Testes não acharam pólvora na mão de Marcelo Pesseghini, o estudante que teria matado a família motivado por um jogo


Principal suspeito

A Polícia Civil afirmou que a principal hipótese para a morte de 5 membros de uma família, incluindo um casal de PMs, é que o filho deles de 13 anos tenha assassinado os parentes e se suicidado. Testes, no entanto, não acharam pólvora na mão do garoto. Segundo a polícia, o fato de não haver vestígios do armamento não é incomum, pois a pistola.40 utilizada no crime costuma não deixar vestígios. Canhoto, Marcelo tinha na mão esquerda a pistola utilizada pela mãe, a cabo PM Andreia Regina Pesseghini, 36. Policiais afirmaram que a arma requer iniciação, pois seu manuseio não é simples.

Familiares

Familiares contestam a versão da polícia que coloca o menino como o principal autor da chacina. Marcelo foi descrito por professores como bom aluno e, pela polícia, como “apaixonado por armas”. A polícia acredita que ele matou os pais na noite de domingo ou madrugada de segunda. Teria então dirigido até a escola, passado a madrugada no carro, frequentado as aulas de manhã, voltado de carona para casa e se matado.

Retaliação

A família foi achada em casa, todos com tiros na cabeça, na Brasilândia. Luis Marcelo Pesseghini, 40, era sargento da Rota. A mulher era cabo do 18º Batalhão. As outras vítimas moravam na casa nos fundos: a mãe dela, Benedita Bovo, 65, e a tia-avó Bernadete Silva, 55. Inicialmente, a polícia suspeitava que o crime havia sido retaliação à prisão de integrantes de uma facção criminosa. Após perícia, depoimentos e imagens de câmeras, praticamente descartou a hipótese.

Versão

A nova versão ganhou força após o melhor amigo de Marcelo afirmar à polícia que ele havia lhe dito que planejava matar a família e fugir. “Esse amigo nos disse: ‘Ele sempre me chamou para fugir de casa para ser um matador de aluguel. Ele tinha o plano de matar os pais durante a noite, quando ninguém soubesse, e fugir com o carro dos pais e morar em um local abandonado'”, afirmou o delegado Itagiba Franco.

Provas

No quarto de Marcelo, havia diversas armas de brinquedo. Na mochila com que fora à escola, um revolver 32, uma faca, rolos de papel higiênico e mudas de roupa. Câmeras de um imóvel na rua do Stella Rodrigues, colégio particular na Freguesia do Ó, registraram o Classic cinza de Andreia sendo estacionado à 1h25. Às 6h23, sai dele um garoto, que vai até o colégio. O amigo reconheceu Marcelo nas imagens, mas nenhum parente sabia que o garoto tinha noções de direção. Um vizinho contou que os pais lhe disseram que estavam ensinando o garoto a dirigir.

Outra versão

A Folha apurou que alguns policiais ainda não estão convencidos do caso, já que indícios preliminares apontam que o sargento foi morto horas antes das demais vítimas.

Fonte: Folha

COMENTO

Ainda é cedo para afirmar com certeza que o menino é o assassino, mas todos os indícios apontam nessa direção. Outro fato interessante é como isso teria acontecido. Como ele conseguiu matar tantas pessoas adultas com tiros certeiros na cabeça sem ter sido impedido. Será que ele dopou as vítimas? Será que outras pessoas participaram desse crime? Ainda é cedo para fazer conclusões a esse respeito. Fora isso, a mídia vem abordando o assunto por 3 diferentes prismas.

Vide abaixo:

1- A culpa é do jogo de videogame

Por mais que jogos violentos sejam desaconselhados a crianças, é uma estupidez dizer que essa foi a real motivação do crime. Se fosse assim não haveria  atos de violência antes do advento dos videogames. Apesar disso, é importante frisar que o jogo era impróprio para a idade do menino.

2- Armas devem ser proibidas

Acabei de ler um texto que dizia que nada teria acontecido se ele não tivesse uma arma ao alcance. Logo, esse seria um caso exemplar para a proibição de venda de armas. Que absurdo. Qualquer um pode perceber que esse caso foi produto da psicopatia do menino e que este tentaria reproduzi-lo de outras formas caso não tivesse uma pistola em mãos. Armas não matam pessoas, o que realmente mata é as pessoas.

3- Redução da maioridade penal

Imaginemos que esse menino realmente tenha matado os pais e que ele não tivesse se matado. O que aconteceria com ele? Ficaria no máximo 3 anos numa casa de detenção e depois estaria de volta as ruas, pronto para matar novamente.

17 comentários

  1. Realmente não acredito que esse garoto foi quem matou a família e depois se matou… Vi em uma matéria que familiares afirmam que o garoto era destro e não canhoto…. E o estranho é que acharam a arma em baixo do corpo do garoto… mas se ele atirou mesmo em si, o impacto do disparo empurraria o corpo da esquerda pra direita e a arma da direita pra esquerda, ela não ficaria em baixo dele e que tbm a arma deveria ter caído da mão…
    Eu sou contra a redução da maioridade penal, apenas a punição adequada independente da idade… Mas o Brasil e muito desestruturado e mal pune os de maior idade, tem penas relativamente pequenas e os libera antes do prazo…

    Curtir

    • Erick, os parentes estavam enganados, ele era canhoto mesmo. Os professores e os colegas afirmam isso e há até um vídeo dele na sala de aula escrevendo com a mão esquerda. Quanto a posição do corpo e da arma, essa afirmação não procede. A posição final do corpo de um suicida e da arma variam muito, mas muito mesmo. São tantas variáveis a serem consideradas (calibre e tipo de arma, estatura e compleição da vítima, localização e posição do disparo – uma variação de milímetros e uma inclinação de poucos graus já repercutem muito – posição da vítima, etc) que não existe nem mesmo um software capaz e determinar com exatidão como cairá um corpo e onde restará a arma.
      Além disso, esses parentes também disseram que ele não foi à escola, mas há dezenas de testemunhas (colegas, pais e professores) que sabem que ele foi (ou vai dizer que eles foram “comprados” também). Mas uma coisa é certa neste caso: a polícia se precipitou. Deveriam ter mantido as investigações em sigilo até terem elementos técnicos definitivos. Porém, a imprensa (que no Brasil é um câncer) não deixaria a polícia em paz e faria milhares de suposições e levantaria falsas versões, Levariam os dados para os peritos queridinhos deles (Molina na Globo e Sanguineti na Record e SBT). Então, não tem,os saída mesmo. Por melhor e ,mais competente que seja o trabalho policial e pericial, a opinião pública sempre prefere acreditar nas teorias conspiratórias e que a culpa é da polícia e do governo.

      Curtir

  2. Com certeza não é difícil para a polícia acreditar que uma criança tenha assassinado os pais, a avó e tia, pois todos os dias se deparam com os mais variados tipos de crimes, mas para mim, que sou mãe e enxergo este garoto de 13 anos como uma criança, frágil também; pois se tinha problemas de saúde: era frágil. O colega disse que ele planejava matar? Quantas besteiras saem da boca de uma criança em momentos de raiva ou desespero? Quem é este “colega”? O que os outros colegas e vizinhos dizem? Um vizinho “ex policial” afirmou que a criança sabia atirar e dirigir, quem é este vizinho e o que os outros vizinhos dizem? E os colegas de trabalho do pai, o que dizem sobre ele, onde estão as roupas que ele usou quando “assassinou” a família? Jogos? Então temos que condenar novelas, que a todo momento estão ficando cada dia mais requintadas em crueldade, ganância e desrespeito. Mas acredito que, principalmente, as investigações deveriam ser feitas por outro tipo de polícia, de outro Estado, pois somete assim a verdade poderá vir à tona. Não sou policial, sou dona de casa, mãe, e já trabalhei com crianças por 15 anos.

    Curtir

  3. Como é que esse gato, mata tanta gente a tiro e ninguém ouve estampido de tiro? Se ele desejava matar os pais e abrigar em lugar isolado, por que, então, correu para a escola? Por que voltar para casa deixando o carro lá, quando seria muito mais confortável usá-lo de volta? Como um indivíduo que matou toda a família, e tinha vontade de ser matador, por que, ao chegar à escola não detonou mais um bocado? Já que surgiu um revólver em sua mochila para caracterizá-lo como um garoto preparado para a autoria do feito, por que esse amigo, a quem externou vontade de ser pistoleiro, em outro momento, também não deixou transparecer que portava arma em sua mochila? Essa fato muda toda a psicanálise do pai da Psicanálise.

    Curtir

  4. No momento em que esse garoto for tratado pela investgação com base em seu passado familiar e escolar, ouvindo, parentes e amigos com mais dedicação, as coisas começaram a clarear. Até, o presente momento histórico, nunca se viu alguém virar psicopata de uma hora para outra, e depois deixar de ser novamente.Policiais, em regra, usam projéteis com poder de impacto; assim, no momento em que o garoto, com a arma policial, recebe a pancada da bala, não poderia cair naquela posição, O corpo é empurrado pra direita, já que esquerdo, e a mão, pra esquerda, pelo impacto, então, o corpo deveria cair primeiro, puxando a mão do tiro para cima de si. E, para começar pelo abc, vamos considerar que os assassinos tinham acesso a família e que chegaram à casa com a própria família, Depois, se buscarão outras hipóteses.

    Curtir

  5. Cara jogos de video game em minha opnião so é perigoso pra quem tem a mente perigosa. Os jogos podem ate ensinar a matar, mas seus produtores não mandam o cara sair matando na vida real…louco é quem é fraco de mente e não controla seus impulsos….Em fim é um caso muito sinistro.

    Curtir

  6. se foi jogos o motivo então é a mesma cousa que dizer que todo os mulsumanos são terroristas e os religiosos são fanáticos

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s