, Voz ) 
  • Torso em forma de V 

Agora vamos comparar com as características femininas que são desejadas: 

  • Pele macia e sem manchas 
  • Peitos grandes 
  • Feminilidade facial (sinaliza seu e mais estrogênio, ou seja: maior fertilidade) 
  • Lábios carnudos 
  • Olhos grandes 
  • Mandíbula mais fina 
  • Queixo pequeno 
  • Maçãs do rosto altas 
  • Distância relativamente curta entre a boca e a mandíbula 
  • Simetria facial 
  • Cabelo brilhante (a qualidade e o comprimento do cabelo estão relacionados com a idade e saúde) 
  • Comprimento da perna (pernas longas em relação ao comprimento do torso, 5% mais longas do que a média recebem atratividade  
  • Relação cintura-quadril 

Por mais que pareça que o mercado sexual seja mais exigente com as mulheres, a realidade é que percebemos que boa parte das características desejadas nos homens são conquistadas enquanto as das mulheres são inatas. Ou seja, é muito mais difícil para um homem ficar todo bombado do que uma mulher já nascer curvelíneas. É óbvio que as mulheres podem evoluir seus corpos nas academias, mas esse aumento por elas conseguido traz ganhos desproporcionais no mercado sexual. 

Uma mulher feia mas malhada, a famosa raimunda, tem poder elevado no mercado, enquanto que um homem feio mas shaipado, é o que chamamos de gymcel. O homem feio, para chegar ao patamar de um homem bonito de rosto magro, tem que ter um corpo muito estético e chamativo. Já uma mulher comum já nasce com aquilo que todo homem quer: uma vagina, não precisando se esfolar numa academia. Esse é o principal motivo pelo qual na sua academia há menos mulheres do que homens. Por que elas não precisam. 

Dentre todos os ativos masculinos, nenhum é mais desleal que a altura. Nada pode ser mais cruel com um homem no mercado sexual que ser baixinho. Inclusive o percentual de mulheres que admite não se envolver com homens menores que elas é enorme, o que deixa sempre os pequeninos como segunda opção ou os fazem ter de se segurarem em outros fatores. 

Como vemos acima, a mairia das mulheres aceita se relacionar com homens acima de 1 metro e 77 cm. Abaixo disso, você está na pior. Curiosamente, acima de 2 metros de altura o homem é considerado bizarro e passa a ser rejeitado por causa da altura, mas sabemos que apenas uma minoria se encaixa nesse quadro. A altura dourada fica entre o 1,80 e 1,90, dependendo do lugar onde você mora. Em lugares mais colonizados por europeus, a média de altura é maior entre as mulheres, o que te força a ter que crescer para acompanhá-las. 

5- Menos é mais 

Relacionamento é uma sociedade. E como toda sociedade, associar-se com alguém é perigoso. Assim como num mercado de seguros, no mercado sexual, o maior preditor para o futuro é o passado. Sendo assim, quanto mais parceiros sua mulher já teve, maior a probabilidade dela ter ido para cama com homens melhores de você. E aqui eu não digo que seja melhor que você na cama, que dura mais tempo ou que tem o pau maior que o teu. Aqui falo de homens com maior valor no mercado sexual que você e que geraram mais admiração na sua mulher que você. Nesse caso, você não seria a melhor opção para sua mulher e sim aquilo que ela conseguiu depois de experimentar vários outros machos. 

Para o homem, saber que sua mulher já transou com vários outros machos e diminui muitas vezes e faz com que ele perca a admiração pela mesma. Sabendo disso, muitas mulheres mentem sobre seu passado. Enquanto que para o homem, a mulher não se importa com o passado dele, muitas vezes até se sentindo orgulhosa de ter sido escolhida depois de seu marido ter comido tantas outras; para o homem, é vergonhoso andar na rua e saber que outros machos já gozaram na boca ou já fizeram sexo anal com a mulher com quem ele anda de mãos dadas. O problema é que não é apenas uma questão de orgulho. Se importando ou não com isso, ligando ou não, o passado da mulher não deixará de ser um problema caso o homem feche os olhos para isso.  

A realidade é que quanto mais a mulher transou de forma promíscua mais dificuldade ela terá de se adaptar a uma vida normal. Ainda mais se for com um homem comum, mediano, beta. Nesse caso, o beta, o animal mais fraco da floresta, deve ter cuidado redobrado na hora de escolher seu parceiro.  

6- Fatores determinísticos 

Bem amigos. Esse tema é polêmico, mas esse capítulo ficaria incompleto caso eu não mencionasse isso. De fato para explicar a realidade do mercado sexual é necessário identificar que existem atributos físicos que são herdados hereditariamente que são valorizados de forma diferente no mercado sexual. 

Muitos dizem que existem critérios objetivos de beleza, que independem de noções culturais, que existem etnias que por acaso acumularam mais traços estéticos que outros e por isso são mais desejadas por pessoas de outras etnias. Já outros dizem que certas etnias são consideradas mais bonitas porque historicamente seus traços simbolizavam superioridade hierarquica dentro da sociedade. Pessoalmente, creio que ambos as visões podem ser complementares. Tanto a beleza objetiva como o fator cultural podem ter pesos concorrentes. 

O que interessa a nossa análise é que certas etnias são mais desejadas que outras. Por exemplo, em Uganda, homens chineses são mais desejados que homens nativos. O motivo? Porque as mulheres associaram a pele amarela e a baixa estatura deles com o alto poder aquisitivo dentro da realidade do país, e com a possibilidade de emigração. Um outro exemplo são os olhos claros, que dentro de praticamente todas as culturas é visto como algo exótico e quem possui esse traço tende a ter mais parceiros sexuais. 

Quando avaliamos quais seriam os traços mais desejados pelas mulheres, percebemos que há um padrão. Não só mulheres brancas preferem homens brancos com homens brancos são preferidos por mulheres de outras etnias. Isso poderia ser explicado pelo fato de homens brancos serem mais ricos que de outras etnias, no entanto, homens asiáticos tem maior renda média, e ainda nessa tabela, a renda não foi parte da avaliação, apenas foram julgadas imagens. 

Se julgarmos informações com as que foram retiradas do site OKCUPID, homens asiáticos e mulheres afroamericanas são os maiores prejudicados dentro da atual realidade do mercado sexual americano. Não há informação relativa a realidade brasileira, mas eu não tenho motivos para crer que esse é um fenômeno que não se reproduz em outros lugares. Talvez o homem asiático, apesar de rico e inteligente, não ostente símbolos estéticos de alfismo, como altura e pau grande, e através desse exemplo podemos concluir cabalmente que dinheiro definitavamente não vence tudo. 

Um comentário

  1. Caraca, ótimo texto Knuth!Smp acompanho o podcast.Mt bom ter as redpills q são dropadas em avulso complicadas num artigos td esquematizado.Parabéns pelo seu trabalho social.Vc não sabe o qnt ele é valioso pra nós betas!Abçao de um fã.Arriu!hahah

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s