O programa arrecada menos de 0,5% do que a Receita Federal está cobrando da Globo

1- Hipocrisia

Que moral a Rede Globo tem para dizer que é a favor das crianças? Enquanto posa de entidade filantrópica, suas novelas (como Amor à Vida) defendem abertamente a legalização do aborto. Para a Globo, é mais fácil “defender” a vida humana que se vê – a que não vê que se dane.

2- Aumento

O valor das doações que aumentou muito nos últimos anos, algo que varia de 33% a 50%. Esse aumento seria absurdo, afinal a Globo sempre critica quando qualquer imposto ou tarifa pública recebe um acréscimo maior que a inflação, mas quando é a vez dela aumentar os valores, acaba extrapolando e muito à taxa que poderia ser considerada como alta normal. Assim sendo, a emissora carioca devia dar exemplo e não fazer pior do que o governo.

3- Dedução de impostos

Todo ano a Globo pegaria um recibo do dinheiro doado pelo povo junto a Unesco para usar na dedução do seu imposto de renda, como se a emissora que tivesse doado o dinheiro, dessa maneira ela consegue um abatimento enorme. Claro que essa manobra é totalmente errada, pois como todo mundo sabe a Globo não desembolsa um centavo para dar a campanha, apenas arrecada dinheiros dos seus telespectadores e passa para a Unesco.

4- Injustiça

Para piorar, se alguma pessoa que doou dinheiro para ao Criança Esperança ela não pode abater do seu imposto de renda, pois o dinheiro foi dado para uma marca e não para uma entidade beneficente diretamente. Dessa maneira é no mínimo antiético caso a Globo realmente se utilize do dinheiro dos espectadores para pagar suas contas.

5- Incoerência

A Globo desembolsa milhões, repito: milhões, para financiar sua novelas que fazem apologia a imoralidade, mas na hora de fazer filantropia querem o dinheiro de nós, os otários. É até humilhante ver uma instituição fazer uso da situação deplorável das nossas crianças para conseguir se promover.

Fonte: Anonymous e Diario Centro do Mundo

Anúncios