Homofobia

Já repeti muitas vezes nesse blog que não sou homofóbico, não tenho nada contra ninguém, tampouco analiso essa questão pelo prisma religioso. Sendo assim, creio que cada faça o que bem quer com seu próprio corpo. Se duas querem viver juntas, que sejam felizes. Se são gays, que tenham seus direitos devidos aceitos. Simplesmente não acho justo que uma pessoa viva a vida inteira com outra e depois não tenha direito a uma pensão. A única coisa que estranho é o uso – na minha opinião, errôneo – do termo casamento.

Existe casal gay?

Definição de casal: 

casal
ca.sal
sm (casa+al3) 1 Pequeno povoado. 2 Pequena propriedade rústica. 3 Par composto de macho e fêmea, de homem e mulher. C. de urdideira: o mesmo que urdidor.

Se casal é composto por duas pessoas de sexos opostos, o termo casal gay é impossível, face a notória contradição nele imbutida. A única exceção aceita para o termo é a união de um gay e uma lésbica. Nesse casa seriam um casal gay. Outra união aceita seria a de um transexual feminino e a de um transex macho.

Existe casamento gay?

Considerando o início da civilização humana a partir da Mesopotâmia, mais precisamente na região atual do Golfo Pérsico – seja pelas evidências arqueológicas, históricas e científicas; seja pelo relato das escrituras aramaica, hebraica, grega e latina – o significado léxico gramatical do termo casamento deve ser estudado a partir dessa origem lingüística.

A Enciclopédia Eletrônica Wikipédia, com base em estudos científicos pertinentes, informa que há uma origem comum para as línguas indo-européias classificas em dez grupos dos quais se destacam para o propósito deste breve artigo as línguas helênicas com registros fragmentários no grego micênico do fim do século XV a.C. até o início do seguinte; as tradições homéricas (grego homérico) que datam do século VIII a.C.; e as línguas itálicas: que inclui o latim e seus descendentes (línguas românicas ou latinas), atestadas desde o século VII a.C.

A palavra grega para matrimônio ou casamento é “gamos” () cujo significado semântico é “vincular; unir” e ainda “um matrimônio ou festa de casamento3” no qual convivem um homem e uma mulher.

Adultério – [do latim adulteriu] 1. Infidelidade conjugal; prevaricação. 2. Fig. União destoante, aberrante. 3. Adulteração.

Conjugal – [do latim conjugale] Adj. Relativo ou pertencente a cônjuges, ou ao casamento.

Cônjuge – [do latim conjuge] s.m. Cada uma das pessoas ligadas pelo casamento em relação à outra.

Casamento – [do latim medieval casamentu] 1. Ato solene de união entre duas pessoas de sexo diferente, capazes e habilitadas, com legitimação religiosa e/ou civil.

Esposa – [do latim sponsa] s.f. 1. Mulher que está prometida para o casamento; noiva. 2. Mulher (em relação ao marido).

Esposo – [do latim sponsu] s.m. 1. O que prometeu casar ou que está para casar; noivo. 2. Marido.

Marido – [do latim maritu] s.m. Homem casado em relação à mulher a quem se uniu; cônjuge do sexo masculino. [fem. mulher]. 3

Matrimônio – [do latim matrimoniu] s.m. 1. União legítima de homem com mulher; casamento.

Poliandria – s.f. 1. Matrimônio da mulher com diversos homens. 2. Regime que se observa nas sociedades matrilineares e no qual diversos homens em geral irmãos ou primos, participam da posse de uma mulher.

Poligamia – [do grego polygamía latim polygamia] s.f. 1. Matrimônio de um com muitos. 2. Estado de polígamo.

Polígamo – [do grego polygamos] Adj. 1. Que tem mais de um cônjuge ao mesmo tempo. 2. Diz-se de certos animais dos quais os machos tem muitas fêmeas.

Releva-se o fato de o termo casamento, de per si, implicar de forma inequívoca a união de duas pessoas de sexo oposto – macho e fêmea – e não admitir o vínculo com um terceiro sem o consentimento dos cônjuges e da cultura e, mesmo quando isto ocorre, imperam as regras da poligamia.

Neste sentido e a exemplo do termo “dupla” que, de forma incontestável somente admite a tradução “dois elementos” ou “um par” e vice versa, o casamento SOMENTE comporta a tradução, e via de fato, a união conjugal de um homem com uma mulher; se é união conjugal, por imperativo das regras léxico gramaticais desde a antiguidade, somente o é entre macho e fêmea.

Em outras palavras, resta plenamente insubsistente a possibilidade léxica, gramatical e histórica de existir um casamento que não seja de um macho com uma fêmea, seja na Natureza, seja nas sociedades humanas.

Por conclusão, a união de pessoas do mesmo sexo é plenamente possível sob os ditames subjetivos (escolhas pessoais) e objetivos (doutrina, legislação e jurisprudência); porém jamais sob a expressão “casamento homossexual” pelo fato de tal ser contrária às normas léxicas das línguas faladas no mundo desde sua antiga semântica, constituindo-se tal expressão em grave e irremediável erro gramatical!
Referências:

WIKIPÉDIA – Enciclopédia Eletrônica. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADnguas_indo-europeias&gt; Acesso em: 07/05/2011.
Notas

1 Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADnguas_indo-europeias&gt; Acesso em: 07/05/2011. 2

Leia mais: http://jus.com.br/artigos/19089/casamento-homossexual-impossibilidade-lexicogramatical#ixzz2g2yJMsTd

Você pode chamar uma marmota de macaco, mas isso não mudará o fato dela ser uma marmota .

Anúncios