Fernanda Torres analisa a situação política do Rio e socorre Sérgio Cabral


Abaixo o texto de autoria de Fernanda Torres, escrito para a Veja Rio:

Deixei o Rio de Janeiro há duas semanas. O clima ameno do inverno me fez lamentar a viagem. Adoro o Rio de abril a julho, a atmosfera limpa e a temperatura ideal.

Nova York derrete sob um calor de Madureira.

Fui assistir ao musical de David Byrne sobre a vida de Imelda Marcos. Achei um pouco ingênuo, mas gostei de saber da história. Ela guarda alguns paralelos com as manifestações populares que tomaram conta do Brasil. Em frente ao balcão do palácio, com o povo linchando os bonecos do casal Marcos, Imelda pergunta à massa o porquê de não gostarem dela. Depois, foge para os Estados Unidos em um helicóptero, acompanhada de cinquenta membros de seu partido e 3 000 pares de sapato.

Quando saí do Rio, a vigília em torno do prédio do governador Sérgio Cabral estava apenas começando. Amigos mais engajados se juntavam ao protesto e muitos sofreram com a ação violenta da polícia.

Boatos, vindos de gente bem informada, levantavam a apavorante hipótese de a truculência da guarda estar partindo não da Secretaria de Segurança, mas das milícias infiltradas na corporação, insatisfeitas com a atual política.

Conhecidos, revoltados com a ponte aérea Rio-Porto Belo do helicóptero do governador, prometiam fazer o que estivesse ao alcance deles para tirar Cabral do poder.

Alguns se aglomeraram na porta da igreja para berrar contra o casamento milionário da filha de um empresário de transporte. Outros tentaram controlar a fúria dos companheiros de passeata. Um homem retrucou dizendo que estava ali porque era incapaz de sustentar a própria família com a merreca que ganhava por mês. Tomado, investia contra lojas e restaurantes da Zona Sul.
Meu irmão viu uma turba de encapuzados de preto, munidos de pedras, se dirigir para Ipanema.

A revolução popular comporta muitas tribos, muitas vontades e muitos pontos de vista. Não é à toa que a Revolução Francesa decapitou seus principais líderes após a vitória.

Cabral velejava nos bons ventos das UPPs e dos eventos esportivos que viriam sustentar a economia do Rio de Janeiro até 2016. Foi pego pelo jantar da Delta, em Paris, e pelo uso abusivo do transporte aéreo. De uma hora para outra, vestiu a coroa de Luís XVI.
A ditadura das ruas, se perpetuada, corre o risco de se tornar algo brutal, perigoso e irascível. Resta saber quem sairá fortalecido dessa batalha.

Temo tanto a esquerda radical, pura, virgem, que vê em todo e qualquer empresário um corrupto em potencial, quanto o capitalismo sem freio, que aceita conchavos, subornos e privilegia aliados. Mas me apavora, acima de tudo, o populismo de Garotinho.

Eu me pergunto se a grita não beneficiará, mais tarde, forças políticas devastadoras.

Tenho refletido sobre as opções para 2014. A ideia de que as milícias estariam por trás da ação dos policiais, com o objetivo de acabar com a credibilidade do trabalho de José Mariano Beltrame, é uma triste possibilidade. Quando eu me lembro de Álvaro Lins, tenho vontade de chorar.

É preciso ter cuidado para não servir de massa de manobra para as sempre alertas forças ocultas.

Como diz um amigo budista, o mal é sempre poderoso e a virtude, frágil como pluma.

Retomo

Resumindo, a moral do texto é a seguinte: por medo de virar massa de manobra do Garotinho, vamos continuar com o pobre do Cabral. Bem, como vocês puderam ver, analisar a situação política do Rio de Nova York é algo bem chique. No entanto, a atriz aponta para uma realidade. Quais são as alternativas a Cabral? Quem se beneficia com esses protestos?

Alternativas

Na minha opinião, os candidatos são Lindbergh, Garotinho e César Maia. Aquele que tiver mais condição de capitalizar politicamente com essa indignação com certeza será o vencedor em 2014. Enquanto que o medo da atriz é do Garotinho, o meu maior medo se chama Lindbergh. Carismático e sem a rejeição dos outros candidatos, o bom-mocista pode seduzir muita gente que anseia por novos ventos. Seria uma forma triunfal do PT sair beneficiado com isso tudo. Colocam as atenções no cavalo paraguaio enquanto o candidato deles corre por fora, sem sofrer críticas.

Atriz suspeita

Por mais que eu creia nas boas intenções da atriz, há um conflito de interesses: a produtora Conspiração, de seu marido Andrucha Waddington, recebeu R$ 1,6 milhão em incentivos culturais para promover um festival de curtas chamado “Rio eu te amo!”

Um comentário

  1. A perdição de Serguei cabral só a ele pertence. Quem nunca comeu minhocas, com elas se borraliza. Há uma tendência ivencível de todo político se divinizar, após a diplomação. Não quer mais relação com quem o elegeu. Como Deus que não se orienta pelos cinco sentidos, assim são esses capetas governantes divinizados. Se a queimação desse burguês da vaidade, exibicionista de primeira grandeza, mais bonito do que enterro de primeira classe, leva à chance de ser sucedido por Lindenberg, Garotinho, ou Cesar Maia, três fichas-limpas de grande categoria, prefiro que Jarbas Barbalho o substitua. Não há mais lucubração racional que deslinde essa advinhação.

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s