Quantos gays morrem no Brasil?

Existe homofobia no Brasil. Isso é um fato. Muita gente agride e humilha pessoas apenas pelo fato de serem gays. Isso não significa que o Brasil seja homofóbico, mas de fato existe homofobia. Os números de homossexuais assassinados no Brasil deve ser dividido em três partes: os que morrem por serem homossexuais, os que morrem devido a crimes passionais de seus parceiros homossexuais e aqueles que morrem em crimes comuns. O número crescente de mortes de gays no Brasil é de cerca de 300 por ano. Tais números fazem com que muitos creiam que vivemos um homocausto – holocausto de gays.

PL 122

A PL 122 é uma lei ridícula. Mesmo não me opondo aos direitos LGBT, admito que essa lei só tem a finalidade de criminalizar a opinião alheia. O maior pecado dessa lei é não tipificar o que seria homofobia. Logo, qualquer crítica de natureza filosófica em relação a homossexualidade (conduta homossexual) ou ao homossexualismo (ideologia homossexualista) pode levar uma pessoa de bem a ser presa sem direito a fiança por mais de um ano. Se tipificassem o que viria a ser homofobia, ok; mas aprovar essa lei do jeito que está é um tremendo absurdo.

Privilégio

Criminalizar a opinião alheia não é algo que um Estado Democrático de Direito deveria permitir arbitrariamente. Por que motivo eu poderia criticar a igreja católica, nada sofrendo por parte da lei, e fazer uma crítica a homossexualidade, sendo por isso preso? O que será que a homossexualidade tem de especial para que seja crime criticá-la? Por que motivo deveria eu ser preso se criticar a homossexualidade e não ser preso se criticar quaisquer outras coisas? Logo, a PL 122  dá direitos descabidos a uma classe, que passa a não poder mais ser criticada, enquanto o resto da população tem sua liberdade de opinião reprimida.

Liberdade de religião

Certa vez conheci uma hindu que me alertou que eu queimaria no inferno se comesse carne. Como ainda como carne, não fiquei ofendido com ela, pois sou adulto o suficiente para entender que ela só me alertou por sua condição religiosa. O fato dela ter me dito que a carne me levaria ao inferno não me fez ficar triste, tampouco fiquei com raiva dela. O exemplo é esdrúxulo, mas infelizmente tem gente que é gay e quer proibir que religiosos afirmem que sua condição sexual seja um pecado. Logo, a PL 122 compromete a liberdade religiosa, pois os indivíduos religiosos terão que violar suas crenças, do contrário serão presos apenas por propagar o que diz suas religiões.

Projeto substitutivo

O projeto de lei substitutivo foi apresentado pelo Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CNCD-LGBT), e levado á Comissão de Direitos Humanos do Senado (CDH) pela senadora Ana Rita (PT-ES), que é presidente da comissão.

Causa nobre
“É uma proposta que trata do ódio e da intolerância contra todas as pessoas, idosos, crianças, adolescentes, deficientes e também contra as pessoas do movimento LGBT”, afirmou Ana Rita (que tenta nitidamente embarcar a questão da crítica a homossexualidade com outras causas mais nobres para passá-la pela goela da sociedade), de acordo com informações do portal Terra.

Exceto em templos
O texto deste projeto substitutivo prevê pena de um a seis anos de prisão, e diz que o crime de intolerância será caracterizado quando alguém “impedir, restringir a expressão e a manifestação de afetividade, identidade de gênero em espaços públicos ou privados de uso coletivo, exceto em templos de qualquer culto, quando estas expressões e manifestações sejam permitidas às demais pessoas”.

Lei ridícula

Esse substitutivo é ridículo. Condicionar ou não um crime em razão de ser localizado num templo religioso é um absurdo num Estado laico. Se assassinato é crime, também é crime se feito numa igreja. Se roubar é crime, também é crime se feito numa igreja. Priveligiar templos religiosos com o direito de cometer atos que são crimes para outros é outro absurdo. Quer dizer que um pastor numa igreja pode criticar a homossexualidade, mas esse mesmo pastor fora da igreja não pode?

E um ateu que porventura queira criticar a homossexualidade? Será que um ateu vai ter que entrar ironicamente num templo religioso apenas para expressar a sua própria opinião? No final das contas, essa lei é de uma má fé tal que pode acabar violando a liberdade de religião até mesmo de quem nem tem credo algum.

Anúncios