Bastidores da Terceira Guerra Mundial: O frouxo Obama contra o Super Putin


Os neoconservadores do Partido Republicano aproveitam a crise da Ucrânia e o avanço russo sobre a Crimeia para relançar o bordão de que Barack Obama é frouxo e não defende como deveria os interesses dos Estados Unidos no mundo.

Os reiterados ataques à suposta “fraqueza” do presidente servem para desgastar sua imagem e, por tabela, a de sua ex-secretária de Estado, Hillary Clinton, virtual candidata dos democratas à Casa Branca, em 2016. Mas os neocons não parecem ter na mira apenas o público interno. Suas censuras à liderança de Obama, que representaria um risco para a defesa do ocidente, também ecoam no plano internacional.

A patacoada mal disfarça a subjacente “torcida” para que a crise se amplie –o que poderia, eventualmente, trazer à lembrança os arautos do novo século americano. Num cenário mais explosivo, eles estariam prontos para dizer que não foi por falta de aviso e, com sorte, poderiam recuperar terreno e reassumir o leme –ou os botões da maior máquina de guerra do planeta.

Na semana passada, o ex-prefeito republicano de Nova York, Rudolph Giuliani, que já foi considerado um político capaz de atrair seu partido para o centro, fez um comentário com conotações freudianas na rede de TV Fox. Falava sobre Putin –e o comparava a Obama: “Ele toma uma decisão e a executa de forma rápida. Então todo mundo reage. Isso é o que você pode chamar de um líder. O presidente Obama precisa pensar nisso”.

Num artigo para o “Daily Beast”, o jornalista e escritor Michael Tomasky –um progressista ao estilo americano– não deixou passar em branco o encanto de Giuliani e seus correligionários com o modelo de liderança “homem forte”. “Os neocons, em algum nível emocional, preferem Putin a Obama. Ele é resistente. Ele vai sem camisa”, ironizou Tomasky.

O perfil autocrático de Putin e seus devaneios imperiais vêm a calhar –sim, como farsa– num país que durante anos se mediu com a Rússia comunista, um antípoda definido, ameaçador e estimulante. A direita republicana não desconhece, é claro, a loucura que seria uma ação militar contra os russos –mas joga combustível retórico na fogueira.

É verdade que Obama cometeu equívocos. Falou grosso com a Síria e a Rússia sobre “linhas vermelhas” que não poderiam ser ultrapassadas –e ficou em posição desconfortável quando foi desrespeitado. Ele faz, contudo, a coisa certa ao insistir numa política externa que privilegia a via diplomática.

Depois de anos de Afeganistão e Iraque é evidente a fadiga da opinião pública americana –e internacional– com as intermináveis guerras “cirúrgicas” contra inimigos longínquos. Elas consomem anos, vidas e recursos que poderiam ser usados em outras áreas .

No mais, no caso da Ucrânia, embora os EUA tenham inegáveis interesses, é a Europa, afinal, que por todos os motivos está linha frente –e com sua habitual incapacidade de se apresentar como um ator articulado e decisivo na administração de crises.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marcosaugustogoncalves/2014/03/1423608-o-frouxo-obama-contra-o-super-putin.shtml

 

Comento:

Eu até poderia escrever um texto longo sobre os defeitos que compõe a fraqueza diplomática do Sr. Barack Obama. A principal mazela gerada pelo pacífico Obama é a percepção por parte de seus inimigos (os russos) de que toda e qualquer ação militar por parte dos EUA não passam de um joguinho de cena e que na realidade, o país não está disposto a um conflito. Isso é tão óbvio que as eleições parlamentares de 2014 nos EUA seriam catastróficas para os democratas no caso de uma aventura militar. É como minha vó já dizia: “Quando um não quer, dois não brigam”.

Anúncios

4 comentários

    • Depois do fracasso provocado pela Doutrina Bush(atacar antes de ser atacado) o governo Obama retraiu a influência internacional do país, concretizando o que especialistas chamam de “Declínio Relativo”.

      De certo, não são mesmo mais os mesmos, mas isso não significa que um dia não possam ocupar o espaço que um dia já foi deles. Só estamos presenciando o início da queda econômica. O que vemos é um país fortíssimo militarmente mas cada vez sem os meios de ação para impor seus interesses ao redor do mundo.

      Abraços Miguel.

      Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s