Campanhas presidenciais sempre foram decididas devido ao trabalho feito nas inserções televisivas. Com o uso de marqueteiros e superproduções, os políticos tentavam utilizar o tempo de TV que lhes era legado para enganar/convencer o máximo de pobres a votarem neles.

Isso acontecia porque, por algum motivo, a TV tinha um poder mágico de conseguir manter o povão atento e persuadido. No entanto, com o advento da internet, fugir da propaganda eleitoral obrigatória tornou-se fácil para qualquer um com internet, espaço onde a campanha eleitoral ainda não tinha entrada oficial.

Hoje, a internet tomou o lugar da TV como principal passatempo do brasileiro. Não é possível fazer propaganda eleitoral obrigatória nas redes sociais, porém é comum ver nelas postagens políticas patrocinadas. Assim, se antes a política era influenciada pelas mídias oriundas de concessões públicas bem reguladas, hoje o principal fator para convencer o eleitorado é o Facebook, uma empresa privada estrangeira, com agenda e interesses próprios, que pode como já conseguiu decidir eleições em vários países.

No Brasil, o candidato mais popular é Jair Bolsonaro, que possui 8 segundos de TV. Seus seguidores sempre dizem que ele ganhará no primeiro turno, já que o que valeria seria sua atuação nas redes sociais, que sim, é a mais expressiva dentre os candidatos. Pois bem. Eis que de uma hora pra outra o Facebook derrubou mais de 200 páginas de direita, sob o pretexto de que espalhariam “fake news”. Já no Whatsapp, também do Facebook, agora há um limite de 20 compartilhamentos.

Dessa forma, é impossível não enxergar que o Facebook tenta interferir nas eleições brasileiras contra a direita. Direita que não ganhará nada reclamando do viés evidente do Facebook uma vez que suas críticas não farão a empresa se tornar menos esquerdista ou mais justa. Sendo assim, se essas censuras virarem rotina, tudo indica que a campanha de 2018 cairá no colo do establishment PT-PSDB, e logo descobriremos que é mais útil manipular os algoritmos do facebook que fraudar urnas eletrônicas.

Anúncios