Zimbábue e sua política racista confisca terras dos Brancos

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, de 87 anos, anunciou que vai confiscar todas as terras em posse de fazendeiros brancos no país e distribuí-las a zimbabuanos negros. Num comunicado, disse que terminará o polêmico processo de reforma agrária iniciado em 2000, devolvendo as terras para “seus verdadeiros proprietários”, de acordo com o jornal oficial The Herald.

O que aconteceria se todos os fazendeiros brancos fossem expulsos?
Atualmente, existem pouco menos de 200 propriedades rurais em posse de brancos no Zimbábue. Desde 2000, mais de 4 mil fazendeiros perderam suas terras e tiveram que deixar o país. Foi a partir daí que se intensificou uma grave crise econômica e humanitária, com hiperinflação em desemprego em massa.

AIDS

Ex-colônia britânica, o Zimbábue tem uma das maiores taxas de infecção pelo vírus do HIV no mundo. Desde 2009, após eleições permeadas por acusações de fraude, Mugabe se viu forçado a governar junto a seu rival político, Morgan Tsvangirai, líder do Movimento para a Mudança Democrática, uma coalizão que promoveu certa estabilidade econômica ao Zimbábue a década de crise financeira.

Racismo

A proposta foi imediatamente repudiada pela União de Fazendeiros Comerciais (CFU, na sigla em inglês), liderada por proprietários de terra brancos. “Estão dizendo que, se você é branco, não é bem-vindo? Porque, se é assim, deveriam dizê-lo claramente”, disse o presidente da CFU, Charles Taffs, em entrevista por telefone à Agência Efe. ‘É um complô direto do Zanu-PF para minar a recuperação do Zimbábue’. Taffs destacou que o país enfrenta um dos piores déficits de milho dos últimos 100 anos.

Breve história da Rodésia

Anteriormente chamada de Rodésia, o Zimbábue era uma próspera colônia inglesa na África, até que nos anos 70, depois de uma cruel guerra civil contra os comunistas, a Rodésia se emancipou e numa eleição, o esquerdista Robert Mugabe tomou o poder, de onde nunca mais saiu até hoje.

 

 

Anúncios