Principal suspeito

A Polícia Civil afirmou que a principal hipótese para a morte de 5 membros de uma família, incluindo um casal de PMs, é que o filho deles de 13 anos tenha assassinado os parentes e se suicidado. Testes, no entanto, não acharam pólvora na mão do garoto. Segundo a polícia, o fato de não haver vestígios do armamento não é incomum, pois a pistola.40 utilizada no crime costuma não deixar vestígios. Canhoto, Marcelo tinha na mão esquerda a pistola utilizada pela mãe, a cabo PM Andreia Regina Pesseghini, 36. Policiais afirmaram que a arma requer iniciação, pois seu manuseio não é simples.

Familiares

Familiares contestam a versão da polícia que coloca o menino como o principal autor da chacina. Marcelo foi descrito por professores como bom aluno e, pela polícia, como “apaixonado por armas”. A polícia acredita que ele matou os pais na noite de domingo ou madrugada de segunda. Teria então dirigido até a escola, passado a madrugada no carro, frequentado as aulas de manhã, voltado de carona para casa e se matado.

Retaliação

A família foi achada em casa, todos com tiros na cabeça, na Brasilândia. Luis Marcelo Pesseghini, 40, era sargento da Rota. A mulher era cabo do 18º Batalhão. As outras vítimas moravam na casa nos fundos: a mãe dela, Benedita Bovo, 65, e a tia-avó Bernadete Silva, 55. Inicialmente, a polícia suspeitava que o crime havia sido retaliação à prisão de integrantes de uma facção criminosa. Após perícia, depoimentos e imagens de câmeras, praticamente descartou a hipótese.

Versão

A nova versão ganhou força após o melhor amigo de Marcelo afirmar à polícia que ele havia lhe dito que planejava matar a família e fugir. “Esse amigo nos disse: ‘Ele sempre me chamou para fugir de casa para ser um matador de aluguel. Ele tinha o plano de matar os pais durante a noite, quando ninguém soubesse, e fugir com o carro dos pais e morar em um local abandonado'”, afirmou o delegado Itagiba Franco.

Provas

No quarto de Marcelo, havia diversas armas de brinquedo. Na mochila com que fora à escola, um revolver 32, uma faca, rolos de papel higiênico e mudas de roupa. Câmeras de um imóvel na rua do Stella Rodrigues, colégio particular na Freguesia do Ó, registraram o Classic cinza de Andreia sendo estacionado à 1h25. Às 6h23, sai dele um garoto, que vai até o colégio. O amigo reconheceu Marcelo nas imagens, mas nenhum parente sabia que o garoto tinha noções de direção. Um vizinho contou que os pais lhe disseram que estavam ensinando o garoto a dirigir.

Outra versão

A Folha apurou que alguns policiais ainda não estão convencidos do caso, já que indícios preliminares apontam que o sargento foi morto horas antes das demais vítimas.

Fonte: Folha

COMENTO

Ainda é cedo para afirmar com certeza que o menino é o assassino, mas todos os indícios apontam nessa direção. Outro fato interessante é como isso teria acontecido. Como ele conseguiu matar tantas pessoas adultas com tiros certeiros na cabeça sem ter sido impedido. Será que ele dopou as vítimas? Será que outras pessoas participaram desse crime? Ainda é cedo para fazer conclusões a esse respeito. Fora isso, a mídia vem abordando o assunto por 3 diferentes prismas.

Vide abaixo:

1- A culpa é do jogo de videogame

Por mais que jogos violentos sejam desaconselhados a crianças, é uma estupidez dizer que essa foi a real motivação do crime. Se fosse assim não haveria  atos de violência antes do advento dos videogames. Apesar disso, é importante frisar que o jogo era impróprio para a idade do menino.

2- Armas devem ser proibidas

Acabei de ler um texto que dizia que nada teria acontecido se ele não tivesse uma arma ao alcance. Logo, esse seria um caso exemplar para a proibição de venda de armas. Que absurdo. Qualquer um pode perceber que esse caso foi produto da psicopatia do menino e que este tentaria reproduzi-lo de outras formas caso não tivesse uma pistola em mãos. Armas não matam pessoas, o que realmente mata é as pessoas.

3- Redução da maioridade penal

Imaginemos que esse menino realmente tenha matado os pais e que ele não tivesse se matado. O que aconteceria com ele? Ficaria no máximo 3 anos numa casa de detenção e depois estaria de volta as ruas, pronto para matar novamente.

Anúncios