Por que ser contra a isenção de impostos à templos religiosos?


A isenção de impostos às igrejas evangélicas sofre muitas críticas por parte de alguns setores da sociedade, que se queixam da falta de controle sobre a aplicação do dinheiro arrecadado através dos dízimos e ofertas dos fiéis. Entretanto, o princípio de isenção de impostos baseia-se na ideia de que as entidades religiosas promovem ações sociais e devem ter liberdade para a prática da fé.

Esse conceito vem sendo ampliado em alguns estados brasileiros, que aprovaram leis que isentam os templos religiosos de impostos sobre alguns serviços consumidos, como água, luz e telefone. De acordo com uma reportagem do jornal Folha, onze estados brasileiros já criaram ou estão analisando a isenção do ICMS para entidades religiosas.

O impacto aos cofres públicos da isenção aos 9,5 mil templos do estado chegou a R$ 2,8 milhões em Santa Catarina no último ano. O Rio de Janeiro, primeiro estado a adotar a proposta, deve ter um impacto ainda maior, pois sua taxa de ICMS é de 25% e a quantidade de templos também é superior.

O estado do Paraná teve um caso emblemático: a lei foi aprovada na Assembleia Legislativa, mas o governo do estado recorreu à Justiça para derrubar a lei e foi derrotado no Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que a lei é constitucional.

A bancada evangélica no estado do Mato Grosso tenta aprovar a lei pela segunda vez. Na última legislatura, os parlamentares reprovaram a lei, mas agora, a exemplo dos demais estados e da decisão do STF, os deputados argumentam que apenas estão aplicando o princípio de isenção previsto na Constituição à questão.

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/isencao-impostos-igrejas-cresce-preocupa-ministerio-publico-61611.html

 

Comento

1- Como todos sabemos, elevar ainda mais a imunidade de impostos aos templos religiosos só fará deles mais suscetíveis a crimes, como o de lavagem de dinherio.

2- As igrejas já não pagam impostos sobre as doações recebidas, seja em dinheiro, imóveis, carros, jóias e etc. O “engraçado” nessa história toda, é quem vemos, praticamente todos os dias, escândalos envolvendo o dinheiro das doações, e o que é feito? NADA.

3- O correto deveria ser a pela igualdade! Se nós, cidadãos simples, que trabalhamos, e zelamos por uma vida correta, pagamos nossos impostos, que são altíssimos, por que essas instituições religiosas, que tem sua renda revestidas em bens materiais não podem pagar também? O que os faz serem melhores, sendo que é o nosso dinheiro que vão para eles? Por que empresas que empregam centenas de pessoas são asfixiadas com taxação e essas igrejas em modelo de franquia não podem fazer o mesmo?

4- Nos Estados Unidos, onde existe isenção e onde doações podem ser descontadas do imposto de renda, as igrejas têm de se submeter à auditoria externa e publicar balanços revelando a destinação do dinheiro arrecadado dos fiéis. Esse controle tem levado alguns ministérios a ficarem encrencados com a Receita. Ou seja, se há isenção deve haver fiscalização e prestação de contas, o que jamais ocorreria no Brasil.

5- Não sou um ateísta radical. Muito pelo contrário, na maioria dos posts desse blog eu defendo a liberdade de religião. No entanto, nessa específica questão devemos analisar o porquê da não tributação de um templo. Se os templos recebem isenção devido ao trabalho social que fazem, então o correto seria que para receber a tal isenção primeiro deveriam comprovar que de fato fazem algum tipo de trabalho social.

Anúncios

3 comentários

  1. Infelizmente, o povo nao abre os olhos pela educaçao deficiente neste pais. Grande parte destes fieis sao incultos e faceis de ser manobrados pelos lideres religiosos. As igrejas atualmente sao uma industria que vende jesus e deus, Quanto mais fanaticos os fieis, mais duradoura a mautençao finaneira das igrejas.Muitas igrejas evangelicas, fazem suas interpretaçoes a seu bel prazer, contanto que mantenha o fiel a doar seu dinheiro suado.

    Curtir

  2. Mais impostos? Já somos 50% escravos!

    Quem olha para o Estado como solução, e vê nele o poder coercitivo para satisfazer seus desejos, seguramente esta pessoa é desprovida de valores éticos e morais. Seguramente é uma pessoa desprovida do entendimento do que é e deve ser o 3º Setor.

    Leia:
    Uma luta constante contra o crescimento do 4º setor no Brasil

    Você sabe a finalidade do Estado?

    Um trabalhador e/ou um empreendedor paga seus impostos. Cumpriu com suas obrigações. O que ele faz com seu dinheiro a partir de então, desde que seja lícito, só a ele diz respeito. É desta liberdade que surge a nossa decisão de contribuir para o trabalho de diaconia ou para nos aperfeiçoamos no estudo e na comunhão com Deus. O que é feito através de um trabalho comunitário, para o qual temos missionários, padres, pastores, usw.

    Exigir mais impostos é alimentar uma fome imoral, é inaceitável.

    Não são impostos que deve ser exigido, mas sim que as comunidades tenham:

    1., entre seus membros, pessoas eleitas para compor um presbitério, que entre seus membros tenha um tesoureiro e seu vice, e, de igual forma eleito um Conselho Fiscal. Os clérigos não tomam parte.

    2. Clérigos devem ter formação teológica, a partir de faculdades reconhecidas pelo MEC.

    Atendidos estes dois quesitos, não há como alguém mal intencionado fazer uso da fé por pessoas, não encontra espaço. É assim na Igreja Católica, na Igreja Luterana, na Igreja Metodista, na Igreja Menonita, usw.

    Pense nisso!

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s