Quatro ministros aceitam recursos, placar vai a 4 a 1 e pena de mensaleiros deve diminuir


Imagem

Na primeira sessão de votação dos embargos infringentes no julgamento do mensalão, quatro ministros se posicionaram pelo “sim” aos recursos que podem diminuir a pena de condenados pelo crime de formação de quadrilha.

Nesta quarta-feira (26), apenas um magistrado se posicionou contra. Assim, o placar está em 4 a 1 pela absolvição dos réus com direito a infringentes especificamente para esse crime.

Caso o recurso seja aceito pela maioria do Supremo, poderão ser beneficiados os seguintes condenados: o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu; o ex-presidente do PT José Genoino; o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares; a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello; o ex-vice-presidente do banco José Roberto Salgado; o ex-sócio de Valério Cristiano Paz; outro ex-sócio de Valério Ramon Hollerbach; e o operador do mensalão Marcos Valério.

O primeiro a votar foi o ministro Luiz Fux — relator do processo na fase dos recursos. Ele mantece a condenação para os acusados por formação de quadrilha.

Leia mais notícias de Brasil e Política

Logo depois, porém, o colega Roberto Barroso entendeu que a acusação por formação de quadrilha prescreveu. Por isso, defendeu que as penas deveriam ser extintas. O voto igualou o marcador.

MP se posiciona pela condenação por crime de quadrilha

Barroso não fazia parte da Corte quando os ministros defenderam as condenações e penas para os réus do mensalão, na primeira parte do julgamento. Ele tomou posse em junho do ano passado, após a análise da dosimetria do processo.

Outros três ministros que, na primeira fase do joulgamento, absolveram os condenados, anteciparam os votos e mantiveram o mesmo posicionamento. São os casos dos ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Cármen Lúcia.

A ministra Rosa Weber, nna primeira parte da análise do processo do mensalão, também entendeu que o crime de quadrilha não existiu e inocentou os acusados. Ela não antecipou seu voto na sessão desta quarta-feira, mas deverá manter sua posição nas sessões extraordinárias desta quinta-feira – há duas marcadas, uma de manhã e outra à noite.

Futuro

O próximo ministro a votar é outro ministro que pouco participou do julgamento do mensalão. Teori Zavascki substituiu Cezar Peluso em novembro de 2012 e não participou da primeira fase do julgamento — situação semelhante a de Barroso.

Por outro lado, o entendimento dos ministros Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello já é conhecido. Eles condenaram os acusados na primeira etapa do julgamento.

Fonte: R7

Comento:

O problema é que o PT aparelhou o STF colocando lá juristas que defendem seus próprios interesses.

Um comentário

  1. prescrição de crimes por validade baseado em anos é outra maneira de se dizer que a justiça seja caduca, e valendo-se desse artificio fica claro que enquanto puderem fazer com que os processos não sigam adiante para ter suas devidas punições, assim o farão, a burocracia aqui é usada a favor desses miseráveis, enquanto que em contrapartida vemos inocentes sendo presos do dia pra noite sem toda essa ampla defesa que nossos políticos dispõem.

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s