Fonte: Folha de S. Paulo (sexta)

Racismo petralha

O jornalista da Record Paulo Henrique Amorim, da Record, foi condenado a um 1 e 8 meses de prisão por “injúria preconceituosa”. Ele chamou o jornalista Heraldo Pereira, da Globo, de “negro de alma branca”. A pena foi substituída por pena restritiva de direito. Amorim vai recorrer.

Racismo
Na sentença, a desembargadora considerou que as declarações “foram desrespeitosas e acintosas à vítima” e que o apresentador do Domingo Espetacular teve a “nítida intenção de ofender a honra” de Pereira. No entendimento do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, o crime de injúria acontece quando se tem a intenção de ofender a honra de alguém.

PIG – Partido da imprensa governista

Acho que a decisão foi exagerada. Não creio que alguém deva ser preso só por causa de uma mera opinião. Agora as patrulhas do politicamente correto estão soltas. Imagine se a PL 122 estivessa aprovada? Bastaria um juiz com maldade para que alguém fosse preso injustamente.

Por mais que eu discorde de tudo o que o petista Paulo Henrique Amorim defende, sempre apreciei seu trabalho na imprensa. Creio que todo o país democrático deve ter as vozes de esquerda e as de direita. O problema do Brasil é que só existem vozes de esquerda, e as poucas vozes conservadoras são abafadas.

Alma de cor

 

No caso em questão, Amorim deveria ter tido tato de lidar com um jornalista da estirpe de Pereira, que, sendo de cor, chegou aonde chegou pelo próprio esforço. Pereira não merece ser depreciado só porque trabalha na Globo, tambouco por ser um “negro de alma branc#”. Além do mais, dizer que alguém tem alma branca é uma tremenda incoerência, pois todos sabemos, alma não tem cor.

Obs: Essa não é a prmeira vez que Amorim é condenado em virtude de suas controversas opiniões. Não é a primeira vez que ele faz uso de trocadilhos raciais para depreciar inimigos políticos.

Anúncios