20 motivos para ser contra a descriminalização da maconha


Olha, no último post apresentei bem superficialmente 20 argumentos bem superficialmente a favor da descriminação da maconha. Ao contrário do que possa parecer, não tenho a mente fechada quanto a esse tema e creio que devemos moldar nossas opiniões baseados nos fatos. Sendo assim, apesar de ser contra a legalização, creio que em breve as políticas do uso controlada se farão necessárias face ao aumento do número de consumidores de drogas.

20 motivos para ser contra a descriminalização da maconha

1- Saúde

Por mais que os usuários digam que a maconha só lhes faça bem, não é isso que aponta a medicina. Os males que a maconha traz são tantos que nem vou descorrer sobre eles. Vejam abaixo os principais:

2- Circulação

Da mesma forma que o Estado pode proibir a circulação de um remédio que faz mal a saúde de seus cidadãos, pode também proibir a venda da maconha, posto que ela provoca males a saúde de seus consumidores. No final das contas, é no sistema público que a maioria desses usuários irá se tratar das doenças adquiridas pelo seus uso da cannabis.

3- Liberdade individual

Como qualquer um que lê esse blog já deve ter notado, sou um defensor ferrenho da liberdades individuais. Sendo assim, cada um tem o direito de fazer o que quiser com seu próprio corpo contanto que não afete a terceiros.

O problema da descriminalização das drogas é que ela implicaria numa clara afetação de terceiros, que seriam possivelmente prejudicados com a mudanças sociais e econômicas advindas pela descriminalização. É bom deixar claro que o usuário atualmente, mesmo fazendo o que quer com seu corpo quando consome a maconha, acaba alimentando toda uma cadeia criminosa que já prejudica milhares de terceiros.

4- Fracasso na Holanda

Em primeiro lugar, a Holanda nunca legalizou completamente a venda de drogas. Na Holanda, o consumo APENAS em locais determinados é permitido, desde que com apresentação de carteirinha. A legislação está sendo revista. Reduzem-se as quantidades criminalizáveis. Proíbe-se o turista de comprar. E se inicia um processo de definição de maconha de alta intensidade tóxica, para proibi-la. A tendência é restringirem cada vez mais.

5- Turismo

É comum que turista vão para Holanda apenas para consumir drogas. O ambiente permissivo acaba provocando situações interessantes. Dentro dos estabelecimentos credenciados(coffee shops) o turista só encontra a cannabis aprovada pelo governo, mas basta colocar o pé pra fora dali para que lhe seja oferecido estasy e outras drogas ilícitas. Como é possível crer que legalizando uma droga o consumo de todas as outras não será aumentado?

6- Impacto social

Hoje é comum vermos pais colocando cerveja na chupeta de seus filhos. Todos achamos a coisa mais normal do mundo quando uma pessoa fuma na frente de uma criança. O que não mensuramos é que uma criança não tem consciência para assistir um ato como esse, posto que pela identificação com o adulto em questão, pode adquirir desejo pelo hábito nocivo a sua saúde. O problema em descriminalizar a maconha é que esse mesmo fenômeno será replicado. Pais e adultos irão consumir livremente e muitas crianças podem ser influenciadas.

7- Hipocrisia

Todos falam que é uma hipocrisia que a maconha que faz tão pouco mal seja criminalizada enquanto a cerveja e o álcool, que matam e destroem tanto, sejam legais. Sinceramente, isso não é um bom argumento para a legalização da maconha mas sim para sermos a favor de medidas mais duras contra o cigarro e o álcool.

8- Crime

Todos sabemos que as drogas alimentam o tráfico, e que este alimenta a violência. Então vamos conjecturar que a maconha seja liberada para ser vendida na farmácia. É natural crermos que ninguém se arriscará subir a um morro para comprar aquilo que pode comprar na farmácia. Sendo assim, o tráfico de fato seria enfraquecido. No entanto, isso não acaba com a raíz do problema.

A falta do recurso da maconha de fato irá fazer com que muitos traficantes perdessem sua fonte de renda. Porém seria uma inocência nossa crer que todos esses prejudicados iriam virar pastor ou procurar um emprego. O que eles iriam fazer é migrar para outros crimes (sequestro, assalto, etc).

9– Venda residual

Em todo o mundo, a legalização de algo não estingue a clandestinidade. Ex: Nos EUA, as clínicas de aborto clandestinas não acabaram depois da legalização do aborto.

Na Alemanha, o número de prostitutas de rua também não diminuiu depois da legalização da prostituição. Isso ocorre porque a legalização de algo quase sempre aumenta sua demanda. Logo, um jovem de 18 anos que não possa por algum motivo comprar sua sagrada cannabis na farmácia vai continuar recorrendo a um traficante.

10- Legalização e consumo

Muito se fala da Lei Seca. A realidade é que seu fim fez com que houvesse o aumento do consumo de bebida. Entendam: a demanda por bebida continuou a mesma, o que mudou foi a oferta. Logo, legalizar acarretaria em mais consumidores e mais gastos com saúde.

11- Porta para outras drogas

A maconha é sim porta para outras drogas mais pesadas. Muitos (não todos e também não são a maioria) dos usuários, em busca de sensações alucinógenas mais diversas acabam experimentando outras substâncias.

12- Efeito alucinógeno

Pensemos no Joãozinho, usuário da legalizada cannabis. De manhã ele fuma sua dose diária de maconha, ficando menos produtivo para o trabalho. Depois disso se dirige ao seu carro para mais um longo trajeto em direção ao seu serviço.

Ainda sob efeito do alucinógeno, bate com o carro e mata um inocente. Como fazer o teste do bafômetro no Joãozinho? Qual seria a dose máxima que ele poderia fazer uso?

13- Inflação

Como todos sabemos, plantar cannabis, devido ao seu valor, é algo batante interessante para um agricultor.

Imaginemos que nossos agricultores, de olho nos lucros advindos do mercado da maconha, resolvessem plantar maconha. Desta forma, deixariam de plantar arroz, feijão e outros alimentos para plantar a cannabis. Como a oferta de alimento seria reduzida e sua demanda não, o preço dos alimentos seria elevado, prejudicando os mais pobres ( pois eles destinam a maior parte de sua renda a alimentação).

14- Precedente

Legalizando a maconha só por causa de sua incidência alta criaríamos perigoso precedente, pois todo o ato criminalizado que tivesse uma grande incidência e apoio de setores da sociedade seria legalizado, independente de suas consequências para a coletividade.

15- Uso compulsivo

“A maior parte do uso da maconha é recreacional”, mas tem grandes chances de se tornar em uso compulsivo devido a dependência psicológica que ela pode causar.

As drogas não escolhem as pessoas pelo seu poder aquisitivo, nem pelo nível cultural. A única maneira de afetar diretamente as causas fundamentais do uso de drogas é pela educação e prevenção. Qualquer nível de uso de drogas lícitas e ilícitas pode levar à dependência.
16–Prevenção

O mercado de drogas é comandado pela demanda e milhões de pessoas demandam drogas atualmente ilegais. Se a produção, suprimento e uso de algumas drogas forem descriminalizados, o suposto vazio que é preenchido pelo crime organizado sofrerá uma migração para o contrabando, ou seja, a atuação criminosa não deixará de existir. Os lucros neste mercado são de bilhões de dólares.

A legalização não tem o poder de forçar o crime organizado a sair do comércio de drogas, sua renda continuará com o contrabando e a regulação e controle do mercado não resolverão o problema do comércio ilegal e não passarão de uma grande falácia. Como exemplo claro disto temos a venda ilegal de maconha na Holanda, que apesar dos “coffee shops”, não parou.

O mercado internacional de drogas pode ser enfraquecido se menos pessoas consumirem drogas, isso só será alcançado através da prevenção.
 17 – Aumento do uso

Entre alguns jovens, o uso ilegal da droga é visto como normal. Já em alguns lugares, a polícia faz total vista grossa a venda de drogas.

Como resultado dessa “legalização” vemos vidas destruídas e criminalidade. Intensificar a guerra contra as drogas somente pela repressão não está reduzindo a demanda, são necessários mais investimentos na prevenção dos males causados pelo uso das drogas hoje ilegais.

A legalização aceita que o uso da droga é normal e que é uma questão social e não uma questão de justiça criminal, no entanto o uso de drogas é normal apenas para algumas pessoas e é preciso vê-la como um problema de saúde pública com todas as suas conseqüências.

Cabe a nós decidirmos como vamos lidar com isto. O problema do uso de drogas evoluiu muito. Se condenações judiciais não são a solução, os cuidados médicos e a prevenção ainda são o melhor caminho.
18- Redução de danos

”A proibição conduziu à estigmatização e marginalização dos usuários de drogas. Os países que adotam políticas ultra-proibicionistas têm taxas muito elevadas de infecção por HIV entre usuários de drogas injetáveis.

As políticas de redução de danos estão em oposição direta às leis de proibição”. Nesse sentido torna-se mais evidente a necessidade de informação “aberta, honesta e verdadeira”.

A prevenção, num contexto de proibição, ainda é o melhor caminho em relação à legalização. Há também uma necessidade explícita de uma maior acessibilidade dos dependentes aos serviços de saúde pública e às redes voltadas à atenção psicosocial.
 19 – Interesses financeiros
“O mercado de drogas ilegais representa cerca de 8% de todo o comércio mundial (em torno de 600 bilhões de dólares ano). Países inteiros são comandados sob a influência, que corrompe, dos cartéis das drogas”.

A legalização não faria com que estes cartéis desistissem do seu rentável negócio, ou mesmo dissuadisse os pequenos traficantes a mudar de ramo, dizemos isso baseados na experiência da Holanda, em que pequenos “drug dealers” fazem seu comercio nas portas dos fundos da “coffee Shops”. A migração para o contrabando seria um caminho natural desses grupos criminosos e pequenos traficantes.

Os impostos seriam escoados nas atividades ilegais e, portanto, a legalização não geraria impostos suficientes para ações que visassem a prevenção e, não diminuiria o alto nível de corrupção que há no Brasil. As nações estrangeiras ainda seriam reféns da produção de drogas dessas “nações produtoras”, uma vez que elas ainda seriam as principais fornecedoras.
20 – A PROIBIÇÃO NÃO FUNCIONA, NEM A LEGALIZAÇÃO
Se a proibição não funciona, a legalização significa ir ao outro extremo do dilema sem resultados comprovados.

A prevenção ao uso de drogas, baseada na educação, na informação direta, objetiva e sincera, ainda situa-se num plano de soluções viável e plenamente possível.

A inserção de uma disciplina referente às informações sobre as principais substâncias ilícitas, desde o Ensino Fundamental é um passo lógico, antecedido é claro, pela capacitação de professores de Química, Biologia, Português, Sociologia, entre outras disciplinas para tratar do assunto em sala de aula e sem especulações, com dados científicos e realistas sobre as conseqüências do uso de substâncias proibidas. Quem desejar utilizar drogas ilícitas terá que estar bem alerta sobre todos os riscos (à saúde e judiciais) que decorrem deste ato.

Anúncios

81 thoughts on “20 motivos para ser contra a descriminalização da maconha

  1. O Brasil tem uma das melhores políticas no mundo de combate a AIDS por que não adota a mesma lucidez na política das drogas?
    Por que esta estupidez de tratar problemas com drogas com policia e violência ao invés de prevenção e tratamento?
    Se o ministério da saúde ao contrário de realizar uma campanha realista para minimizar o problema da AIDS caísse na besteira de aceitar os argumentos dos moralistas e religiosos fundamentalistas de não distribuir camisinhas e campanhas falso moralista o resultado seria exatamente o oposto: explosão da AIDS no Brasil e não redução.
    O Grande problema no caso das drogas são os lobbies e falta de comprometimento da mídia com a verdade visto que ela esta atrelada a estes lobbies: Lobby das Armas (a venda de armas vive de guerras e nada melhor para este poderoso lobby do que uma guerra na porta de nossas casas em todos os países do mundo. Quanto mais violência maior a venda de armas)- Lobby das farmacêuticas (basta estudar um pouco sobre endocannabinoides mas em inglês) – Lobby dos Fundamentalistas Evangélicos (pastores mal formados que usam dinheiro livre de imposto para se alto promoverem praticando uma política ultra conservadora e extremamente perigosa).
    Chega de Guerra e estupidez!!
    Guerra às Drogas: A Terceira Guerra Mundial incentivada pela mídia.
    Parem de fomentar e incentivar esta TERCEIRA GUERRA MUNDIAL que vivemos desde que a ONU junto com todos os seus países signatários declararam em 1961, através da pressão americana, a GUERRA AS DROGAS a qual até hoje não foi colocado um fim. Já são 52 anos de guerra com um número sem precedentes de óbitos. A MIDIA MUNDIAL tomou uma posição em favor desta guerra criando sensacionalismo, propagando mentiras e inverdades além de esconder fatos e notícias que mudariam o curso desta guerra sangrenta fundamentada como sempre nos lucros.
    A criminalização das drogas tem como efeito colateral: morte, prisões, corrupção e insegurança. Populariza de uma forma generalizada a criminalidade e em conseqüência: a violência. Basta apenas estudar um pouco sobre o que ocorreu na Guerra Civil Americana da Lei Seca que se estendeu por 13 anos com uma explosão enorme da criminalidade, corrupção e óbitos. O degrau para a criminalidade fica muito baixo visto que basta um individuo vender ou usar uma substância que existe uma grande demanda para ele se tornar um inimigo do Estado, um bandido. Esta popularização e pulverização da criminalidade é uma fábrica de criar marginais e bandidos onde toda a sociedade perde.
    As drogas deveriam nos países democráticos ser vendidas, para maiores de idade, em drogarias ou farmácias. Produzidas por empresas farmacêuticas onde seria possível controlar a pureza das substâncias exigindo dos usuários uma avaliação periódica de um médico onde seriam informados sobre os riscos do uso, formas de tratamento e redução de danos e aí sim receberiam a sua receita para compra. Os governos arrecadariam as suas altas taxas de impostos que deveriam ser destinadas para a saúde, educação, propaganda negativa e tratamento. Com este modelo falido de guerra, esta gigantesca verba vai para a marginalidade criando uma enorme e rica estrutura de crime e corrupção enquanto que a sociedade e o estado só recebem os custos e as mazelas.
    As drogas nunca deveriam ser motivo de ação militar ou policial. É uma questão de doença e saúde com o tratamento baseado na medicina e apoio religioso. A mídia deveria propagar e mostrar estas verdades visto que a mesma tem um papel importantíssimo na estabilidade mundial. A comunicação é fundamental para a paz: mídia é comunicação de massa.
    Pedimos aos profissionais de mídia do mundo inteiro que se informem e divulguem as verdades e os números desta guerra. Segue alguns documentários sérios e informativos sobre o tema que vocês, profissionais de mídia, têm obrigação de assistir por humanidade. Vamos incentivar a paz e a harmonia chega de sensacionalismo, mentira e falso moralismo.
    “Quebrando o Tabu” – Fernando Grostein Andrade.
    “Cortina de Fumaça” – Rodrigo Mac Niven.
    “Maconha a Cura do Câncer” – original: “What if Cannabis Cured Cancer?” – Len Richmond.
    “O Sindicato, O Negócio Por Trás do Barato” – original: “The Union: The Business behind Getting High” – Brett Harvey.
    “Run From the Cure, A História de Rick Simpson”.

    Curtir

  2. Caro Fabio, obrigado pelo comentário.

    Até concordo com alguns dos pontos, mas discordo respeitosamente de algumas das suas análises.

    1- Os EUA é o país com maior número de armas por habitante e tem uma incidência de assassinatos muito menor que a do Brasil. A Flórida nos anos 80 conseguiu inclusive diminuir índices de violência facilitando a venda de armas para cidadãos. O estados americanos com mais crimes são aqueles que são os menos pró-armas (Illinois).

    2- Comparar a políticas de combate a AIDS com a legalização da drogas pode parecer coerente. No entanto, combater uma doença é bem diferente de combater a venda de uma substância ilegal.

    3- Por favor, não use a tática do espantalho. Não sou fundamentalista religioso, tampouco recitei a bíblia nesse texto. Se quiser argumentar contra religiosos, destine suas críticas nos sites deles, não a esse blog.

    4- Apresentei alguns argumentos e você prefeiriu refutar a outros.

    5- Também sou contrário a isenção fiscal para religiões que não prestem contas de seu trabalho social. Porém, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Só porque algo é defendido por alguém errado não significa que esse algo é necessariamente errado.

    6- Se você estudasse as causas e consequências da lei seca iria perceber que ela foi efetiva em diminuir o consumo E PRINCIPALMENTE AS DOENÇAS RELACIONADAS A BEBIDA. Sendo que o número de doentes relacionados a bebida só voltou a ter os índices apresentados antes da lei nos anos 80, décadas depois do final da Lei seca.

    7- A guerra às drogas de fato é mal sucedida e precisamos viabilizar alternativas coerentes, porém sem radicalismos. De fato é impossível combater o tráfico crescente de uma substância criminalizando apenas o traficante.

    8- De resto, até concordo com muitos dos pontos apresentados. Já assisti o Quebrando o Tabu e o Cortina de Fumaça.

    Abraços.

    Curtir

  3. Obrigado pelo espaço…

    Quando falamos em descriminalização, não quer dizer que eu vou comprar a cannabis (simplesmente cannabis, pois existe a SATIVA, INDICA e HÍBRIDA) em uma farmácia, mas sim fazer o cultivo indoor…

    Cannabis Sativa: Deixa a pessoa mais sociável, agradável, conversadora, em outras palavras ela deixa o indivíduo mais “elétrico”.

    Cannabis Indica: Essa sim que a galera gosta, relaxa, acalma, ideal para ouvir música e tocar um violão.

    Cannabis Híbrida: É a porcaria que o tráfico oferece, uma mistura de tudo com bosta de cavalo… Assim que é a híbrida no Brasil…

    Recentemente assisti um documentário sobre a legalização da maconha, e segundo as fontes, a maconha esta praticamente legalizada (digo na convivência da sociedade perante a erva) na Holanda restando apenas mudar a lei…

    Outra coisa, se o pai ou a mãe fuma na frente dos filhos isso já é um problema dos pais, eles é que devem ter a consciência de que imagem querem passar aos seus filhos…

    Maconha não é um alucinógeno, é só comparar com ácidos, cogumelos e um remedinho chamado Benflogin… Quando um cara fuma maconha ele não vê gnomos, visão distorcida, não ve duendes coisas do tipo e muito menos perde noção do espaço, talvez ele perde um pouco da percepção do tempo. O que eu quero dizer, que um cara chapado de maconha não vai bater o carro…

    Quero dizer que não existem pontos negativos na descriminalização, um maconheiro não precisa de tratamento no SUS, e em lugar algum… Um maconheiro não precisa ficar fumando na rua, pois existe a casa dele, lugar mais tranquilo pra fumar baseado. Como já disse, um maconheiro não vai pegar o carro e matar alguém no transito, e se algum chegar a tal ponto posso assegurar de que não foi a maconha e sim um playboy que pega o carro e dirige que um retardado, comum na cidade onde moro…

    Plantar maconha num ambiente não natural da planta não é tão fácil quanto parece… O , do sudeste pra baixo só indoor, em outras palavras, o cara vai ter que desembolsar uma grana altíssima pra poder produzir em larga escala, sendo que cultivar outdoor é muito, mas muito mais complicado do que o cultivo indoor… Como o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são fortes produtores de grãos creio que não vai ser necessário plantar maconha para indústrias, isso é só um exemplo.
    Se o Estado inventar de plantar pra vender exclusivamente para usuários posso garantir que ele tomará um tombo. Maconheiro não é burro, acredite ele sabe deixar a a erva do seu jeito!
    O que pode acontecer com o cultivo da maconha em larga escala é diminuir a produção do algodão, couro, entre outros recursos para fabricação de bolas, chuteiras, bolsas, papel e etc…

    Curtir

  4. Obrigado pelo comentário Alexandre.

    Já fui favorável a legalização, por isso respeito sua opinião e acho muitos dos seus pontos válidos. Só creio que esse é um tema complexo demais para atitudes como essas. Ambas as escolhas possuem consequências ruins. Cabe as pessoas escolher a que acharem melhor.

    Sem dúvida, o grupo que mais ganha a curto prazo com a legalização é os usuários.

    Abraços. Volte sempre.

    Curtir

  5. Vanessa Dayna 28/08/2013 — 11:21

    Adorei o Blog.

    Tenho que apresentar um trabalho na faculdade sobre o tema, e vou tirar algusn argumentos daqui.

    Está super legal !

    Curtir

  6. Não aguento ler tanta merda 12/11/2013 — 19:27

    Retardado. Não sou a favor, mas você não faz sentido algum.

    Curtir

  7. . É necessário pensar que a nossa liberdade interfere na liberdade dos outros. Muito boa e sensata a sua argumentação. Parabéns!

    Curtir

  8. Viu como a maconha deixa algumas pessoas abobadas? Todo mundo comentando com educação, e vem você toda revoltada, tentando expor os motivos de ser maconheira e dizendo que o amigo falou muita merda, ao invés de argumentar. Por isso que sou contra todo e qualquer tipo de droga não farmacológica. 😉

    Curtir

  9. Caro Fábio.

    Com certeza vc não tem o menor conhecimento sobre o tema.
    Você é mais uma das pessoas enganadas, mais um que acreditou na mentira contada para demonizar a erva. Essa mentira que maconha é prejudicial e que é porta de entrada pras drogas e blá, blá blá… Tudo isso não tem a menor fundamentação científica, as pesquisas sempre foram prejudicadas pela própria proibição. Não vou aqui discorrer sobre os benefícios ou malefícios. Apenas alertar que enquanto no Brasil, as discussões sérias e debates engatinham, em outros países como: EUA, Uruguai etc., as coisas avançam e são exemplos de uma tendência mundial e irreversível. Como já era de se esperar o Brasil vai ficar pra trás em relação ao resto do mundo, e, quando finalmente o país acordar, já estaremos na mãos de empresas estrangeiras dominantes e sedentas pelo mercado brasileiro. O que o resto do mundo já enxergou é que a proibição e seus efeitos, são infinitamente mais devastadores do que a erva em si. Tenho convicção que se as pessoas analisarem essa questão sem preconceito terão uma visão mais ampla e verdadeira, a maconha é menos perigosa que o açúcar ou a gordura, essas duas últimas substâncias causam vários prejuízos e até matam, e mesmo assim são vendidas sem qualquer restrição. Já viu alguém morrer de “maconha”.

    Curtir

  10. Wesley Sá dos Anjos 21/01/2014 — 16:06

    a quem mais interessa a legalização dessa porcaria, senão o bando de viciados que a procuram?

    Curtir

  11. Wesley Sá dos Anjos 21/01/2014 — 16:49

    acho que a unica exceção que eu veria como necessária para a legalização dessa erva, seria se ela fosse usada apenas para uso medicinal para tratamento de alguma doença, fora isso, é um lixo dispensável.

    Curtir

  12. Ótimo texto ! É interessante como virou algo visto como retrogrado e até criminoso falar contra a maconha, além de ser chato ouvir a mesma lenga lenga de todo usuário dizendo os mesmos argumentos que você desmentiu aqui, argumentos estes que ele nunca raciocinou realmente sobre, pois só fica citando o que leu em páginas do Facebook pró maconha.

    Curtir

  13. ACid BLaCK NeRD , pra mim tudo que foi dito no texto é falacia. veja o exemplo do jovem que nao tem dinheiro pra comprar maconha, na boa se ele nao tem dinheiro ele planta é só uma erva e outra ele consegue esperar pra fumar ou consegue com um amigo essa erva é comunitaria diferentemente de cocaina que ninguem divide, ja quem fuma cigarro acorda 4 da manha e vai em qualquer lugar pra buscar vai por mim sou fumante. A humanidade esta onde esta e sempre usou e sempre usará a erva mas por que não minimizar o impacto na sociedade? O cigarro mata mais que muita guerra por ai, e politicas simples como proibicao para fumar em locais fechados ja diminuiu o numero de fumantes e aliviou para o lado dos fumantes passivos, isso sem proibir o fumo. A cannabis é um mercado multibilionario minha ignorancia nao permite avaliar todos os mercados direta e indiretamente afetados pela legalizaçao da erva, transporte, educaçao, biologia, saude, infraestrutura, acho que poderia ficar 1 hora dando exemplos. O aspecto principal pra liberaçao da maconha na minha opiniao é exatamente um dos pontos mais fortes do seu texto na parte que vc fala dos efeitos para a saude, outra coisa que me preocupa é o dinheiro gasto para proibir e vc esta correto porem nao é uma verdade absoluta ja que sabemos que a cannabis (nao considero o prensado) eu falo da erva natural -uma ruderalis por exemplo que tem baixissimos niveis de THC e ajudam pessoas que tem fibromialgia aliviando as fortes dores e tantas outras especies para tantos outros problemas. o fato de ser proibido faz com que algumas pessoas comercializem a erva e devido ao risco de ser preso ele pede altos lucros . dai o cara coloca uma porrada de agrotoxico mistura com um monte de porcaria pra acelerar o processo de crescimento da planta afinal ele precisa vender logo e depois pra ganhar ainda mais mistura a erva com outras coisas até amoniaco..ele entao prensa pra fazer menos volume e esconder da policia etc…dai como a pessoa nao pode plantar e fumar ja nao importa o motivo se é recreacional ou se é pra tratar alguma doença entao ele tem que dançar conforme a musica e sustentar um estado paralelo, o cara que recebe o dinheiro compra arma pra defender o ponto de venda (afinal é proibido) dele dai ja sabemos o que acontece. pra mim nao faz sentido nenhum a proibiçao gastamos muito mais dinheiro pra coibir alias um imposto sobre a comercializaçao da maconha pode tirar a saude do brasil do buraco, estamos falando de um mercado que afeta até o turismo, tem gente indo pro Uruguai só por que pode fumar maconha la sem ir pra cadeia pra holanda fazem isso a varios anos. O Nordeste brasileiro por exemplo seria um lugar ideal para cultivo voltado para o mercado nacional tanto como internacional ja que as especies de cannabis brasileiras sao muito conceituadas e ganham varios premios pelo mundo afora por seu sabor e caracteristicas proprias ha quem diga que as melhores sativas do mundo estao aqui, talvez com o dinheiro do imposto fosse possivel acabar com a sede no nordeste sem fazer muita força pq ai o investimento seria de gente grande, será que empresas como a Souza Cruz a AmBev e a cadeia de produtos Mundo Verde já não estão alinhados para a legalizaçao? pesquisem e vc’s vao ver uma porrada de site que ja vendem tudo para o cultivo só faltam as sementes.

    http://www12.senado.gov.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=19321

    Curtir

  14. Miguel Sanches de Oliveira 19/02/2014 — 17:26

    pouco interessa se isso dá muito dinheiro ou não, tem muitos meios de se tentar mudar esse país sem que seja preciso induzir o povo ao uso de entorpecentes, e me admiro como não se envergonha de se dirigir a maconha como “droga comunitária” , prato de comida ninguém quer repartir, mas maconha…ah fala sério.

    Curtir

  15. É o uso de argumentos assim que me faz ser contra a legalização da maconha no Brasil, pois a população não está preparada psicologicamente para o uso e aceitação de cannabis. Lamentável.

    Curtir

  16. miguel maconha nao é entorpecente é psicotropico muito diferente, eu me refiro como droga comunitaria por que se eu usar outro termo as pessoas se chocam . duvido que considere a cerveja uma droga (pergunta pra um alcoolatra) comunitaria entao vai dizer que nunca pagou uma cerveja pra ninguem? nunca dividiu uma garrafa com ninguem? a diferença entre fumar um baseado e beber cerveja é uma só quando voce fuma voce nao fica bebado abra a sua mente para os beneficios que a cannabis vai trazer para o brasil se informe pois estamos atrasados.

    Curtir

  17. Wesley Sá dos Anjos 20/02/2014 — 19:42

    creio que você já deva saber o resultado que envolve bebidas, fumos e drogas as pessoas tem uma cultura de vicio alinhada a irresponsabilidade e falta de moderação, já viu oque os viciados tanto de maconha, craque, cocaína etc…chegam a fazer quando estão afim de curte seu vício e não tem dinheiro pra bancar isso?

    Curtir

  18. Legalizar não implica em induzir alguém ao consumo. Vamos considerar o cenário em que a cannabis para uso recreativo seja vendida em, por exemplo, bares especializados. Hoje, para se comprar bebida em um bar ou restaurante é necessário ser maior de idade, assim como em qualquer boteco ou padaria (que tenham noção de moral e ética) comprar bebida, só se a idade for superior a 18 anos. Existem casos em que a lei e ética não são respeitados? sim. apesar disso, na maioria dos casos, pelomenos nos lugares que eu frequentei durante minha vida até hoje, minimamente respeitam esse fato. Nesse caso eu me refiro a muito bar sujo pelo centro de São Paulo. Portanto, ao legalizar, o princípio da liberdade individual estaria garantido, assim como hoje é permitido comprar e consumir alcool. Mas veja bem, certos aspectos devem ser rigorosos, como o uso estritamente após 20 ou 21 anos, pois é nessa faixa etária que se dá o pleno desenvolvimento do sistema nervoso central e qualquer interferência da cannabis antes disso pode causar danos incômodos na vida desse sujeito que usou cannabis enquanto seu SNC estava em formação. Produto para ADULTOS, entendeu? simples assim, criança e adolescente NÃO, adulto SIM. igual pornografia, alcool, tabaco, CNH, etc

    Curtir

  19. sobre “droga comunitária”, creio que o colega quis dar a entender que é uma droga sociável, ou seja, propicia a socialização. “Quando você acende um cigarro de cannabis o primeiro impulso que você tem é de compartilhar com o próximo”. quem disse isso foi Cheech ou Chong, não sei bem quem é quem. rs. Álcool muitas vezes também é sociável, difícil (mas não impossível) ver alguém bebendo sozinho. Cigarro também é sociável, quando um fumante está com alguém com quem ele tem afinidade, se a pessoa também for fumante é comum oferecer e mais, quando um estranho te pede um cigarro, é difícil o fumante negar, por que quando ele está sem cigarro e quer fumar, ele valoriza muito que alguém ofereça um cigarro. (sou fumante). Por outro lado, o que se vê com outras drogas como cocaína e crack, é que o usuário não compartilha o produto em si, cada um usa o que tem, se quiser mais, vai comprar, existem exceções, claro.

    Curtir

  20. A legalização da maconha é uma questão de liberdade, não de ciência. Acredito que todos devem ter a liberdade de fazer o que quiserem dês de que não façam mal aos outros, e por isso sou a favor da legalização. A legalização só iria diminuir os tráfico e por consequência a criminalidade também, diminuindo o mal feito a terceiros.

    Curtir

  21. Solid Snake 28/05/2014 — 20:02

    desde quando viver em dependência de um vício é uma questão de liberdade?

    Curtir

  22. Eu acho que a legalização só iria aumentar o número de usuários e não iria resolver o problema de tráfico e nem o problema de viciados que roubam pra poder comprar a mesma. O maconheiro rico, vai continuar usando seu dinheiro pra comprá-la, e o maconheiro pobre, que não consegue sustentar seu vício sem ser roubando, vai continuar roubando. Os traficantes vão continuar traficando, pois muita gente vai nem perder tempo indo à farmácia comprar uma porção, vai direto na boca de fumo.

    Curtir

  23. estou começando a desconfiar que esses nóias não assistem telejornais, é muita ironia falar de drogas sem saber os males que elas trazem a sociedade, quer dizer que quando um bando de marginais se drogam antes de cometerem algum crime é porque depois disso vão feliz da vida distribuir presentes para alguma instituição de caridade? a maconha não é uma porta de entrada para o consumo de outras drogas mais pesadas? os traficantes não se utilizariam da venda dela depois de legalizada para comprar armas e outros equipamentos para cometer outros crimes?? nunca alguém drogado nesse país deu dor de cabeça para suas famílias, matou pessoas e nem cometeu furtos para sustentar seus vícios? porra mano, vamos parar com essa fuleiragem e lutar por causas que realmente valem a pena, como educação de qualidade, segurança, saúde, cultura etc…

    Curtir

  24. Sou a favor da descriminalização da maconha, e não da legalização, sou a favor da liberdade individual, como usuário da erva sagrada a alguns anos, estou cansado de ter que me esconder para fumar maconha, enquanto o fumante de cigarro ou o alcoólatra pode consumir suas drogas a vontade sem ser atrapalhado ou mal visto por ninguém, sendo que sabemos que mortes por causa do álcool (transito e doenças) e pelo tabaco acontecem frequentemente, e ate agora na historia da humanidade nunca, disse NUNCA teve alguma morte relacionada ao uso da maconha. E isso sem contar que ajudaria a diminuir o trafico de drogas(não acabar), mas sim, diminuir o trafico, e as prisões lotadas por gente que não cometeu nenhum crime contra sociedade, o proibicionismo é um erro ! pois ninguém para de usar porque não pode, muito pelo contrario, jovens e crianças tendem a usar para ´desafiar´as regras.. Então sou a favor da descriminalização, para que a maconha seja tratada como o álcool, uma droga licita, com apenas uma diferença abismal: poderia ser produzida pelo próprio usuário(no caso, plantada) e sem falar nos benefícios que ela traz para a medicina, e também poderia ser usada para fazer outros tipos de materias com o cânhamo que vem sido usado á não sei quantos anos ANTES de cristo ! VAMOS PARAR COM A HIPOCRISIA E O PRECONCEITO ! #legalizadilmavez

    Curtir

  25. De onde tu tirou que maconha causa dependência? É quase nulo o número de pessoas que se viciam em maconha, perdendo apenas para o LSD. Não tem conhecimento sobre o tema e fica falando besteiras. Li muita coisa absurda aqui, como já foi dito, não causa alucinações, nunca matou ninguém nem o próprio Bob Marley morreu por fumar maconha. E ela não é a porta de entrada para outras drogas, a porta de entrada é o Álcool. E ir até uma “boca de fumo” com certeza é perigoso, você acha que é preferível ir até uma farmácia perto de casa, com seguranças cuidando para comprar maconha ou até uma boca onde você pode ser assaltado? É muita hipocrisia na cabeça de vocês. Não precisa ter experimentado maconha e ser usuário pra ser a favor da legalização basta ter consciência de que ela traz muito mais benefícios do que malefícios, alivia dores, cura doenças, salva vidas; ou seja não serve só pra ficar chapado, serve para uso medicinal também =)

    Curtir

  26. Quase nulo? É sério isso? Desde quando maconheiro usa somente quando quer ou tem controle sobre o vício? Só pode tá de brincadeira. Tu diz que eu não tenho conhecimento sobre o tema e fico falando besteira. Pois eu te digo, a minha família, é uma família grande, somos moradores da periferia de Belém, vivemos em meio a violência, mas não passamos fome ou grande necessidade, de todos os integrantes da família, apenas o meu sobrinho de 15 anos, começou a dar trabalho, se meteu em assaltos, começou a roubar, parou de estudar e etc… E tudo isso depois que começou a fumar maconha, ele era uma pessoa super legal, estudava e tudo mais. Ele chega em casa, parecendo um zumbi, o olho igual a uma brasa de fogo, não falando coisa com coisa, não quer trabalhar pra sustentar o vício e por conta disso, fica roubando dentro e fora de casa, pra poder sustentar o vício, tu não sabe o inferno que se tornou a vida pro pai e avós dele. Antes de dizer que eu não sei o que falo, presta mais atenção. Tu deve ser uma maconheira, filha de papai, que usa a tua mesada pra satisfazer o vício. Queria ver se fosse uma pobre fodida, doida pra fumar e não tivesse dinheiro pra isso. (y)

    Curtir

  27. Concordo com alguns argumentos, porém pela internet é muito mais fácil de escrever argumentos completamente fora da realidade, como você deve saber mesmo sem a legalização a maconha(prensada) é usada em grande quantidade por jovens, adultos e idosos; grande parte usa simplesmente por aparecer como grande parte que bebe e fuma cigarro, porém, existe uma considerável parte que usa a cannabis para relaxar dos estresses diários como trabalho, estudos, intrigas entre outros motivos. Essa considerável parte acaba tendo que se envolver com o tráfico e acaba tendo que fumar uma cannabis prensada a qual é misturada com muitas coisas que não sabemos identificar, e por essas pessoas que a descriminalização seria um grande avanço, pois além de poderem plantar em casa para fumar uma cannabis “pura” , elas deixariam de se envolver com o tráfico. Agora deixando de falar de a favor ou contra, já foram feitas grandes pesquisas comprovando que alguns tipos de maconhas te deixam com a mente mais calma e menos perceptiva e já foram feitos testes de uma pessoa que era viciada dirigindo, ela simplesmente andava com uma velocidade super reduzida com medo que batesse em algo ou alguém , partindo dessas pesquisas eu te faço uma pergunta da onde você tirou que a cannabis é uma droga alucinógena e que uma pessoa que fuma um baseado vai sair loucamente de carro e vai bater em alguém ou em algo provocando morte de outra pessoa? espero a resposta pois até agora esses seus “argumentos” são totalmente sem nexo

    Curtir

  28. estamos falando da maconha ou de crack cocaina entre outras drogas de grau mais pesado?

    Curtir

  29. Ronival Gonçalves 22/09/2014 — 13:54

    Deve ser porque o seu cérebro já está corroído pela maconha e, talvez, por outras drogas!

    Curtir

  30. comecei lendo o artigo entusiasmado e antes de terminar, percebi o quão leigo é o autor, abordando argumentos PATÉTICOS sobre um assunto de extrema importância, é decepcionante saber que ainda hoje, pessoas com esse tipo de pensamento ainda manifestam sua burrice com tanto convencimento, parabéns por contribuir para o regresso do país!

    Curtir

  31. Lucas racional 27/11/2014 — 0:38

    As pessoas falam da legalização da maconha e comparam um país legalizado com um país que não existe a maconha, mas vamos ser sinceros, a realidade é outra, hoje qualquer um que quiser usar maconha, não tem problema nenhum, é mais fácil de comprar do que pão e todos sabem disso. Imagine se a maconha fosse vendida pelo estado, para pessoas maiores de idade e com cadastro, ( uma carteira de usuário ), não seria melhor do que a maconha vendida pelo tráfico a qualquer pessoa? Afinal, o estado vendendo, poderia controlar que compra, diferente do que é hoje, ou vocês pensam que um traficante iria deixar de vender maconha a uma criança por ela ser menor de idade? Vocês pensam que um traficante iria colocar limite de quantidade que ele vende para os usuários? Quanto a questão do aumento do número de usuários, por favor, quem hoje em dia que quiser fumar maconha não pode comprar? Vocês pensam que as pessoas são tão influenciadas que se a maconha fosse liberada elas iriam começar a fumar só por causa disso? Caso a maconha fosse liberada, iria comprar ela quem já usa, quem não usa agora, ia continuar não usando, e mesmo que começasse a usar, para comprar maconha legalizada, a pessoa ia ter que ter mais de 18 anos e fazer um cadastro, e se uma pessoa assim usasse, problema é dela, ela saberia o que estar fazendo, não seria vendida a crianças, diferente de hoje em dia. Outro ponto, não queremos uma lei que obrigue as pessoas a fumar maconha, vai fumar quem quiser e quem não quiser não vai fumar, simples assim. Quanto a questão dos gastos, o mercado de maconha pode gerar uma renda de milhões de reais, que hoje vai todo para o tráfico, e se o estado vendesse, iria para os cofres públicos, ou vocês preferem que o dinheiro vá para o tráfico? Afinal, o único interesse real em não legalizar a maconha, seria do tráfico que é o único a perder com isso. Agora me diga, se a maconha fosse plantada pelo estado, vendida pelo estado e controlada pelo estado, qual mal existiria? Se fosse vendida para pessoas maiores de idade, que de livre e espontânea vontade comprariam, agora me digam que mal faria se a maconha fosse vendida por traficantes, a qualquer pessoa, de qualquer idade e em qualquer quantidade, que mal faria? Isso todo mundo sabe, porque é o que acontece.

    Curtir

  32. fumo a mais de 19 anos tenho muita grana q eu msm conquistei sem traficar. nunca quebrei nada em casa nem agredi ngm quando me faltou a ganja… vcs ignorantes prescisam estudar mais para entender o que a maconha representa .. nao faço apologia, quem quiser fuma, quem n quiser n fuma. maconheiro de verade ao curte um du bom…..ö

    Curtir

  33. Concordo plenamente com o autor do texto. Os argumentos das diversas pessoas que são a favor da legalização da maconha são sempre os mesmo e ele soube debater TODOS. Parabénnnns! Desde quando com a legalização da maconha o trafico vai parar!? Estão de brincadeira, só pode kkkk ACORDEEEEEEEM, vocês acham mesmo que se a legalização da maconha fosse aceita nesse pais o trafico acabaria? Vocês acham que um menino menor de 18 anos usuário da droga ficaria sem usá-la pelo simples fato de não poder comprar em uma farmácia? Me poupem, ele com certeza praticaria o trafico, ele com certeza roubaria ou até mesmo mataria para o uso do mesmo, alias, vamos concordar também que maconha é um alucinógeno sim, quem nunca ouvia comentarios ”estou vendo gnomos porque fumei um baseado” ou então ”nossa que brisa louca que a maconha dá” . Desde quando maconha não vicia??? Ah, claro, os usuários usam porque a maconha faz bem pra saude, os usuarios usam porque ela tira nausea e outras dores, ah os usuarios saem de madrugada caçar uma erva por ai porque são babacas mesmo… ACORDA BRASIL KKKKKKKKKK . Maconha serve para uso medicinal sim, porém, ninguém usa maconha para se curar de um câncer até porque ela é a causadora desse problema, a maconha apenas alivia as dores que ela conduziu ao usuário. Não sou a favor da legalização porque sou a favor de um pais mais limpo, claro que me preocupo com outros problemas em relação ao pais, mas o ”pais mais limpo” que referi é pelo fato de estarmos falando desse assunto (antes que me critiquem). Não quero sair com meus filhos e quando eles se depararem com um usuario fumando livremente não poder debater sobre isso porque é legal no pais em que vivo.

    Curtir

  34. Concordo que a discussão é muito mais ampla do que parece. Mas o tráfico cria um tipo de criminoso, protegido por uma espécie de “fortaleza”, na qual o usuário vai até ela. Concordo que o traficante vai procurar outro modo de viver sem trabalhar. Porém, ele terá que se arriscar muito mais pra atingir seu objetivo. Saindo das favelas, onde o tráfico mais se prolifera, ele vira um alvo mais fácil pra polícia. Fora aquela criança que hoje nasce vendo os traficantes ganhando rios de dinheiro sem sair do lugar. Esse exemplo acabaria. Sim, temos traficantes de classe média alta, estes sim, abandonariam o crime, uma vez que não são criminosos comuns. O usuário na maioria das vezes é um cidadão de bem que trabalha, que gosta de alterar a percepção das coisas. Não estou defendendo o uso de drogas. Eu já usei, mas hoje em dia considero um atraso de vida. Mas ainda acredito se tratar de um problema da área da saúde e não policial.
    Já que esse método, de repressão através da lei, é comprovadamente ineficaz. Se descriminalizar não vai resolver (quem sabe?). Criminalizar não resolveu.

    Curtir

  35. Como filha de fumente eu posso garantir uma coisa. Isso não me influencia/ou nem vai influenciar nenhuma crianças. Eu cresci com nojo do meu pai, nunca abracei ele nunca cheguei perto pq ele fedia. E mesmo q fosse um adulto legal q brincasse cmg eu não chegava perto se cheirava a cigarro. Eu e todos os filhos de fumantes q eu conheço.

    Curtir

  36. De fato… Não sei como alguns usuários juntam tanta informação abobalhada e depois ainda esperam serem levados a sério sobre este tema. O que mais me entristece não é o fato de usarem algo ilegal, mas de não aceitarem que existe mais pontos negativos que positivo na legalização da maconha.

    Curtir

  37. CARA TENTA SE MENOS ESCROTO 12/08/2015 — 21:27

    Cara tu é muito burro jesus amado, eu posso combater um por um desses teus argumentos falsos mas não vou perder meu tempo pq ti q deveria ter pesquisado, ja q tem um blog não vou fazer o trabalho q vc deveria ter feito mas te aviso alem de burro e ignorante tu não é imparcial e tenho certeza q procurou fundo pra achar informações tao esmerdiadas como essas. A DESCRIMINALIZAÇÃO VISA UNICAMENTE RESPEITAR O DIREITO INDIVIDUAL DE CADA UM, AQUELE Q DIZ Q O INDIVIDUO PODE FAZER OQ BEM ENTENDER COM SEU PRÓPRIO CORPO UMA VEZ Q NAO AFETE A MAIS NGM, se tu fica bravinho pq não consegue pensar fora da caixa nao é problema nosso, td mundo julga os usuários de cannabis justamente pq não ligamos pra nenhuma escrotice q vcs ignorantes que estão na coleira da mídia dizem.
    Como ti fala q maconha traz diversos males e quando tu é mais burro q um animal.

    Curtir

  38. CARA TENTA SE MENOS ESCROTO 12/08/2015 — 21:35

    Como tu quer lutar por educação se chama usuarios de noias, ti se acha melhor q alguem por acaso? Tu nao tem o minimo de instruçao pra falar sobre isso pq isso esta totalmente ligado com a segurança com a cultura e com a saude, se ti fosse realmente engajado em qualquer tipo de coisa, se tivesse algum nivel intelectual saberia q telejornal eh o pior meio de se informar sobre qualquer coisa. Olha eu sou do tipo q nao desiste e tenta mostrar com clareza mas vendo q tu usa os termos noias e marginais eu nem tenho pq continuar tu é o verdadeiro merda q tornou o brasil oq ele hj! tu so devia sabe q tu nao eh melhor q ngm mas isso se vai aprende com a vida!

    Curtir

  39. Os vinte motivos para ser contra a descriminalização da maconha… pense bem!! A nova ordem mundial está tentando destruir as sociedades ocidentais para reconstruir um novo modelo social. E para isso ser possível eles precisam destruir o modelo social atual com seus valores morais e éticos, lembram que o tema moral e ética foi discutido no governo corrupto do do ex presidente Lula, que não sabia distinguir a moral da ética levando o caso para o congresso analisar? E vejam, antes A NOVA ORDEM MUNDIAL precisava apoiar governos autoritarios com suas guerras sangrentas, mas hoje basta financiar campanhas políticas de partidos corruptos para se manter ignorantes no poder com a finalidade de auto destruir nações inteiras! E justamente será através da descriminalização das drogas, da liberação do aborto, das políticas migratórias destrutivas ao povo local, nas modificações do que entendemos desde o surgimento da raça humana do que é família para se consagrar o casamento, na banalização do sexo como moeda de troca legalizada, na pedofilia criminosa contra nossas crianças leigas em formação escolar, até mesmo das perdas de direitos de várias classes trabalhistas como os taxistas por exemplo, com seus aplicativos existentes a décadas tipo: Easy Taxi, Way Taxi, 99taxi… perdendo direitos para aplicativo de empresários estrangeiros como o aplicativo Urber… é desta forma que a nossa sociedade irá ruir para se possibilitar um novo modelo social almejado a séculos pela NOVA ORDEM MUNDIAL, porem, isso só será possível com o sacrifício de milhares de vidas que serviram de cobaias humanas, falo justamente das ingênuas adeptas dessas “ideias inovadoras”, que foram difundidas para gerar conflitos internos e possibilitar a divisão social.

    Curtir

  40. Os vinte motivos para ser contra a descriminalização da maconha… pense bem!! A nova ordem mundial está tentando destruir as sociedades ocidentais para reconstruir um novo modelo social. E para isso ser possível eles precisam destruir o modelo social atual com seus valores morais e éticos, lembram que o tema moral e ética foi discutido no governo corrupto do do ex presidente Lula, que não sabia distinguir a moral da ética levando o caso para o congresso analisar? E vejam, antes A NOVA ORDEM MUNDIAL precisava apoiar governos autoritarios com suas guerras sangrentas, mas hoje basta financiar campanhas políticas de partidos corruptos para se manter ignorantes no poder com a finalidade de auto destruir nações inteiras! E justamente será através da descriminalização das drogas, da liberação do aborto, das políticas migratórias destrutivas ao povo local, nas modificações do que entendemos desde o surgimento da raça humana do que é família para se consagrar o casamento, na banalização do sexo como moeda de troca legalizada, na pedofilia criminosa contra nossas crianças leigas em formação escolar, até mesmo das perdas de direitos de várias classes trabalhistas como os taxistas por exemplo, com seus aplicativos existentes a décadas tipo: Easy Taxi, Way Taxi, 99taxi… perdendo direitos para aplicativo de empresários estrangeiros como o aplicativo Urber… é desta forma que a nossa sociedade irá ruir para se possibilitar um novo modelo social almejado a séculos pela NOVA ORDEM MUNDIAL, porem, isso só será possível com o sacrifício de milhares de vidas que serviram de cobaias humanas, falo justamente das ingênuas adeptas dessas “ideias inovadoras”, que foram difundidas para gerar conflitos internos e possibilitar a divisão social.

    Curtir

  41. Atualmente o Brasil é o país que mais se mata por arma de fogo no mundo, geralmente são mortos infratores da lei por agentes de segurança pública, segurança privada, ou até mesmo pelos cidadãos que estão reagindo a assaltos.. essas pessoas mortas geralmente possuem passagem na polícia por diversos tipos de crimes, mas existe também aquelas que não possuem passagem na polícia, mas possuem elos de ligações com o crime… também quase todos os dias existem marginais sendo linchados por populares por variáveis tipos de crimes, os próprios bandidos usam a pena de morte contra traidores e rivais de suas facções criminosas, observamos que a sociedade erradamente acabou se “acostumando” com esse tipo de crime, já que os dados apontam para uma rotina de assassinatos no Brasil, então, seguindo o raciocínio dos que querem legalizar a maconha para uso indiscriminado, que tal legalizar a pena de morte a partir dos 16 anos de idade para crimes hediondos em que o autor é reincidente, desta forma não haveria como condenar um inocente a morte?? rs

    Curtir

  42. o que muda com a descriminação?e o que muda com a legalização?

    Curtir

  43. Com a descriminalização o usuário faria um registro policial e poderia portar pequenas posses de drogas, ou como no Uruguai poderia participar de clubes onde a droga é plantada e consumida.

    A legalização tem por objetivo tirar o negócio das mãos dos bandidos, sendo que torna o consumo e porte legais, o que não significa que bandidos deixarão de vender mas que perderão o monopólio.

    Caso o mercado consiga produzir e vender a um preço menor que o do tráfico, este fica extinto. Nesse caso, esses marginais não virariam pastores evangélicos. Migrariam para outras atividades ilícitas como roubo, sequestro, estelionato e etc.

    Creio que a melhor opção é aquela que causa menos mazelas a sociedade e ainda não vi ninguém apontando convincentemente qual seria esta opção.

    Curtir

  44. sera que descriminando vc nao esta legalizando…esse assunto e tao complexo que duas palavras diferentes chegam ate fazer o mesmo sentido….

    Curtir

  45. nossa.. só li besteiras rsrsrs

    Curtir

  46. caue lopes 27/10/2015 — 3:44

    kkkkkk Proíbam o Álcool, Cigarro, aspirina e o sal, morte a todos os usuários de drogas cadeira elétrica neles, e ao Traficante com ensino superior em Medicina por favor pare de preescrever drogas aos seus pacientes!!!!!!!!!!!!!!! Já perdi a paciência, ao invés de lotarem cadeias porque não lotam cemitérios? legalize o porte de armas, cadeira elétrica, condenação por enforcamento, fuzilamento ou seja qualquer forma de assassinato Legalizado, matem as pessoas não prendam elas, se for para tratar igual a um rato, MORTE AOS DROGADOS kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk se alguém achou que é sério, não é tudo ironia

    Curtir

  47. DEUS COLOCA A SEMENTE NA TERRA, O SER HUMANA ALTERA TUDO, ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS, FAÇAM COMPARAÇÕES ENTRE USUÁRIOS DO ÁLCOOL, LÍCITO, E UM USUÁRIO DE MACONHA, QUAL É O MELHOR OU PIOR?

    Curtir

  48. O álcool não pode ser usado em execesso, tudo em execesso faz mal a saúde, porem, existem estudos empíricos feitos por pessoas sérias que apontam o ácool como benéfico e bom, desde que seja o seu consumo moderado, já a maconha não possuí essa característica ao ser utilizada como entorpecente, pois qualquer forma de consumo e quantidade é prejudicial a saúde, seja na vida social, no trabalho, na vida sexual, no convívio em família, no cheiro forte exalado no ar .. Mas na sua utilização como medicamento eu aprovaria, desde que seja por orientação médica e não para ser consumida como cigarro entorpecente, onde a mistura de miséria, maconha e direção, maconha e profissão, maconha e escola… não é nada legal mesmo em quantidades pequenas como fica claro em exemplos diários estampados pela mídia mundial de jovens delinquêntes encorajados pelo uso de drogas ilícitas”, muitas vezes misturadas ao consumo de “álcool lícito”!!!

    O OUTRO LADO
    BENEFÍCIOS DO ÁLCOOL
    Drauzio Varella A+a-
    Imprimir
    Hoje vamos falar dos efeitos benéficos da ingestão moderada de álcool para a saúde. Não discutiremos os malefícios de seu consumo exagerado.

    O Dr. Riad Younes, abstêmio convicto, define como alcoólatra toda pessoa que bebe mais do que seu médico. A brincadeira do Dr. Riad ilustra a dificuldade para estabelecermos o que deve ser considerado beber pouco, moderadamente ou muito.

    A definição empírica aceita pela maioria dos médicos é que devem ser considerados consumidores moderados de álcool os homens que bebem o equivalente a 25 gramas da droga por dia. Quem ingere menos ou mais cairia nas categorias dos que bebem pouco ou muito, respectivamente. Por diferenças na capacidade de metabolizar o álcool, nas mulheres esse limite equivaleria a 12,5 gramas, metade da dose estabelecida para os homens. Duas latinhas de cerveja, dois copos de vinho ou duas doses de bebida destilada, equivalem mais ou menos às 25 gramas de álcool estabelecidas como limite para os homens.

    No começo do século 20, os patologistas verificaram em autópsias de portadores de cirrose alcoólica que as artérias eram estranhamente livres de placas de aterosclerose. Na época foram dadas duas explicações: o álcool dissolveria o colesterol das placas ou a cirrose mataria o doente antes de elas se formarem.

    No final dos anos 1960, o emprego de computadores nos inquéritos populacionais identificou os fatores de risco para doenças cardiovasculares: fumo, pressão alta, diabetes, sexo masculino, história familiar de ataques cardíacos, vida sedentária, níveis aumentados da fração LDL do colesterol e níveis diminuídos da fração HDL. Para surpresa dos epidemiologistas, esses estudos revelaram que os abstêmios de álcool tinham risco mais alto de morrer de ataque cardíaco.

    Em 2000, foi publicada uma análise conjunta (meta-análise) de 28 trabalhos sobre o tema. Os dados demonstraram que o risco de ataque cardíaco em homens diminui à medida que o consumo de álcool aumenta de zero para 25 gramas diárias. Nessa dosagem diária, o risco era 20% menor do que o dos abstêmios.

    Arthur Klatsky, pesquisador do Kaiser Medical Center, da California, publicou na revista Scientific American um artigo de revisão sobre os efeitos benéficos do álcool. Nela, seu grupo atualizou os dados obtidos entre 128.934 pacientes que se submeteram a check-ups cardiológicos no período de 1978 a 1985, dos quais 3.00l morreram de infarto, posteriormente. O resultado foi inequívoco: os participantes que tomavam um a dois drinques por dia tiveram redução de 32% no risco de morte por ataque cardíaco.

    Os mecanismos que podem explicar as ações benéficas do álcool são:

    1) Consumidores de quantidades moderadas de álcool apresentam níveis de HDL (“o colesterol protetor”) 10% a 20% mais altos do que os abstêmios;

    2) A presença de álcool na circulação interfere com os mecanismos de coagulação do sangue, aumentando o tempo de coagulação. Com o sangue menos coagulável, haveria mais dificuldade para a formação de trombos nas artérias coronárias. A ingestão de quantidades maiores de álcool, no entanto, reverte essa relação, favorecendo a coagulação mais rápida e a trombogênese;

    3) Beber moderadamente pode reduzir a probabilidade de infarto indiretamente, ao diminuir o risco de desenvolver diabetes do tipo 2, aquele que costuma se instalar na vida adulta. Beber muito, ao contrário, aumenta os níveis de glicose no sangue, indicador de aumento de risco para diabetes.

    Em 1995, um estudo muito bem conduzido por pesquisadores dinamarqueses com 13 mil pessoas, acompanhadas durante 12 anos, mostrou que os bebedores de vinho tinto morriam menos de infartos do que os abstêmios. Muitos viram nesse trabalho evidências de que o vinho tinto teria propriedades antioxidantes inexistentes em outras bebidas, responsáveis pelo efeito protetor.

    Em 2002, A. Katsky e colaboradores atualizaram os dados de uma pesquisa sobre o acompanhamento de 130 mil pessoas na Califórnia que bebiam vinho e cerveja. Os autores encontraram 35% menos de mortes por infarto entre os que tomavam vinho tinto ou branco, comparados aos que bebiam cerveja. Os que tomavam vinho, no entanto, fumavam menos, tinham nível educacional mais alto, praticavam mais exercícios físicos e abusavam do álcool com menor frequência.

    Essas diferenças de estilo de vida provavelmente explicam os resultados que sugerem maior eficácia do vinho na prevenção de infartos. Por essa razão, a maioria dos autores aceita que os efeitos benéficos do consumo moderado devam-se ao álcool e não à forma segundo a qual a bebida foi preparada ou ingerida.

    Publicado em 19/04/2011

    Curtir

  49. O álcool não pode ser usado em execesso, tudo em execesso faz mal a saúde, porem, existem estudos empíricos feitos por pessoas sérias que apontam o ácool como benéfico e bom, desde que seja o seu consumo moderado, já a maconha não possuí essa característica ao ser utilizada como entorpecente, pois qualquer forma de consumo e quantidade é prejudicial a saúde, seja na vida social, no trabalho, na vida sexual, no convívio em família, no cheiro forte exalado no ar .. Mas na sua utilização como medicamento eu aprovaria, desde que seja por orientação médica e não para ser consumida como cigarro entorpecente, onde a mistura de miséria, maconha e direção, maconha e profissão, maconha e escola… não é nada legal mesmo em quantidades pequenas como fica claro em exemplos diários estampados pela mídia mundial de jovens delinquêntes encorajados pelo uso de drogas ilícitas”, muitas vezes misturadas ao consumo de “álcool lícito”!!!

    O OUTRO LADO
    BENEFÍCIOS DO ÁLCOOL
    Drauzio Varella A+a-
    Imprimir
    Hoje vamos falar dos efeitos benéficos da ingestão moderada de álcool para a saúde. Não discutiremos os malefícios de seu consumo exagerado.

    O Dr. Riad Younes, abstêmio convicto, define como alcoólatra toda pessoa que bebe mais do que seu médico. A brincadeira do Dr. Riad ilustra a dificuldade para estabelecermos o que deve ser considerado beber pouco, moderadamente ou muito.

    A definição empírica aceita pela maioria dos médicos é que devem ser considerados consumidores moderados de álcool os homens que bebem o equivalente a 25 gramas da droga por dia. Quem ingere menos ou mais cairia nas categorias dos que bebem pouco ou muito, respectivamente. Por diferenças na capacidade de metabolizar o álcool, nas mulheres esse limite equivaleria a 12,5 gramas, metade da dose estabelecida para os homens. Duas latinhas de cerveja, dois copos de vinho ou duas doses de bebida destilada, equivalem mais ou menos às 25 gramas de álcool estabelecidas como limite para os homens.

    No começo do século 20, os patologistas verificaram em autópsias de portadores de cirrose alcoólica que as artérias eram estranhamente livres de placas de aterosclerose. Na época foram dadas duas explicações: o álcool dissolveria o colesterol das placas ou a cirrose mataria o doente antes de elas se formarem.

    No final dos anos 1960, o emprego de computadores nos inquéritos populacionais identificou os fatores de risco para doenças cardiovasculares: fumo, pressão alta, diabetes, sexo masculino, história familiar de ataques cardíacos, vida sedentária, níveis aumentados da fração LDL do colesterol e níveis diminuídos da fração HDL. Para surpresa dos epidemiologistas, esses estudos revelaram que os abstêmios de álcool tinham risco mais alto de morrer de ataque cardíaco.

    Em 2000, foi publicada uma análise conjunta (meta-análise) de 28 trabalhos sobre o tema. Os dados demonstraram que o risco de ataque cardíaco em homens diminui à medida que o consumo de álcool aumenta de zero para 25 gramas diárias. Nessa dosagem diária, o risco era 20% menor do que o dos abstêmios.

    Arthur Klatsky, pesquisador do Kaiser Medical Center, da California, publicou na revista Scientific American um artigo de revisão sobre os efeitos benéficos do álcool. Nela, seu grupo atualizou os dados obtidos entre 128.934 pacientes que se submeteram a check-ups cardiológicos no período de 1978 a 1985, dos quais 3.00l morreram de infarto, posteriormente. O resultado foi inequívoco: os participantes que tomavam um a dois drinques por dia tiveram redução de 32% no risco de morte por ataque cardíaco.

    Os mecanismos que podem explicar as ações benéficas do álcool são:

    1) Consumidores de quantidades moderadas de álcool apresentam níveis de HDL (“o colesterol protetor”) 10% a 20% mais altos do que os abstêmios;

    2) A presença de álcool na circulação interfere com os mecanismos de coagulação do sangue, aumentando o tempo de coagulação. Com o sangue menos coagulável, haveria mais dificuldade para a formação de trombos nas artérias coronárias. A ingestão de quantidades maiores de álcool, no entanto, reverte essa relação, favorecendo a coagulação mais rápida e a trombogênese;

    3) Beber moderadamente pode reduzir a probabilidade de infarto indiretamente, ao diminuir o risco de desenvolver diabetes do tipo 2, aquele que costuma se instalar na vida adulta. Beber muito, ao contrário, aumenta os níveis de glicose no sangue, indicador de aumento de risco para diabetes.

    Em 1995, um estudo muito bem conduzido por pesquisadores dinamarqueses com 13 mil pessoas, acompanhadas durante 12 anos, mostrou que os bebedores de vinho tinto morriam menos de infartos do que os abstêmios. Muitos viram nesse trabalho evidências de que o vinho tinto teria propriedades antioxidantes inexistentes em outras bebidas, responsáveis pelo efeito protetor.

    Em 2002, A. Katsky e colaboradores atualizaram os dados de uma pesquisa sobre o acompanhamento de 130 mil pessoas na Califórnia que bebiam vinho e cerveja. Os autores encontraram 35% menos de mortes por infarto entre os que tomavam vinho tinto ou branco, comparados aos que bebiam cerveja. Os que tomavam vinho, no entanto, fumavam menos, tinham nível educacional mais alto, praticavam mais exercícios físicos e abusavam do álcool com menor frequência.

    Essas diferenças de estilo de vida provavelmente explicam os resultados que sugerem maior eficácia do vinho na prevenção de infartos. Por essa razão, a maioria dos autores aceita que os efeitos benéficos do consumo moderado devam-se ao álcool e não à forma segundo a qual a bebida foi preparada ou ingerida.

    Publicado em 19/04/2011

    Curtir

  50. Todos esses “20 motivos” já foram praticamente todos derrubados pela medicina!!! o que incentiva os “contras”, é a ignorância!!! se não gosta, não use… e não atrapalhe os que necessitam!!! obrigado pela permissão.

    Curtir

  51. Eu espero que esses viciados, ou mesmo aqueles que usam de forma esporadica a maconha… não façam uso em serviço, ou dirigindo… pois ninguém tem culpa em relação a dependência química, psíquica e o infantilismo dos outros em relação as drogas alucinógenas! E se for o caso de liberar o uso dessa porcaria, que seja em lugares pré definidos por lei para proteger os demais cidadãos do mal cheiro, além de severas sanções para quem for pego usando em locais públicos, em serviço, dirigindo…! Att

    Curtir

  52. Olhe seus argumentos muitos são irracionais e sem nexo nenhum . Pessoas que fumam maconha não são propriamente vagabundos ou marginais, e obviamente que quem consome outro tipo de drogas chamadas “pesadas” é porque quer, tem curiosidade ou algo do gênero (algo estupido porque essas sim LEVAM A MORTE). Maconha nao abre a porta para outras drogas mas sim a estupides e em muitos casos a ignorância de pessoas talvez como você. E tocando no aspeto do álcool a mim parece me muito racional a comparação porque de fato o álcool causa dependecia, ou não? Causa doenças ex cancro, ou tou errada ? Então e o tabaco ? Esse de certo que so trás benefícios, ou talvez não? A legalização da maconha poderia servir para controlar inúmeras carateristicas como quem consome, a quantidade que se consome entre outras, e obviamente queno trafico não iria acabar, recorde se caro escritor de quantos tipo de traficos existem (não so de drogas, compreenda a palavra trafico) havendo muitas casas abertas a vender esses artigos comerciados legalmente. Sejam contra a cocaína o crack, ácido entre muitos outros tipos de drogas e não discriminem tanto a maconha nem tentem atribuir estereótipos a pessoas quem a fumam. Caro escritor, paz para sí 🚬 ✌

    Curtir

  53. Assim seria se assim fosse. A maconha que serve pra fazer medicamento não é a mesma usada pra “dar barato”.

    Curtir

  54. Tulio Souza 19/03/2016 — 1:18

    ta certo maconha faz mal… muito mal.. só que isto nao é argumento pra proibiçao dela nao parceiro.. tipo ta certo vc nao gostar pq faz mal.. so que quem usa, usa sabendo os prejuisos. quem usanao importa com oq vai acontecer com eles entao pq vc nao aceita a legalizaçao? se vc nao gosta pq faz mal entao é só nao usar cara muita gente na0 liga para o mal q ela faz e usa pq gosta. entao pensa melhor nos seus argumentos pq nao adianta por a culpa nos defeitos, cigarro causa cancer, causa derrame cerebral, e muitas outras doenças e é legalizado. entao deviam legalizar s pq usa quem quer ninguem é obrigado nao. vai ter todos esses defeitos quem quer

    Curtir

  55. O problema não é somente fazer mal a saúde do alienado do usuário que busca se drogar por vários motivos, todos motivos fúteis diante das verdadeiras necessidades de milhões de brasileiros (fome, doenças, desemprego, violência, analfabetismo…) 0 problema é que ao se drogar o viciado assume um estado emocional que pode ser de euforia, agressividade, déficit de atenção, ansiedade… mesmo sem usar isso pode acontecer em função da abstinência da droga para alguns usuários e esses fatores acabam impactando a vida dos demais cidadãos da sociedade em que habitam esses drogados, principalmente os familiares deles que acabam sofrendo de diversas formas com o vício do ente querido até mesmo sofrem agressões físicas, tem seus bens furtados para que o mesmo compre maconha, a vida estudantil desse jovem também muda com a perda do ano letivo, com o abandono dos estudos… isso tudo é fato noticiado em mídia e não há como questionar tais acontecimentos… E o risco de acidentes automobilísticos são enormes ao imaginarmos esse usuário de maconha fazendo uso da droga ao volante, sendo que em muitos casos de acidentes de trânsito, agressões físicas (brigas de rua, de bar, boates, estádios…) por diversos motivos o usuário da maconha … esconde ser usuário de drogas e coloca a culpa única e exclusivamente no álcool, mesmo não tendo feito uso de bebidas alcoólicas, pois acha menos feio dizer que beberam e dirigiram, que beberam e brigaram… além de fugir das sanções aplicadas para usuários de drogas nos casos processuais de posse e uso de drogas art. 28 da Lei nº 11.343/06!! Att

    Curtir

  56. oi

    Curtir

  57. Marta Meireles 24/04/2016 — 20:26

    Achei o post muito rico de informações, todavia, me senti decepcionada. Estava procurando argumentos contrários à legalização, no entanto, esses argumentos apenas são reproduções fracas. Muito se fala de se manter criminalizado, mas falta estudo sobre a lei de drogas (pra conhecer o quão arbitrária, errônea, e cheia de falhas ela é), conhecer a origem do proibicionismo e suas verdadeiras razões. Alguns argumentos me chamaram atenção pela simplicidade e ingenuidade com que foram tratados. Eu esperava mais. Um tema assim, não pode ser tratado sem se conhecer profundamente pelo menos 50% da matéria, aliás, nenhum tema deve. O primeiro argumento intitulado “a saúde” sincera e risoriamente é muito fraco. Vamos lá, eu não estou dizendo que o uso da maconha não danifique a saúde, mas, meu caro, o que não danifica? o simples fato de viver faz isso, Mas…., ignorando os apelos filosóficos, vc realmente acredita que, partindo da ideia de que a maconha faça muito mal à saúde (o que não é bem assim), isso deva ser tratado pela seara criminal?????? não é certo que há um conflito ai???? Sobre a questão da saúde pública (aquela que envolve terceiros) eu particularmente nunca ouvi falar de uma “maconhalândia”, usuários de maconha em sua grande maioria (maioria mesmo) são muito mais lerdos e menos propensos a sequer matar uma mosca. kkkk brincadeira à parte. A maconha tem sim malefícios mas tbm tem benefícios que só ela pode oferecer (se duvidar pergunte aos inúmeros pais que veem seus filhos sofrerem diariamente com ataques epiléticos) entre tantas outras funções boas advinda das substancias presentes nas cannabis. Foi dito sobre a liberdade individual. Meu caro, nesse contexto, ela simplesmente não existe. Agora pense só que nessa sua linha torta de pensamento, o Estado poderia tbm censurar o seu trabalho se considerasse que isso afeta a saúde psicológica do leitor. PARECE INSANO NÉ? Pois é, liberdade individual pressupõe que o individuo vá para o inferno à sua própria maneira se assim quiser e se o exercício desse direito afetar a terceiros não será liberdade individual. Agora, o argumento do precedente me levou ao delírio. Como assim???!!!!!!!! alta incidência????? olha, só um gigante palavrão expressaria a sensação que senti ao ler isso! Não se discute a legalização da maconha fundada na razão de alta incidência (seja lá o que isso signifique para vc) discute-se a legalização por, entre outras razões, a criminalização se constituir em grave violação a direitos, por representar uma repressão fundada no racismo e no preconceito, discute-se a descriminalização porque a criminalização simplesmente não faz sentido, não se justifica. Agora, se acha que não se deve legalizar pq pode abrir precedente para se buscar legalização de outras matérias é bem pior do que eu pensava, imagine só se não se discutisse o fim da ditadura baseado nesse seu pensamento. Seria o fim né???? bye bye democracia. Quero terminar aqui, mas antes quero deixar um ponto de vista. Eu nunca usei maconha nem qualquer outra droga que atualmente seja considerada ilícita e nunca o fiz pelo simples fato de eu não querer. É assim pra todo mundo, quem usa, usa pq quer, quem não usa, não usa pq não quer. A lei nada tem a v com isso. É trágico eu sei, mas é assim que funciona, pelo simples fato de que leis assim, que enchem o arcabouço penal são leis simplórias que servem ao único propósito de encher linguiça. Exatamente como a redução da maioridade penal. Meu caro estude um pouco mais sobre o tema e procure desconfiar mais da sua fonte de pesquisa.

    Curtir

  58. Marta Meireles 24/04/2016 — 20:40

    Deixa eu contribuir aqui. Por favor não me ataquem, não sou muito sociável e não desejo mostra o meu lado negro aqui! 🙂 (brincadeira eu sou bem legal) Eu não sou usuária de maconha mas a legalização me interessa, pq sou uma cidadã informada. Estou dizendo que vc não é? ??? estou. Me perdoe. Mas essa matéria no meu ver não deve ser tratada assim. Ela não é uma “porcaria” é uma planta, uma erva e já serviu a tantos propósitos que reduzi-la a uma mera porcaria é injusto. Outra coisa, a maconha é uma coisa e outra coisa é o medicamento. Não confundam a maconha com a cannabis (isso é pro Raphael) , não é da maconha que se extrai as substancia para a fabricação do medicamento mas da cannabis. CAlma,Eu explico. A cannabis é um gênero do qual são variantes a cannabis sativa, a indica e a ruderalis. As cannabis sativa e indica são riquíssimas em THC e CBD, consecutivamente, esses são os princípios ativos que dão “a onda”, a ruderalis é muito mais fonte de fibras, ela não da onda. Todas elas no entanto, possuem mais de 400 substancias já encontradas (vejam só que magnífico) e algumas dessas substâncias servem à farmacologia. A maconha é apenas o nome dado a um desses fins.

    Curtir

  59. É vejo aqui, que muita gente fala em usar a maconha de forma medicinal, pois bem o tabaco também é usado de forma medicinal e vem auxiliando a muito tempo no tratamento do câncer!! Quer dizer então que os cigarros seriam a cura para o câncer e devemos incentivar o uso do tabaco? Não, cara, claro que não. Mas graças aos desenvolvimentos da engenharia genética, as plantações de tabaco se tornaram um meio inusitado de produzir medicamentos para o tratamento do câncer.

    Medicamentos derivados de plantas existem desde sempre, mas até pouco tempo estavam restritos ao que os vegetais produzissem de modo natural. Agora, por meio de evoluídos processos genéticos, os cientistas estão convertendo plantas como a Nicotiana benthamiana e Nicotiana tobaccum em plataformas de fabricação para uma grande variedade de terapias com base em proteínas para tratamento do Ebola, do câncer e do HIV/AIDS.

    A PlantForm, uma empresa de Guelph, com sede em Ontario, no Canadá, é uma entre tantas companhias de biotecnologia pelo mundo que desenvolve esses remédios produzidos por plantas (PMP, em inglês). Até então, apenas um medicamento chegou ao mercado: o Elelyso (no Brasil, é conhecido como Uplyso e foi aprovado pela Anvisa em 2013), produzido por uma empresa israelense chamada Protalix e usado para tratar um raro distúrbio metabólico, a doença de Gaucher. Há muito mais a caminho, incluindo a versão da PlantForm para o medicamento de combate ao câncer de mama chamado Herceptin, cuja disponibilização está marcada para 2018.

    E justamente com esse tipo de contestação que eu reafirmo que estão se apegando aos casos parecidos como esse para justificar a liberação da maconha, posterior as demais drogas alucinógenas, isso é feito com um tipo marketing liberal e até o apoio político dos mais oportunistas politiqueiros, que aceitariam recursos para campanhas de qualquer facção criminosa sem princípios éticos e morais que protejam a família brasileira, essa manipulalção toda se dá pela força que o NARCOTRÁFICO tem de influenciar, principalmente os mais jovens com campanhas publicitárias indiretas a favor da maconha que seria o tal endomarkeing do mal, o mesmo que o Estado Islâmico utiliza para angariar adeptos pro seu axército de assassinos terroristas. Att

    Curtir

  60. Marta, leia-se “a cannabis que serve pra fazer medicamento não é a mesma usada pra ‘dar barato’.” Assim fica certo?

    Curtir

  61. Gente quanto comentário saindo das pregas. Me desculpem o termo. Por favor, entendam que cannabis é apenas mais uma planta. Apenas isso. O mesmo acontece com a Erva Cidreira, Camomila, Alecrim e tantas outras ervas. Aliás, vossa senhorias, que parecem ser tão esclarecidas sobre o assunto “cannabico”, não sabem sobre o processo de criminalização gerado no início do século XX por conta da indústria do algodão em detrimento da industria do canhamo (maconha), sim a maconha possui diversos fins, e não somente o consumo interno no organismo, não sabem que existem várias espécies que possuem duas vertentes (uma que impulsiona a sinapse e aumenta os níveis de consciência – SATIVA, e outra que induz ao relaxamente mental e corporal – INDICA), nem tão pouco sobre as qualificações desta planta quanto à saúde, tão pouca sabem que se fuma também as referidas ervas citadas no início do texto. Por favor estudem um pouco mais, leiam, se orientem, pra poder opinar e perder o preconceito que vem com a gente desde pequenos. Não é preciso fumar pra ser a favor ou contra, é preciso saber pra desmistificar. Uma informação importante aos que crêem realmente que a maconha é porta aberta pra outras drogas, a cannabis tem sido utilizada para que usuários de CRACK, possam se reabilitar, e sair do uso contínuo deste veneno. Aliás, é muito curioso ver praticamente nada ser feito com este maldito subproduto da cocaína. Tenho amigos que estão nessa, é triste. São professores, advogados, artistas, médicos, e sim CRACK não escolhe classe social. A CRIMINALIZAÇÂO DA CANNABIS, tem sua origem tão somente durante a revolução industrial, e busca interesses financeiros e de ordem da opinião pública desde então, e ultimamente tem sido utilizada para criar uma polarização ideológica no Brasil, assim como podemos ver em relação aos nossos partidos políticos ultimamente. Outra questão é que não existe maconha medicinal, todo e qualquer uso das substâncias presentes na planta já são medicinais por natureza (DEUS) sendo que certos organismos respondem de forma diferente à elas, vamos lembrar do café/cafeína e os impactos dela em cada ser humano. Por fim, repito, maconha não é porta aberta, mas sim fechada para as drogas. Um usuário regular de cannabis, após fumar um “BASEADO” não consegue facilmente ingerir substâncias tóxicas presentes no álcool por exemplo. As reações químicas no organismo são tantas e tão diversas que é necessário estudar pra emitir opinião, lembrando que a indústria farmacêutica lucra bilhões a mais do que o traficante, e porque não combater esta máfia legalizada ” INDÚSTRIA FARMACÊUTICA”? Deixo todos com beijos no coração e que vossas mentes sejam iluminadas pelo conhecimento, e alteradas do desconhecimento, por isso que tal dar uma olhadinha nesse raizeiros, verdadeiros mestres da cultura popular. https://www.youtube.com/watch?v=9mtCC63fQYw

    Curtir

  62. Vou usar um texto colhido da imprensa com multiplos amparos técnicos

    Cai o último argumento dos maconheiros: droga é mais prejudicial do que álcool e tabaco, sim!
    Por: Reinaldo Azevedo 27/10/2012 às 17:21

    Um dos lobbies mais organizados, mais influentes e mais aguerridos do Brasil é o dos maconheiros. Não há, já demonstrei aqui — acho que em centenas de textos —, uma só centelha lógica em seus argumentos. Ao contrário: no fim, tudo termina na mais pura irracionalidade. Não repisarei argumentos. O capítulo 3 de “O País dos Petralhas II” chama-se “Das milícias do pensamento” — um dos subcapítulos tem este título “Da milícia da descriminação das drogas”. Como, em certas franjas, o consumo da maconha — e de algumas outras substâncias — se mistura com hábitos próprios dos endinheirados, a descriminação ganhou porta-vozes influentes. Por incrível que pareça, está presente até na eleição do comando da OAB…
    Leiam reportagem de Adriana Dias Lopes, que é capa da VEJA desta semana. Cai por terra a mais renitente — embora, em si, seja estúpida, já demonstrei tantas vezes — tese dos defensores da descriminação da maconha: a de que a droga ou é inofensiva ou é menos danosa à saúde do que o tabaco e o álcool, que são drogas legais. Errado! Leiam trecho da reportagem:
    (…)
    A razão básica pela qual a maconha agride com agudeza o cérebro tem raízes na evolução da espécie humana. Nem o álcool, nem a nicotina do tabaco; nem a cocaína, a heroína ou o crack; nenhuma outra droga encontra tantos receptores prontos para interagir com ela no cérebro como a cannabix. Ela imita a ação de compostos naturalmente fabricados pelo organismo, os endocanabinoides. Essas substâncias são imprescindíveis na comunicação entre os neurônios, as sinapses. A maconha interfere caoticamente nas sinapses, levando ao comprometimento das funções cerebrais. O mais assustador, dada a fama de inofensiva da maconha, é o fato de que, interrompido seu uso, o dano às sinapses permanece muito mais tempo — em muitos casos, para sempre, sobretudo quando o consumo crônico começa na adolescência. Em contraste, os efeitos diretos do álcool e da cocaína sobre o cérebro se dissipam poucos dias depois de interrompido o consumo.
    Com 224 milhões de usuários em todo o mundo, a maconha é a droga ilícita universalmente mais popular. E seu uso vem crescendo — em 2007, a turma do cigarro de seda tinha metade desse tamanho. Cerca de 60% são adolescentes. Quanto mais precoce for o consumo, maior é o risco de comprometimento cerebral. Dos 12 aos 23 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. Em um processo conhecido como poda neural, o organismo faz uma triagem das conexões que devem ser eliminadas e das que devem ser mantidas para o resto da vida. A ação da maconha nessa fase de reformulação cerebral é caótica. Sinapses que deveriam se fortalecer tornam-se débeis. As que deveriam desaparecer ganham força”.
    (…)
    Leiam a íntegra da reportagem especial na edição impressa da revista e depois cotejem com tudo o que anda dizendo a turma da descriminação, cujo lobby é tão forte que ganhou até propaganda gratuita na TV aberta, o que é um despropósito.
    Para encerrar este post, vejam alguns dados cientificamente colhidos sobre os consumidores regulares de maconha:
    – têm duas vezes mais risco de sofrer de depressão;
    – têm duas vezes mais risco de desenvolver distúrbio bipolar;
    – é 3,5 vezes maior a incidência de esquizofrenia;
    – o risco de transtornos de ansiedade é cinco vezes maior;
    – 60% dos usuários têm dificuldades com a memória recente;
    – 40% têm dificuldades de ler um texto longo;
    – 40% não conseguem planejar atividades de maneira eficiente e rápida;
    – têm oito pontos a menos nos testes de QI;
    – 35% ocupam cargos abaixo de sua capacidade.
    E, digo eu, por tudo isso, 100% deles defendem a descriminação…

    Bom, com tantos argumentos fica complicado pra qualquer pai permitir que organizações criminosas façam dos nossos filhos clientes permanentes para o consumo dessa porcaria e acabar testemunhando a destruição da vida da nossa prole e com isso da própria família! Att

    http://www.redetv.uol.com.br/atardeesua/videos/ultimos-programas/jovem-usuario-de-drogas-mata-familia-em-sp

    Curtir

  63. Vou usar um texto colhido da imprensa com multiplos amparos técnicos

    Cai o último argumento dos maconheiros: droga é mais prejudicial do que álcool e tabaco, sim!
    Por: Reinaldo Azevedo 27/10/2012 às 17:21

    Um dos lobbies mais organizados, mais influentes e mais aguerridos do Brasil é o dos maconheiros. Não há, já demonstrei aqui — acho que em centenas de textos —, uma só centelha lógica em seus argumentos. Ao contrário: no fim, tudo termina na mais pura irracionalidade. Não repisarei argumentos. O capítulo 3 de “O País dos Petralhas II” chama-se “Das milícias do pensamento” — um dos subcapítulos tem este título “Da milícia da descriminação das drogas”. Como, em certas franjas, o consumo da maconha — e de algumas outras substâncias — se mistura com hábitos próprios dos endinheirados, a descriminação ganhou porta-vozes influentes. Por incrível que pareça, está presente até na eleição do comando da OAB…
    Leiam reportagem de Adriana Dias Lopes, que é capa da VEJA desta semana. Cai por terra a mais renitente — embora, em si, seja estúpida, já demonstrei tantas vezes — tese dos defensores da descriminação da maconha: a de que a droga ou é inofensiva ou é menos danosa à saúde do que o tabaco e o álcool, que são drogas legais. Errado! Leiam trecho da reportagem:
    (…)
    A razão básica pela qual a maconha agride com agudeza o cérebro tem raízes na evolução da espécie humana. Nem o álcool, nem a nicotina do tabaco; nem a cocaína, a heroína ou o crack; nenhuma outra droga encontra tantos receptores prontos para interagir com ela no cérebro como a cannabix. Ela imita a ação de compostos naturalmente fabricados pelo organismo, os endocanabinoides. Essas substâncias são imprescindíveis na comunicação entre os neurônios, as sinapses. A maconha interfere caoticamente nas sinapses, levando ao comprometimento das funções cerebrais. O mais assustador, dada a fama de inofensiva da maconha, é o fato de que, interrompido seu uso, o dano às sinapses permanece muito mais tempo — em muitos casos, para sempre, sobretudo quando o consumo crônico começa na adolescência. Em contraste, os efeitos diretos do álcool e da cocaína sobre o cérebro se dissipam poucos dias depois de interrompido o consumo.
    Com 224 milhões de usuários em todo o mundo, a maconha é a droga ilícita universalmente mais popular. E seu uso vem crescendo — em 2007, a turma do cigarro de seda tinha metade desse tamanho. Cerca de 60% são adolescentes. Quanto mais precoce for o consumo, maior é o risco de comprometimento cerebral. Dos 12 aos 23 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. Em um processo conhecido como poda neural, o organismo faz uma triagem das conexões que devem ser eliminadas e das que devem ser mantidas para o resto da vida. A ação da maconha nessa fase de reformulação cerebral é caótica. Sinapses que deveriam se fortalecer tornam-se débeis. As que deveriam desaparecer ganham força”.
    (…)
    Leiam a íntegra da reportagem especial na edição impressa da revista e depois cotejem com tudo o que anda dizendo a turma da descriminação, cujo lobby é tão forte que ganhou até propaganda gratuita na TV aberta, o que é um despropósito.
    Para encerrar este post, vejam alguns dados cientificamente colhidos sobre os consumidores regulares de maconha:
    – têm duas vezes mais risco de sofrer de depressão;
    – têm duas vezes mais risco de desenvolver distúrbio bipolar;
    – é 3,5 vezes maior a incidência de esquizofrenia;
    – o risco de transtornos de ansiedade é cinco vezes maior;
    – 60% dos usuários têm dificuldades com a memória recente;
    – 40% têm dificuldades de ler um texto longo;
    – 40% não conseguem planejar atividades de maneira eficiente e rápida;
    – têm oito pontos a menos nos testes de QI;
    – 35% ocupam cargos abaixo de sua capacidade.
    E, digo eu, por tudo isso, 100% deles defendem a descriminação…

    Bom, com tantos argumentos fica complicado pra qualquer pai permitir que organizações criminosas façam dos nossos filhos clientes permanentes para o consumo dessa porcaria e acabar testemunhando a destruição da vida da nossa prole e com isso da própria família! Att

    http://www.redetv.uol.com.br/atardeesua/videos/ultimos-programas/jovem-usuario-de-drogas-mata-familia-em-sp

    Curtir

  64. binladasso action 10/05/2016 — 16:22

    Médico, professor de psiquiatria em Harvard

    Curtir

  65. O brasileiro precisa ficar atento a tais declarações, sua verdadeira motivação, seus patrocinadores, a história deve ser apurada com afinco pela parte contestante, fatos isolados não podem servir para influenciar a grande maioria dentro de um estado de direito democrático, onde o colegiado de políticos representado o povo brasileiro composto pela maioria dos votos de cada um de nós “brasileiros”, eu disse brasileiros, pois a nossa realidade difere de nações desenvolvidas em que jovens de classe média possam ter direito a ampla cobertura médica por serem de família obtedoras de um poder econômico superiora realidade da população do Brasil, mesmo a classe média brasileira não se compara a classe média americana e se for para buscar exemplos busco exemplos de países que aboliram todo e qualquer tipo de drogas ilícitas para conter a propagação da violência, até mesmo a Holanda está revendo a lei que permitia os “viciados” a usarem a droga em lugares pré determinados. E quanto ao uso medicinal, que seja aproveitado como em qualquer planta a substância medicinal, eu disse medicinal, para uso prescrito por médicos sérios e responsáveis a pacientes que necessitem naquele momento da droga para obter a cura sem uso prolongado que possa sugerir um estado de vício e dependência química dando onda pra muitos fugirem da realidade da vida, vagando num mundo de faz de contas improdutivo, chocando se diante da formação milenar das sociedades e ainda levando outros desavisados com ele para um campo de retrocesso que acaba em clinicas de recuperação para drogados, com o inchamento da folha do INSS com pagamento de licenças do trabalho por afastamentos por motivos de saúde (vício em drogas), aposentadorias precoces, mais trabalho para a polícia lidar com as sandices de gente “drogada legalmente”, maior observância das leis por parte do judiciário e até criação de novas leis para proteger o povo brasileiros dos “legalmente drogados”. Os demais brasileiros CUMPRIDORES DO DEVER é que não podem acabar pagando a conta porque uma minoria deseja manter se em estado de vício em drogas amparado por lei.

    Curtir

  66. Eu questionei alguns dos seus motivos, espero que leia meus argumentos:

    Saúde
    Por mais que os usuários digam que a maconha só lhes faça bem, não é isso que aponta a medicina. Os males que a maconha traz são tantos que nem vou descorrer sobre eles. Vejam abaixo os principais:

    R: Cadê os links? Porque eu posso te mostrar muitos outros que comprovam o contrário do que você está falando ou você quer pesquisar por si mesmo? Vai pesquisar, você anda uns 30 anos desatualizado do assunto!

    Circulação
    Da mesma forma que o Estado pode proibir a circulação de um remédio que faz mal a saúde de seus cidadãos, pode também proibir a venda da maconha, posto que ela provoca males a saúde de seus consumidores. No final das contas, é no sistema público que a maioria desses usuários irá se tratar das doenças adquiridas pelo seus uso da cannabis.

    R: Cadê os estudos sobre os males do uso de cannabis? Nos EUA eles legalizaram e estão tendo muitas pesquisas boas sobre o assunto, inclusive, comprovado recentemente algumas propriedades curativas da maconha contra câncer, vale a pena você ler sobre, porque é tanta coisa sobre e eu não minto como você está fazendo!
    Que doenças trazem o uso da cannabis? Queria tambem ler um artigo sobre isso, porque ainda não achei! Você usa informação pré conceituosa, deveria sentir vergonha!

    Liberdade individual
    Como qualquer um que lê esse blog já deve ter notado, sou um defensor ferrenho da liberdades individuais. Sendo assim, cada um tem o direito de fazer o que quiser com seu próprio corpo contanto que não afete a terceiros.
    O problema da descriminalização das drogas é que ela implicaria numa clara afetação de terceiros, que seriam possivelmente prejudicados com a mudanças sociais e econômicas advindas pela descriminalização. É bom deixar claro que o usuário atualmente, mesmo fazendo o que quer com seu corpo quando consome a maconha, acaba alimentando toda uma cadeia criminosa que já prejudica milhares de terceiros.

    Seus motivos vem mais para falar da má gestão no uso e controle de mercado da maconha, então, não confunda, você está criminalizando uma erva por má gestão de sistemas, nem por isso.

    R: E essa droga mesmo sendo criminalizada já não afeta terceiros? O mercado negro deixa um risco de sangue e nem por isso, quem necessita do uso da erva irá deixar de correr todos os riscos para obtê-la. E você não respeita a liberdade individual, pois é a favor da proibição de uma opção que é pessoal. Até fumar tabaco em lugares sem ventilação, foi proibido pela legislação vigente, isso já é um passo sem precisar proibir o uso total, apenas controla-lo pelo bem-estar do próximo, também temos as mensagens nas caixas do cigarro, por exemplo, orientações nos hospitais, muitas informações cientificas sobre o uso do tabagismo. Os investimentos para pesquisas e estudos sobre o uso e suas consequências são frutos da legalização, pois não se é um tabu, no caso do tabaco, hoje, em compensação ao passado, o seu uso está cada vez mais reduzido.

    Turismo

    É comum que turista vão para Holanda apenas para consumir drogas. O ambiente permissivo acaba provocando situações interessantes. Dentro dos estabelecimentos credenciados(coffee shops) o turista só encontra a cannabis aprovada pelo governo, mas basta colocar o pé pra fora dali para que lhe seja oferecido estasy e outras drogas ilícitas. Como é possível crer que legalizando uma droga o consumo de todas as outras não será aumentado?

    R: Me diz em qual momento, nesse post de turismo acima, o consumo de outras drogas ilícitas foram aumentadas porque estas não podiam ser vendidas num coffee shop? O usuário consome, às vezes, vários tipos de drogas ilícitas, se for uma festa, por exemplo, mais eletrizante, o consumo vai para o ecstasy, se a festa for mais uma fogueira, um violão e um riacho, isso pende mais para o uso da cannabis ou mesmo um LSD. Nossa, você não sabe de nada do que você está falando! E se você respeita a liberdade, acho mais uma história de hipócrita da sua parte, então respeite a escolha de quem está correndo perigo ao adquirir e utilizar daquela substancia.

    Impacto social

    Hoje é comum vermos pais colocando cerveja na chupeta de seus filhos. Todos achamos a coisa mais normal do mundo quando uma pessoa fuma na frente de uma criança. O que não mensuramos é que uma criança não tem consciência para assistir um ato como esse, posto que pela identificação com o adulto em questão, pode adquirir desejo pelo hábito nocivo a sua saúde. O problema em descriminalizar a maconha é que esse mesmo fenômeno será replicado. Pais e adultos irão consumir livremente e muitas crianças podem ser influenciadas

    R: Discordo plenamente! Tem muitos pais que fumam maconha e muitos filhos que não gostam de utiliza-la porque viram seus pais consumindo-a. Outra coisa, pulmão foi feito para captar oxigênio, qualquer outro gas, mesmo os da poluição monóxido de carbono e dióxido de carbono, fumaça de tabaco, fumaça quente de cannabis, para o seu pulmão já é prejudicial, porque seus capilares querem oxigênio, eu nunca concordei em fumar perto de ninguém que não goste, ninguém é obrigado a compactuar com minha fumaça. Mas a proibição dessa droga constrói um sistema onde a minha vida é arriscada toda vez que eu for obtê-la. Você vai me dizer para eu parar de consumi-la se não quero me arriscar, certo? Porque, talvez, eu mereça ser morta ou espancada por buscar por esse tipo de coisa, certo?
    Mal lhe pergunte, você já viu um pé de maconha? Você não acharia inofensivo se visse um de perto, é uma planta, juro, é tipo uma arvorezinha, não tem cor azul de césio e nem brilha no escuro, é a POHA de uma plantinha, tem galhos, folhas e até flores… mas se isso não é argumento para você ver o tamanho da hipocrisia que te engoliu, eu até entraria nessa sua ideia em parar de fumar as flores e as folhas dessa arvorezinha inofensiva chamado cannabis, mas, se eu parasse, você pagaria um remédio para ansiedade entorno de uns R$ 250,00 que eu preciso tomar? Meu tratamento de gastrite? Gastrite que melhorou bastante após o uso cannabico também. Se for parar por incentivo de pessoas como você, você pode também pagar o colírio de uma outra amiga minha, custa R$ 105,00, ela parou de usá-lo depois que começou a fumar cannabis, reduziu também as idas aos oftalmologistas. Você também pode pagar à mãe de uma menina, com síndrome epiléptica grave, o óleo de cannabidiol, composto derivado da planta cannabis que custa entorno de R$ 7,500(como a maconha não é legalizado aqui no Brasil, ela, a mãe, paga um preço exorbitante na importação e na burocracia deste produto). Então, você arcaria com nossos remédios se tivéssemos que parar de fumar um baseadinho por dia? Eu já era ansiosa, o uso me ajudou, assim como ajudou muitas outras vidas, pense sobre isso!

    Hipocrisia

    Todos falam que é uma hipocrisia que a maconha que faz tão pouco mal seja criminalizada enquanto a cerveja e o álcool, que matam e destroem tanto, sejam legais. Sinceramente, isso não é um bom argumento para a legalização da maconha mas sim para sermos a favor de medidas mais duras contra o cigarro e o álcool.

    R: Você acha que proibir é o caminho? Você acha que as pessoas irão parar de consumir porque é proibido? Inclusive já é proibido, mas é essa proibição a qual alimenta o mercado negro e muitas mortes. O que devia haver era um maior controle, houve redução na mortalidade de alcoolismo depois de barreiras com bafômetros, mas no caso da maconha que não é legalizada, não há controle para seu uso e nem da sua qualidade, faltam mais estudos acerca do seu uso a longo prazo, logo, a sociedade não instrui o indivíduo sobre esta erva porque ela é proibida… virou um tabu e mesmo assim, com proibição ou não, ela continuará sendo procurada! Então, você acredita mesmo que a proibição seja eficaz?

    Crime

    Todos sabemos que as drogas alimentam o tráfico, e que este alimenta a violência. Então vamos conjecturar que a maconha seja liberada para ser vendida na farmácia. É natural crermos que ninguém se arriscará subir a um morro para comprar aquilo que pode comprar na farmácia. Sendo assim, o tráfico de fato seria enfraquecido. No entanto, isso não acaba com a raíz do problema.

    A falta do recurso da maconha de fato irá fazer com que muitos traficantes perdessem sua fonte de renda. Porém seria uma inocência nossa crer que todos esses prejudicados iriam virar pastor ou procurar um emprego. O que eles iriam fazer é migrar para outros crimes (sequestro, assalto, etc).

    R: Você não tem muito contato com este universo? É visível que não, pois seus argumentos mais parecem um balão de ar, ar de peito, não sobe, só desce quando solto e se tiver qualquer pedrinha no chão ele estoura.
    Qual é a figura de traficante que vem a sua mente? Pense um pouco mais sobre esta imagem…
    Se veio, instantaneamente na sua cabeça, um cara com um rifle pendurado ou com uma arma na mão, é um diagnóstico de um pensamento limitado sobre o assunto, então, é hora de estourar os seus balões. Muitos dos traficantes que conheci são empregados, uns são até da polícia, outros biólogos, chefes de cozinha, engenheiros e etc. Ah, esqueci de falar, também existem os traficantes de colarinho branco, os “bons” e “recatados” políticos, onde as drogas vêm de helicóptero ou de jatinho, tudo direto para poder cair no gozo da elite, uma variedade de entorpecentes esbanjando qualidade e refinamento, enquanto pobre se ferra. E outra, você acha mesmo que os traficantes e alguns de seus usuários já não cometem crimes como sequestros, assaltos e etcs? Inclusive a criminalização colabora cada vez mais com o mercado negro e, consequentemente, contribui para o surgimento de assaltos e etcs, porque mesmo sendo proibido, os usuários não deixarão de usar a “droga”, mas, no caso, se fosse legalizada, haveria um controle fiscal, controle do uso em lugares públicos, maior orientação para os usuários, orientação para as pessoas leigas não usuárias, incentivo aos estudos na área com estatísticas fidedignas, e o melhor de tudo seria, as pessoas poderem plantar livremente seus pezinhos de cannabis sem ficariam reféns das substancias nocivas que acompanham a maconha prensada e nem mesmo correr todo perigo no processo em adquiri-la. Você não pode mensurar quantas vidas são punidas, a cada minuto, de forma direta ou indireta pelo mercado negro. A culpa não é de uma planta, muito menos dos usuários delas, deve haver a possibilidade do uso, porque proibir nunca foi a solução, pois as pessoas continuarão usando e alimentando este sistema de “tapas” nos olhos da sociedade de bem e aumentando a criminalidade atraves dessa hipocrisia e mente fechada. E mais…

    Venda residual

    Em todo o mundo, a legalização de algo não estingue a clandestinidade. Ex: Nos EUA, as clínicas de aborto clandestinas não acabaram depois da legalização do aborto.
    Na Alemanha, o número de prostitutas de rua também não diminuiu depois da legalização da prostituição. Isso ocorre porque a legalização de algo quase sempre aumenta sua demanda. Logo, um jovem de 18 anos que não possa por algum motivo comprar sua sagrada cannabis na farmácia vai continuar recorrendo a um traficante.

    R: As clinicas de aborto clandestino não acabaram porque são mais baratas. Lá nos EUA não há assistência governamental como aqui no Brasil, pois é o cidadão quem paga por tudo e mesmo com a legalização do aborto, as famílias pobres não têm como investirem em clinicas legais e por isso procuram as clinicas clandestinas. Então, o fato das clinicas clandestinas não terem acabado não foi por causa da legalização e sim por causa do aumento exorbitante no preço da cirurgia em clinicas legais.
    E por que deviria diminuir o número de prostitutas após a legalização da prostituição? Às vezes, o que impedia uma mulher de atuar como profissional do sexo, antes da legalização, era o medo de submeter-se e depois ter garantia nenhuma e amparo nenhum legalmente, em contraponto ao seu ponto de vista pessimista, com certeza, as estatísticas sobre violência para contra prostitutas devem ter diminuído drasticamente após a legalização. Contudo, te aconselho a dar uma olhadinha no google, é bom pesquisar antes de “vomitar” coisas mal indigestas, porque se você não pesquisar, alguém vai ler sua ideia errada e fará isso no seu lugar.
    Não será só farmácia que venderá maconha, lutamos também pelo cultivo individual, e se houver pontos de venda, como as tabacarias, haverá concorrência e variedades. E fato é, a existência do traficante ilegal tende a cair!

    ….
    Aquela charge, ao início do post é uma piada, né? Porque se fosse pra ser irônico, para comigo não foi! Espero que você não esteja generalizando todos participantes da marcha com a mensagem desta charge e outra, há pessoas com todo tipo de escolaridade na marcha e creio eu não haver empecilhos mentais para se ler um artigo científico, acho que não depende do tanto que a pessoa leu ou não na vida ou quanto ela foi dedicada nas escolas, ainda mais hoje, nos dias atuais, onde faz-se fácil e cômoda a acessibilidade via internet. Você já leu algum artigo científico? Às vezes, não precisa ser um doutor, usar jaleco branco e óculos para entender uma pesquisa e os resultados dela!
    Eu poderia falar de todos os tópicos, mas são tantas merdas que eu parei! Você está disseminando muita informação errada, cabe a você ficar envergonhado com sua falta de conhecimento sobre o assunto e ainda querendo palpitar sobre.

    E você não é nada NERD… muito senso comum nas ideias, esta página não deveria conter a palavra NERD NO título!

    Curtir

  67. Raissa, você usou drogas enquanto escreveu esse comentário? Se não, o que você disse se auto-refuta.

    Curtir

  68. Liberar a maconha pra se consumida como uma droga alucinógena ou melhor dizendo “dar onda”, mas e aqueles jovens pobres que se enveredarem pelo uso da erva e diferentemente dos filhinhos de papai que recebem mesada pra se drogar, ou mesmo trabalham, porem moram com os pais e usam seus salário somente pra curtir a erva (se drogar), será mesmo que ira diminuir a violência, será que vai aumentar ou vai continuar tudo como está? E o narcotráfico com aval do governo vai criar no Brasil um novo mercado legalizado, onde mais jovens alienados os mesmos jovens que não rendem nada na escola, na faculdade e até mesmo no trabalho, pois passam a maior parte do dia drogados, alguns ocupando leitos do SUS para tratamento de drogados e tão indiferentes pros problemas da nação serão vistos como caras normais e terão mais companheiros no vício que entraram por curiosidade com a desculpa que “está liberado mesmo, então o que tem demais”!

    Curtir

  69. q blog Lixo sem credibilidade nenhuma faz matéria baseada em achismo sensacionalista pra ganhar view vai tomar no cu! LIXO!

    Curtir

  70. Não tem credibilidade aqui folks

    Curtir

  71. acho que nunca vi tanta merda escrita num post so.
    A real e que voce quer se dar um de inteletual mas sabe de nada; lamantavel
    deve morrar no zona sul e seu tiu deve ser um politico corupto, pra preferir a situacao de agora. so olha os EUA pra ver se legalizacao nao fucionou la

    Curtir

  72. olha qualquer entrevista do governador democrata do colorado

    Curtir

  73. que post coco, argumentos fracos o seu ! RIARIARIA
    TENTE OUTRA VEZ ..

    Curtir

  74. MATEUS CARVALHO BROCHADO 04/03/2017 — 22:25

    piores argumentos que eu já li, sendo que alguns nem argumento são, kkk.

    Curtir

  75. Para maconheiro queimar a erva em busca de descontração, alienação, vício, encorajamento, … não precisa de argumentos informativos do por que ser contra a liberação da maconha em um país cheio de políticos corruptos, onde liberar a droga serviria como mais um instrumento de alienação do povo. E esse povo brasileiro já é alienado por natureza, eles já possuem pouca memória, não sabem votar, assistem sentados nos seus sofás a destruição, a falência… das instituições públicas que deveriam zelar pelo nosso bem estar.. imaginem um consumo maciço de maconha no país? E então pra esses maconheiros que queimam muitas vezes o dinheiro do pai e da mãe pra ficarem com onda, jamais aceitariam argumentos, mesmo que esses argumentos indicassem o risco de adquirir um câncer cerebral, um câncer de pulmão, a queima de nerônios desses putos, que acham que cerveja e maconha são a mesma coisa, não vou nem citar os jovens de baixíssima renda que iriam experimentar a erva acabando por se tornar viciado a ponto de aumentar a criminalidade com pequenos assaltos em busca de dinheiro pra comprar “maconha” e aumentando também a população de rua !! Obs: sem dizer que a descriminalização, seguida da liberação da maconha não vai acabar com o tráfico de drogas no Brasil, apenas dará mais um argumento para esses moleques traficantes se defenderem perante a justiça quando forem pegos fazendo aviãozinho pros bacanas ficarem de onda!!

    Curtir

  76. O pior de tudo é ver que tem idiota útil a serviço da polêmica esquerda financiada por narcotraficantes que apoia o uso recreativo de drogas e até do crack o que por si só é a maior idiotice que já ouvi. As drogas ilícitas não trazem benefícios a ninguém, se o Estado liberar vai ganhar milhões com impostos e ao mesmo tempo gastar milhões com clinicas do SUS pra recuperação dos dependentes!

    http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,frequentador-da-cracolandia-irmao-de-suzane-von-richthofen-e-internado-em-surto-psicotico,70001819633

    Curtir

  77. Comparar o combate a AIDS no Brasil com a liberação da Maconha já é a maior burrice que ouvi, pois os números da AIDS não param de crescer no Brasil dos idiotizados e os gastos com prevenção diminuíram drasticamente nos governos petistas!! Eles estão levando o gado para o matadouro de forma moderada e com apoio do próprio gado que vive pastando.

    http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/aids-o-numero-de-novos-casos-voltou-a-crescer-no-brasil/

    Aids: o número de novos casos voltou a crescer no Brasil
    Precisamos, mais do que nunca, falar sobre aids. Enquanto progressos significativos têm sido feitos para eliminar infecções pelo HIV entre crianças, o número de novas contaminações entre adultos cresce. O mais recente relatório da Unaids (Programa da Organização Mundial da Saúde sobre Aids) sobre o Brasil mostra que a prevenção do HIV precisa ser expandida […]

    Curtir

  78. Cara, acho que você deve ter gostado do filme “Quebrando o tabu”, estou certo?

    Entao eu tenho uma sugestão de documentário (feito pelo netflix), com fatos e relatos que eu acho que você vai gostar:

    O nome do filme/documentário é:

    Culture High

    link no netflix:
    http://www.netflix.com/title/80014718

    Esse filme fala sobre todos os pontos sobre a maconha, estudos que foram feitos nos estados unidos e foram forjados ou ocultados pelo governo, com o intuito de manter a “War On Drugs” e continuar surrupiando o dinheiro da população, justificar o policiamento forte nas ruas, aumentar o numero de presos nas cadeias terceirizadas, venda de remedios que produzem dependência química e não são tão eficientes quanto drogas ilícitas…. entre mtos outros motivos corruptos do governo americano, que todos nós sabemos ser o grande influenciador do mundo.

    Quando eu assistiassistir que esclarecerão todos os pontos por você mencionados, que estão incorretos:

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close