Existe um argumento racional para a existência de deus?


Existe um argumento para a existência de Deus?

Resposta:

A questão de se existe um argumento conclusivo a favor da existência de deus tem sido debatida ao longo da história, com pessoas extremamente inteligentes defendendo ambos os lados da disputa. Nos últimos tempos, os argumentos contra a possibilidade da existência de deus têm assumido um espírito militante que acusa qualquer pessoa que se atreva a acreditar em deus como sendo delirante e irracional. Karl Marx afirmou que alguém que acredita em deus deve ter um distúrbio mental que invalidou sua capacidade de pensar. O psiquiatra Sigmund Freud escreveu que uma pessoa que acredita em um deus Criador é delirante e agarra-se a essas crenças devido a um fator chamado “desejo de realização” que produz o que Freud considerava uma posição injustificável. O filósofo Friedrich Nietzsche disse sem rodeios que a fé equivale a não querer conhecer a verdade. As vozes destas três figuras históricas (juntamente com outros) são agora simplesmente repetidas por uma nova geração de ateus que afirma que a crença em Deus é intelectualmente injustificável.

Raciocínio

É este realmente o caso? É a crença em deus uma posição racionalmente inaceitável de se manter? Existe um argumento lógico e sensato a favor da existência de deus? Além de citar a Bíblia, pode-se fazer um caso a favor da Sua existência que refute as posições de ambos os ateus antigos e novos e que realmente justifique acreditar em um Criador? A resposta é sim, pode. Além disso, demonstrar a validade de um argumento para a existência de Deus mostra como o ateísmo é de fato intelectualmente fraco.

Argumento

Argumentar a existência de deus torna necessário fazer as perguntas certas logo no início. Começamos com a pergunta metafísica mais básica: “Por que temos algo ao invés do nada?” Esta é a questão básica da existência — por que estamos aqui; por que a terra está aqui; por que o universo existe ao invés do nada? Ao comentar sobre este ponto, um teólogo disse: “Em certo sentido, o homem não faz as perguntas sobre deus, sua própria existência é que as provoca”.

Ao considerar esta questão, há quatro possíveis respostas a por que temos algo ao invés do nada:

1. A realidade é uma ilusão.
2. A realidade é/foi auto-criada.
3. A realidade é auto-existente (eterna).
4. A realidade foi criada por algo que é auto-existente.

Então, qual é a solução mais plausível? Vamos começar com a realidade simplesmente sendo uma ilusão, pois várias religiões orientais acreditam assim. Esta opção foi descartada há séculos pelo filósofo René Descartes, famoso pela frase “penso, logo existo”. Descartes, um matemático, argumentou que se ele pensa, então ele deve “existir”. Em outras palavras “Penso, portanto não sou uma ilusão.” As ilusões exigem que algo as experimente e, além disso, você não pode duvidar da sua própria existência sem ao mesmo tempo prová-la; acreditar que a realidade seja uma ilusão é um argumento auto-destrutivo e deve ser eliminado.

Realidade

Em seguida temos a opção da realidade sendo auto-criada. Quando estudamos filosofia, aprendemos de afirmações “analiticamente falsas”, o que significa que são falsas por definição. A possibilidade da realidade ser auto-criada é um desses tipos de declarações pela simples razão de que algo não pode existir antes de si mesmo. Se você criou a si mesmo, então você deve ter existido antes de se criar, mas esse não pode ser o caso. Na evolução, às vezes esse conceito é mencionado como “geração espontânea” – algo vindo do nada – uma posição que poucas pessoas sensatas (talvez nenhuma) continuam a defender simplesmente porque não se pode obter algo do nada. Até mesmo o ateu David Hume disse: “Nunca confirmei uma proposição tão absurda como afirmar que algo possa surgir sem uma causa.” Já que algo não pode vir do nada, a alternativa da realidade sendo auto-criada tem que ser descartada também.

Duas escolhas

Agora ficamos com apenas duas escolhas: uma realidade eterna ou a realidade sendo criada por algo eterno: um universo eterno ou um Criador eterno. Jonathan Edwards, teólogo do século 18, resumiu esta encruzilhada:

• Algo existe.
• O nada não pode criar alguma coisa.
• Portanto, “algo” necessário e eterno tem que existir.

Observe que devemos voltar a um eterno “algo”. O ateu que ridiculariza aquele que crê em deus por acreditar em um Criador eterno tem, ao invés, que aceitar um universo eterno; essa é a única outra porta que pode escolher. Entretanto, a pergunta agora é: até onde as provas nos levam? Será que a evidência aponta à matéria antes da mente ou à mente antes da matéria?

Evidências

Até agora, todas as principais evidências científicas e filosóficas apontam menos a um universo eterno e mais a um Criador eterno. Do ponto de vista científico, os cientistas honestos admitem que o universo teve um começo e que nada que teve um começo pode ser eterno. Em outras palavras, tudo que teve um início tem uma causa, e se o universo teve um começo, então teve uma causa também. O fato de que o universo teve um início é ressaltado por evidências como a segunda lei da termodinâmica, o eco de radiação do Big Bang descoberto no início de 1900, o fato de que o universo está em expansão e pode ser rastreado a um início singular e a teoria da relatividade de Einstein. Todas elas provam que o universo não é eterno.

“Calça” e “defeito”

Além disso, as leis que rodeiam a causalidade falam contra o universo sendo a causa fundamental de tudo o que conhecemos por esse fato simples: um efeito deve se assemelhar a sua causa. Sendo isto verdade, nenhum ateu pode explicar como um universo impessoal, sem propósito, sem sentido e amoral acidentalmente criou seres (nós) cheios de personalidade e obcecados por propósito, significado e moral. Tal coisa, do ponto de vista causal, completamente refuta a ideia de um universo natural dando origem a tudo o que existe. Assim, no final, o conceito de um universo eterno é eliminado.

Produto da mente

O filósofo John Stuart Mill (não-cristão) resumiu o que dissemos até agora: “É auto-evidente que só a Mente pode criar a mente.” A única conclusão racional e sensata é que um Criador eterno seja de fato o responsável pela realidade tal como a conhecemos. Ou para explicar através de um conjunto lógico de afirmações:

• Algo existe.
• Você não consegue algo do nada.
• Portanto, um “algo” necessário e eterno existe.
• As duas únicas opções são um universo eterno e um eterno Criador.
• A ciência e a filosofia têm refutado o conceito de um universo eterno.
• Assim, existe um Criador eterno.

Lee Strobel, um ex-ateu que chegou a esse resultado há muitos anos, comentou: “Essencialmente, percebi que para permanecer um ateu eu teria que acreditar que nada produz tudo; não-vida produz vida; aleatoriedade produz sincronização; caos produz informação; inconsciência produz a consciência e a não-razão produz razão. Aqueles saltos de fé eram simplesmente grandes demais para eu tomar, especialmente à luz do caso afirmativo da existência de deus… Em outras palavras, na minha avaliação, a cosmovisão cristã pôde justificar a totalidade da evidência de uma forma muito melhor do que a cosmovisão ateísta.”

Características

No entanto, a próxima pergunta que devemos enfrentar é esta: se existe um Criador eterno (e já mostramos que ele existe), que tipo de Criador é ele? Podemos inferir certas coisas sobre Ele com base no que criou? Em outras palavras, podemos entender a causa através dos seus efeitos? A resposta a esta pergunta é sim, podemos, e as seguintes conclusões podem ser tiradas:

• Ele deve ser de natureza sobrenatural (pois criou o tempo e espaço).
• Ele deve ser onipotente (excessivamente poderoso).
• Ele deve ser eterno (auto-existente).
• Ele deve ser onipresente (pois criou o espaço e não é por ele limitado).
• Ele deve ser eterno e imutável (pois criou o tempo).
• Ele deve ser imaterial porque transcende o espaço físico.
• Ele deve ser pessoal (o impessoal não pode criar a personalidade).
• Ele deve ser infinito e singular porque não se pode ter dois infinitos.
• Ele deve ser diversificado e unificado ao mesmo tempo, uma vez que unidade e diversidade existem na natureza.
• Ele deve ser onisciente (supremamente inteligente). Apenas um ser cognitivo pode criar um outro ser cognitivo.
• Ele deve ter propósito pois deliberadamente criou tudo.
• Ele deve ser moral (não se pode ter uma lei moral sem o seu legislador).
• Ele deve ser cuidadoso (ou as leis morais não teriam sido dadas).

Justificativa

Um outro ponto a abordar sobre a questão da existência de deus é a questão de quão justificável a posição do ateu realmente é. Já que o ateu afirma que a posição do crente não é convincente, então é apenas razoável fazer-lhe a mesma pergunta. A primeira coisa a entender é que a afirmação que o ateu faz – “Deus não existe”, que é o que a palavra “ateu” significa – é uma posição insustentável de um ponto de vista filosófico. Assim como disse o jurista e filósofo Mortimer Adler: “Uma proposição existencial afirmativa pode ser provada, mas uma proposição existencial negativa – uma que negue a existência de algo – não pode ser provada.” Por exemplo, alguém pode afirmar que uma águia vermelha existe enquanto outra pessoa afirme que águias vermelhas não existem. A primeira apenas precisa encontrar uma única águia vermelha para provar a sua afirmação. No entanto, a segunda precisa pesquisar o universo inteiro e literalmente estar em todo lugar ao mesmo tempo para garantir que não deixou de ver uma águia vermelha em algum lugar e em algum momento, o que é impossível de fazer. É por isso que os ateus intelectualmente honestos admitem que não podem provar que deus não existe.

Provas

Em seguida, é importante compreender o problema que rodeia a gravidade das reivindicações sobre o que é verdade e a quantidade de provas necessárias para justificar determinadas conclusões. Por exemplo, se alguém colocasse dois recipientes de limonada na sua frente e dissesse que um talvez fosse mais azedo do que o outro, já que as consequências de beber o mais azedo não seriam graves, não seria necessário considerar uma grande quantidade de provas para fazer a sua escolha. No entanto, se a um copo o anfitrião tivesse adicionado adoçante e ao outro, veneno de rato, então seria bom ter bem mais provas antes de fazer a sua escolha.

Decisão

Este é o lugar onde uma pessoa tem que parar e decidir entre o ateísmo e a crença em deus. Já que a crença no ateísmo poderia resultar em consequências eternas irreparáveis, parece ser razoável que o ateu fosse obrigado a apresentar evidências de peso e derrogatórias que apoiassem a sua posição, mas ele não pode. O ateísmo simplesmente não pode apresentar evidências suficientes que corroborem a gravidade de suas acusações. Em vez disso, o ateu e aqueles a quem convence de sua posição entram na eternidade com os dedos cruzados, esperando que não encontrarão a verdade desagradável de que a eternidade realmente existe. Como Mortimer Adler diz: “Mais consequências para a vida e conduta resultam da afirmação ou negação de deus do que de qualquer outra questão básica.”

Conclusão

Então, será que a crença em deus tem justificativa intelectual? Existe um argumento racional, lógico e sensato a favor da Sua existência? Sim. Embora ateus como Freud aleguem que os que crêem em deus simplesmente querem o cumprimento de um desejo, talvez Freud e seus seguidores sejam os que realmente sofrem desse mal: a esperança e o desejo de que Deus e qualquer prestação de contas não existam e, portanto, nenhum juízo. No entanto, o deus monoteísta refuta Freud ao afirmar a sua existência e um julgamento vindouro a todo aquele que, no fundo, sabe que ele existe mas escolhe suprimir essa verdade.

Fontes:

Como Provar Que Deus Existe, Mortimer J. Adler

http://www.gotquestions.org/Portugues/argumento-existencia-Deus.html#ixzz2cU063tkZ

15 comentários

  1. Me desculpem os cristãos e religiosos (não tenho preconceito) mas acreditar em Deus é um vestígio do homem primata, que não entendia o porquê da morte…

    “A morte é um preconceito. Não há morte. Tudo é vida. Morrer é transitar de um estado para outro. Quem morre, transforma-se. Continua a viver inorganicamente, transmutando em gases e sais, ou organicamente, feito lucílias, necróforas e uma centena de outras vidinhas esvoaçantes. Que importa para a universal harmonia das coisas esta ou aquela forma? Tudo é vida. A vida nasce da morte. Eu preciso, eu ‘quero’ viver a minha vida. Há óbices no caminho? Afaste-os…”.

    O que é muito esquisito é que praticamente todas as religiões tem o mesmo princípio de que existe um ser divino, ou seres divinos criadores…
    Outra curiosidade é a epopeia de Gilgamesh. Um poema muito semelhante a história de Noé, porém muito mais antigo do que a própria bíblia.

    Um assunto bem interessante para discutir…

    Parabéns pelo blog!

    Curtir

  2. Caro Alexandre, obrigado pelo comentário.

    1- Esse texto não teve o intuito de ofender ateus ou agnósticos, mas mostrar que a crença em deus é algo completamente coerente se observado por determinado prisma. Durante mais de 6 milênios a humanidade não teve nenhuma outra forma de constestar as explicações dadas pelas religiões. Motivo? Porque a ciência era atrasada e as explicações religiosas supriam praticamente a maioria das dúvidas.

    2- Ainda que deus não existisse (considerando a possibilidade de realmente termos chegado aqui sem intermédio de um criador, certamente ele seria inventado, pois ele, mesmo sem existir, melhoraria a realidade de muitas pessoas que vivem numa realidade adversa.

    3- Deus é inventado? Esse é um ponto que poderíamos discutir. Se deus fosse inventado, o céu estaria totalmente explicado, porque todos gostariam de ir para um lugar melho. Porém, e o inferno?

    4- Já li a bíblia inteira e sei que quase todas as histórias nela contida podem ser encontadas em outros povos mais antigos. Isso não invalida o livro ou significa que se trata de uma obra-plágio, apenas significa que o povo judaico poderia ser influenciado por outros povos ou que existem algumas histórias e fábulas que surgiram espontaneamente. Existem tribos indígenas que possuem histórias do gênesis bem parecidas com a da bíblia.

    5- A esmagadora maioria das pessoas, mesmo com o enfraquecimento das religiões monogâmicas, podem até deixar de crer em deus, mas não será capaz facilmente de descrer num criador. Quando uma estrutura altamente complexa existe, é normal que qualquer ser pensante que a avalie perceba não somente que foi criada, mas ainda que foi criada para um propósito, por um criador que sabia o que estava fazendo, um criador inteligente.

    6- Dentre todos os milhões de planetas somente a Terra reúne todas as condições para a vida humana (ar, água, radiação, temperatura, etc). Além disso, apenas 2% da nossa superfície é adequada para o estabelecimento de cidades. Isso denota que a vida na Terra é realmente fruto de condições complexas, e que essas condições não surgem “do nada” a partir de si mesmas.

    7- Mesmo cientistas anti-religiosos como Richard Dawskins admitem que algo ou alguém teve influência no processo evolutivo. Isso prova que é bom mantermos a mente aberta.

    8- Acreditar ou não em deus é uma decisão de foto íntimo que deve ser respeitada. Humilhar ou discriminar alguém por crer ou descrer é um ato abominável. Ainda que a ciência provasse a inexistência de deus (o que é impossível face a sua excepcionalidade) ainda assim acreditaria em sua existência (devido a experiências pessoais e ao simples fato de viver melhor crendo nisso). O que mudaria é que não ficaria defendendo essa ideia para outras pessoas.

    Abraços e volte sempre.

    Curtir

    • Cara…

      Não discriminei ninguém, só acho que isso é muito primitivo… Tanto é que a ciência reconhece o criacionismo, isto é, a ideia de um ser criador…

      Outra coisa, quando você diz: “Dentre todos os milhões de planetas somente a Terra reúne todas as condições para a vida humana (ar, água, radiação, temperatura, etc)”.
      Esse argumento já não é válido, pesquisas recentes mostra que a cada 1000 planetas, 50 deles tem condições de abrigar outros seres vivos, sendo que a NASA já encontrou 2 planetas em condições muito semelhantes ao da Terra, inclusive o recurso principal: Água. Agora, ser humano é só aqui mesmo.

      E quando citei outras religiões, não estava falando de influência de uma para outra. Civilizações como os maias, por exemplo, tem algumas coisas em comum com as crenças dos povos da Europa e do Oriente Médio. Isso que essas culturas nunca souberam da existência uma da outra… Como explica isso?

      Tem gente que acredita que deus é muito além do que esta escrito na bíblia, algo que nosso cérebro ainda não consegue deduzir, o que faz muito sentido, levando em consideração que a bíblia foi editada milhares de vezes. Não podemos desconsiderar esse fato. E mesmo assim eu não acredito! hhashuasha… Tudo tem uma explicação física, química e matemática para as coisas.

      O homem esta cada vez mais ávido pelo conhecimento do cosmo, é uma questão de tempo até a bíblia cair por terra…

      Mais uma vez obrigado, e parabéns pelo blog!

      Curtir

      • Caro Alexandre, obrigado pelo comentário.

        1- Não tenho nenhum interesse de te ofender. Respeito sua descrença. A “fé” é baseada em fatores pessoais que não se reproduzem em todos.

        2- Quanto aos planetas, só sabemos da existência deles por causa de telescópios. Não sabemos se eles tem radiação, se o solo deles é fértil para nosso alimento ou ainda se a água deles é potável para nós. Desculpe, mas falta algum tempo para que a Nasa possa PROVAR que são habitáveis para nós, humanos.

        obs: ainda que você esteja certo nesse ponto, o fato desses planetas terem todas as condições para a vida e não desenvolverem vida mostra ainda mais a excepcionalidade da vida na Terra. Esse seria mais um indício (não de deus) de um criador.

        3- “Civilizações como os maias, por exemplo, tem algumas coisas em comum com as crenças dos povos da Europa e do Oriente Médio. Isso que essas culturas nunca souberam da existência uma da outra… Como explica isso?” A bíblia tem uma explicação para isso: fator Melquisedeque. Outras religiões tem outras.

        4- Bíblia editada? Talvez, mas as escavações mostram que os escritos antigos são praticamente iguais aos de hoje(manuscritos do mar morto por exemplo). A bíblia não está intrissecamente ligada a deus, um pode plenamente existir sem o outro.

        5- Nem tudo tem explicação física, química e matemática. Nem tudo pode ser provado. Como a ciência, que não pode sempre ser julgada pelo método científico, a ciência está cheia de presunções que não podem ser provadas, vide o exemplo da teoria da relatividade, que é toda dependente da presunção que a velocidade da luz é constante na direção entre um ponto A e um ponto B. Mas não se pode provar isso. Até agora alguém já explicou o amor? Muitos não podem provar que ele existe, mas acreditam nele devido aos efeitos que somente ele poderia ter feito em suas vidas. O mesmo vale pra deus.

        6- É uma questão de tempo até a bíblia cair por terra?hhahuah, se analisássemos a bíblia pelo sentido literal ela já caiu por Terra a muito tempo e as pessoas ainda creem nela – o fazem não porque a bíblia atende a explicações lógicas, mas porque supre demandas comuns na vida das pessoas.

        Abraços.

        Curtir

  3. Uma pessoa realista não se baseia em suposições.
    Por que é tão fácil para teístas dizerem que “o mundo não veio do nada, logo, Deus existe”?
    Ora, isso é uma necessidade emocional. Não explicativa.
    Tudo tem uma causa. Se esse deus existe, por que ele seria uma exceção?
    Ah, “porque ele é a causa das causas”. Essa é outra afirmativa emocional. As pessoas querem que exista um deus para protegê-las, para que tenham um suporte.
    A partir daí surgiram profetas, como Maomé e Jesus. Sendo que este último “curava” cegos, leprosos, multiplicava pães etc.
    Mas pergunte se algum cristão realmente acreditaria se ouvisse uma história de um homem milagreiro, nos tempos atuais. Claro que não.
    É mais fácil acreditar em fábulas antigas, pois existe o “alicerce” histórico, o suporte emocional(novamente), a Bíblia e a falácia do apelo à multidão.
    “Se a maioria acredita, só pode ser verdade.”

    Curtir

    • Paulo…

      Têm alguns detalhes bem interessante que eu quero que você reflita, se quiser é claro…

      Debati uma vez com a minha falecida mãezinha, que era evangélica (de verdade, tinha uma fé inacreditável) de onde veio Deus, e ela respondeu: -Deus sempre existiu. E eu questionei: -como algo sempre existiu? então Deus veio do nada. Mas eu faço uma pergunta, o que é nada? O que tinha antes de tudo? Só Deus? Deus e o nada?

      E o ponto que me faz desacreditar na bíblia: Se você têm filhos, ou pretende ter, ou ama alguém do fundo de seu coração, você criaria um lugar para que seus entes queridos fossem mandados para a tortura eterna pelo simples fato de não adorarem ou amarem você? Quer dizer, não posso ser livre? Sei que esta pensando no livre-arbítrio, mas eu racionalizei isso também: O fruto do conhecimento! Aí começou a treta… Mas pera aí, qual foi a intenção de Deus em criar o fruto proibido? Ela estava nos testando? Sim, como testamos uma máquina antes de usá-la…

      Sei lá, sou um misero humano perto do que é Deus descrito na bíblia, mas não aceito essa ideia porque dizem que Deus é amor e isso pra mim não é amor!

      Att,.

      Curtir

      • Caro Alexandre, sua prezada mãe tinha uma concepção muito pobre do que seria deus. Se fosse você também não acreditaria nisso. Aliás, não acredito nisso mesmo sendo cristão. Em todas as questões sua genitora foi simplista e fraquíssima do ponto de vista filosófico.

        Curtir

  4. ACid BLaCK NeRD, tá tranquilo ^^, não fiquei ofendido, o que seria do mundo sem as aversões? Com certeza não teria graça!

    Os planetas que citei não são para a vida humana, e sim outros tipos de vida. A tecnologia atual já consegue sim medir o nível de radiação até de um sistema planetário idêntico ao nosso que ainda esta em formação a milhares de anos-luz daqui da Terra…

    E se o “criador” existe, porque ele se esconde? Ou melhor, porque ele se manifesta apenas para algumas pessoas?

    Esta ideia de deus que você fala, veio da bíblia e não adianta fugir disso… Que se segundo ele, nós somos os únicos seres vivos no universo inteiro…

    Curtir

    • 1- Não somos os únicos, o que a bíblia diz é que somos os feitos a imagem e semelhança do cara. O que sabemos no momento é que somos os únicos seres “inteligentes”, atributo que não encontramos nas formas de vida que existem fora da Terra.

      2- O criador se esconde? Para quem crê num ser invisível ele se manifesta na sua própria criação. Pense num relógio. Ele funciona, mas seu criador pode ter aparecido simplesmente no início da montagem e depois se “escondido”. É o que uma corrente do cristianismo defende: que deus fez o mundo em 6 “dias” e no sétimo, que seria na nossa era, ele está “dormindo”. Mas isso é só uma forma do cristianismo explicar o porque do não aparecimento de deus.

      3- “Ou melhor, porque ele se manifesta apenas para algumas pessoas?” Essa pergunta é excelente. Não sei. Qualquer dia eu pergunto pra ele. Assim que ele me responder eu posto a resposta aqui.

      heheh

      Abraços.

      Curtir

  5. A gente cresce aprendendo que Deus existe. Que é justo, amoroso, perfeito, etc… E você crê naquilo que seus pais e professores ensinam, afinal, são as figuras maiores do que pra nós, quando crianças, significa sabedoria, força, proteção, amor…
    O problema é que crescemos e convivemos em uma sociedade hipócrita, egoísta e maldosa. Então, começamos a ver e vivenciar certas coisas que não condizem com o fato de termos, verdadeiramente, alguém superior que nos vê e julga, que é justo… Vemos verdadeiros calhordas vencendo qualquer demanda, ainda que não por merecimento, ainda que injustamente, por meio de práticas condenáveis (e até nojentas) aos nossos olhos e aos olhos do tal “poderoso Senhor”!
    Assim, começamos a pensar: ”mas se Deus existe, ele não esta vendo isso?”… Justamente por ‘pensarmos’, passamos a adolescência e a maturidade montando as peças de um quebra-cabeças sem lógica, que não leva a nenhum entendimento sobre coisa alguma e que, por isso, sempre nos leva de volta ao começo, ao zero…
    Assim, torna-se menos doloroso acreditar que não existe um Deus… É melhor crer que não existe um Deus, do que acreditar que ele existe e é um ser cruel, que brinca conosco como se comandasse um jogo onde se diverte com nossas limitações, com nossa crença de que seremos julgados com justiça e que todo mal será castigado…
    É menos doloroso acreditar que não existe um Deus do que perceber que este mesmo Deus enche de alegrias e abundância a vida do teu vizinho mau, enquanto a sua, que faz todo o bem que está em tuas mãos e até mais, vive em constante sofrimento, em perdas, em limitações inexplicáveis, por mais que você lute e tente, de todas as formas, ter um pouco de dignidade e um pouco de alegria.
    E, assim, surgem os ateus fervorosos, que querem saber afinal, que se prove, que este ‘ser’ existe e mais: que é justo e que realmente tem tanto ou mais amor (e zelo) do que nossos pais. Pois o que vemos, desde a criação desta ‘joça’ é a indignidade vencendo, dominando, sem qualquer tipo de livramento… Nem Jesus escapou da maldade e da injustiça das mãos humanas.
    Acredito, enfim, que o mal, veja bem, está na consciência de cada um. Se você ”não percebe” que aquilo que fez é mau, não será julgado pela sua própria consciência e, portanto, não será penalizado… Se considerar que tudo nesta vida terrena é um JOGO LIVRE e SEM REGRAS, onde se é caçador ou refeição, fará tudo para ser egoisticamente feliz, não importando o como, nem sobre quem passará por cima ou quais e quantas famílias destruirá, quantas crianças chorarão em consequência dos seus atos… Pois não há julgamento a não ser por ti mesmo.

    Curtir

  6. Vc Não Citou De Forma Clara o Agnosticismo.
    Venho Pesquisando, e Vendo Opiniões De Varias Pessoas.
    Conclui Que A Maioria Dos Que Creem Em Deus, Não Sabem Oq Eh Um Agnostico, e Muitos Acham Que Sou Ateista.
    Eh Tipo, Vc Eh Católica Ou Evangélica?
    – Sou Agnostica.
    Ai a Pessoa Sempre Fala Hum.. Eh Como Se Ela Estivesse Pensando, Não Conheço, Acho Que Ela Não Crer Em Deus.
    Pensamento Primitivo.
    Pois Ter Fé Não Exatamente Quer Dizer Que Eu Precise Crer Em Deus.
    Simplesmente Acho Que a Existência De Um Deus Ou Divindade Não Pode Ser Provada De Maneira Racional e Cientifica.

    Curtir

    • Sim, eu acredito na mesma coisa que você. Não é passível provar a existência de deus de maneira científica. Só que eu sou cristão e me refiro ao deus mencionado no cristianismo. Sendo assim, acho que o agnosticismo não se resume apenas nesse conceito.

      Curtir

      • Penso que a causa que está sempre por baixo da escolha de não se acreditar em Deus está na não compressão de que se existe um Deus ele acabaria com a maldade ou não a permitiria. Na verdade a maior causa como disse Jesus é que tem o conhecimento verdadeiro. É tão simples a explicação de que após escolherem comer do fruto eles passaram a estar debaixo do governo do inimigo e por isso Deus como que ficou separado,para que pela fé, apenas aqueles que buscassem a ele de maneira honesta,realmente, sem querer desistir,o encontrariam. O que não entendem é porque Deus permitiu que isso acontecesse e porque tanto tempo para ser finalizada essa maldade. Quando falam do fruto, e de Adão e Eva,o que falta nos religiosos é responder para as pessoas o porquê, a questão da soberania que foi levantada e o tempo que seria dado para a questão ser respondida. Outras questões como “o inferno de fogo não existe” (A bíblia usa o fogo de maneira simbólica para representar segunda morte, quando se trata de fim ou vida) E estas que foram citadas são respondidas por um grupo, esse grupo é suprimido até mesmo por aqueles que se dizem cristãos, esse grupo é ridicularizado pela mídia, esse grupo ,o mundo esse tempo todo por meio da mídia e de outros religiosos foi colocado como um desprezível grupo, pois tem justamente as respostas e ensina que não há inferno de fogo, é explica porque Deus permite o sofrimento, e revela o que houve no Jardim do Éden para se permitir tanto tempo,os humanos provarem que seriam bem sucedidos se governassem a si mesmo, esse grupo se dispõe a ajudar as pessoas a saber a verdade, é não cobra dízimo, nem participa de guerras,o único entre ateus e “cristãos ” esse grupo bate na porta das pessoas disposto, mas até mesmo religiosos afastam este dos leigos para que não descubram o porquê das coisas e continuem revoltados com Deus e com a religião em geral,porque são diferentes das religiões em geral.

        Curtir

      • Eu acho essa pergunta estranha. Por que acreditar num deus?
        Já tenho amigos, familiares, ocupação, um amor, um bicho de estimação, entretenimento e não sinto falta de nenhum ser “superpoderoso”.

        Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s