Hoje eu descobri que a França legalizou o casamento gay. “Mas só agora?”, pensei. Como a PL 122 ainda não foi aprovada, acredito que fazer uma mero texto com alguns a  rgumentos contra o casamento gay ainda não me reservará uma cela na prisão. Logo, como não corro risco de ser preso , devo salientar que não tenho nada contra a homossexualidade.

Até onde eu estudei, as razões do surgimento da homossexualidade passam por fatores genéticos, pelos nutrientes passados ao feto, pela educação na primeira infância e pelo ambiente onde ela está. Portanto, mesmo que a homossexualidade não seja cabalmente genética, pode ainda ser adquirida – ou descoberta – por fatores sociais ou culturais.

Como vivemos num país laico graças a deus, de nada valem os argumentos religiosos para fazer decidir quais seriam os direitos inalienáveis das pessoas. Meus vizinhos formam um casal homossexual monogâmico. Acredito que eles, sendo pagadores de impostos, deveriam ter os direitos que as outras pessoas têm. Por isso não sou contra a união estável e a adoção por casais gays.

Agora quando o assunto é casamento a história é outra. Se o casamento é apenas um contrato social que tem finalidade de repartir o patrimônio conquistado entre um par, não há razão para que não se estenda esse direito para gays ou para polígamos. Se o casamento é a instituição que o Estado defende por ser a melhor forma de se criar uma família e um filho na sociedade, não há razão para estender esse direito para qualquer outro grupo, pois casamento seria entre homem e mulher.

Vamos então a definição do que seria casamento no dicionário:

1. ato ou efeito de casar

2. DIREITO contrato civil celebrado entre duas pessoas que pretendem constituir família em conjunto; matrimónio
3. cerimónia que celebra o estabelecimento desse contrato; boda
4. situação que resulta do ato de casar
5. estado de casado
6. figurado enlace, união
7. figurado combinação

Agora vamos a definição de casamento civil:

O casamento civil é um contrato entre o estado e duas pessoas tradicionalmente com o objectivo de constituir família. Geralmente é uma união entre um homem e uma mulher (com ou sem filhos) mediante comunhão de vida e bens. Até ao século XIX, o casamento era visto como um acordo comercial entre duas famílias. Apenas o Romantismo veio alterar esta imagem e passou-se a existir o conceito de casar por amor

10 motivos para ser contra o casamento gay:

1-Definição

Desde que o mundo é mundo o casamento foi constituido entre um homem e uma mulher. Até mesmo nos países mulçumanos, onde existe poligamia, o marido tem um casamento com cada esposa. Abrir o caminho para o casamento gay pode ocasionar a destruição da definição do casamento. Um homem poderá se casar com outro homem. Não vai demorar até que 3 ou mais homens queiram se casar e por aí vai. O que impediria dois irmãos de se casarem? Ou o casamento de um filho com sua mãe? Será que os pedófilos e os zoófilos não se motivariam a lutar igualmente por seu direitos? Com o tempo, o casamento perderia seu sentido, pois quando tudo é casamento, nada é casamento.

2- Procriação

O casamento tem uma finalidade de ser o alicerce por onde a sociedade constrói as famílias. O casamento não se constituiria apenas na questão do patrimônio. Se o casamento se consiste no patrimônio, então qualquer sociedade comercial pode ser chamada de família. Imagine então cinco mulheres que resolvem se casar apenas para adquirir os benefícios fiscais de um casamento. O mesmo vale para um casal hétero e homossexual.

3- Funções definidas

Num casamento, os dois elementos têm cada um suas características e suas funções. Uma das atividades inerente ao casamento é o sexo, onde o homem tem a postura ativa e a mulher a postura passiva. Sem que haja a consumação do casamento com o sexo, o casamento pode ser anulado. Um homem pode pedir o divórcio alegando que sua mulher lhe nega a conjunção carnal.

Pois bem. O casamento gay seria apenas uma caricatura do casamento. Num casamento gay não existem funções definidas ( de ativo e passivo ). Não existe gene homossexual ativo e passivo. Logo, é difícil crer que um gay possa pedir o divórcio alegando que seu parceiro lhe nega a conjunção carnal, uma vez que seu parceiro não tem função definida. Um pode se negar a ter a função ativa e é impossível haver vida sexual sadia com dois elementos passivos.

4- Perseguição

O que pode ocorrer é que muitos homossexuais religiosos se sentirão afrontados quando suas instituições religiosas se negarem, por motivo de crença, a celebrar seu matrimônio. Patrões e empresas poderão correr o risco de sofrerem consequências caso não queiram empregar homossexuais para determinadas funções. Homossexuais não poderão ser impedidos de trocarem afetos em lugares públicos, o que pode gerar algum tipo de confusão na cabeça de crianças( de 1 a 6 anos) que verem a cena.

Ao legalizar o casamento gay, o Estado se torna o seu promotor oficial e ativo. O Estado apela a funcionários públicos para oficializar a nova cerimônia civil, ordena as escolas públicas a ensinar sua aceitabilidade para as crianças e pune qualquer funcionário público que expressa desaprovação.

Na esfera privada, os pais opositores vão ver seus filhos expostos mais do que nunca a esta nova “moralidade”, empresas que oferecem serviços de casamento serão obrigadas a fornecê-los para uniões do mesmo sexo, e proprietários de imóveis terão de concordar em aceitar casais homossexuais como inquilinos. O Estado vai esperar que os muitos religiosos traiam suas consciências por apologia, através do silêncio ou ato, a um ataque aos seus princípios.

Na Dinamarca, a Côrte Suprema do país já determinou que nenhuma religião pode se negar a casar gays. Em outros países já é proibido se expressar em espaço público dizendo que a homossexualidade é pecado,  pois isso configuraria homofobia.

Hoje mesmo, nos Estados Unidos, existe um cadastro na Califórnia de pessoas que não apóiam o casamento gay, que é usado  por empregadores para negar emprego a essas pessoas. Empresas que são contra o casamento gay (Chicken-Fill-A) sofrem ameaças e boicotes. Pessoas são taxadas de homofóbicas apenas porque são contra o casamento gay. Se isso acontece em hoje, imagina o que não acontecerá quando o casamento gay for instituído?

5- Papel de pai e mãe

Com o passar do tempo, muitos filhos de casais gays vão acabar se sentindo contrangidos quando chegar o dia dos pais e das mães, assim como quando forem preencher um cadastro e lhes forem perguntados os nomes de seus pais e mães. Logo, uma hora ou outra, os nomes pai e mãe serão substituídos por responsável 1 e responsável 2. Logo, a função de pai e mãe podem perder importância na sociedade.

6- Queda na taxa de casamentos

Em países que aprovaram o casamento gay, a taxa de casamento entre héteros diminuiu após essa mudança. É verdade que a taxa de casamentos já estava caindo antes do casamento gay, mas é possível que a desconfiguração do casamento tradiciona tenha motivado muitos casais a não recorrerem ao casamento civil.

7- Naturalidade e moralidade

Casamento não é apenas qualquer relacionamento entre seres humanos. É uma relação enraizada na natureza humana e, portanto, regida pela lei natural. O Preceito mais elementar da lei natural é que “o bem deve ser feito e buscado e o mal deve ser evitado.” Por sua razão natural, o homem pode perceber o que é moralmente bom ou ruim para ele. Assim, ele pode saber o fim ou a finalidade de cada um dos seus atos e como é moralmente errado transformar os meios que o ajudam a realizar um ato em finalidade do ato. Qualquer situação que institucionaliza a neutralização da finalidade do ato sexual violaria a lei natural e a norma objetiva da moralidade. A lei natural é universal e imutável. Ela se aplica a toda a raça humana, da mesma forma.

8- Direitos Civis

Alguns ativistas gays afirmam que  “casamento” é uma questão de direitos civis semelhante à luta pela igualdade racial nos anos 1960. Primeiro, comportamento sexual e raça são essencialmente diferentes realidades. Um homem e uma mulher querendo casar-se podem ser diferentes em suas características: um pode ser preto, o outro branco, um rico e outro pobre, ou um alto e outro curto. Nenhuma dessas diferenças são obstáculos insuperáveis ​​para o casamento. Os dois indivíduos são ainda o homem e a mulher, e, portanto, as exigências da natureza são respeitadas.O casamento gau se oporia à natureza. Duas pessoas do mesmo sexo, independentemente da sua raça, riqueza, estatura, erudição ou fama, nunca serão capazes de se casar por causa de uma insuperável impossibilidade biológica. Em segundo lugar, características raciais herdadas e imutáveis ​​não podem ser comparadas com comportamentos não-genéticos e mutáveis. Simplesmente, não há analogia entre o casamento interracial de um homem e uma mulher e o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo.

9- Atomificação da sociedade

Muitos acreditam que uma sociedade onde o papel de mãe e pai não esteja definido, será muito mais fácil para o governo tomar o pátrio poder dos pais. Isso pode acarretar a uma perda de liberdade que estamos acostumados a ver em alguns países. Como é o caso do Estado que tira a guarda da criança de seus pais biológicos ou adotivos porque esta não estaria sendo bem tratada por seus responsáveis. Pode parecer lúdico, mas muitos países estão tirando a guarda de pais que fazem homeschooling em seus filhos, assim como acontece com pais que tem filhos obesos. A desconfiguração da família pode gerar uma sociedade mais vulnerável as artimanhas estatais.

10- Melhor interesse das crianças

Trayce Hansen, Ph.D, que é um psicólogo com uma prática clínica e forense. Na visão dele, o casamento gay pode ser melhor para o interesse dos homossexuais adultos que anseiam por reconhecimento social e legal dos seus sindicatos, mas não é melhor para o interesse das crianças. 

Os defensores do casamento homossexual acredito que o amor é todas as crianças realmente precisam. Com base nessa suposição, eles concluem que é tão bom para as crianças para ser criada por pais amorosos do mesmo sexo, como por pais amorosos do sexo oposto. Mas essa suposição e tudo o que dela procede-se ingenuamente simplista e nega a natureza complexa e necessidades dos seres humanos núcleo.

De acordo com décadas de pesquisa, a estrutura familiar ideal para as crianças é um dois pais, um pai ou uma mãe. Essa pesquisa mostra consistentemente que crianças criadas em tais famílias são mais propensas a desenvolver-se, psicologicamente, mentalmente. e fisicamente do que as crianças criadas em qualquer outro tipo de configuração familiar. 

Extensa pesquisa também revela que não só as mães, mas também os pais, são fundamentais para o desenvolvimento saudável das crianças. Pesquisadores suecos analisaram os melhores estudos longitudinais de todo o mundo que avaliaram os efeitos dos pais no desenvolvimento das crianças. Sua revisão durou 20 anos de estudos e incluiu mais de 22 mil crianças e descobriu que os pais reduzem problemas comportamentais nos meninos e problemas psicológicos em meninas, promovem o desenvolvimento cognitivo e diminuição de delinquência. 

É claro que as crianças se beneficiar de ter tanto um pai masculino e feminino. Pesquisas médicas recentes confirmam diferenças geneticamente determinadas entre homens e mulheres, as diferenças fundamentais ajudam a explicar por que as mães e os pais trazem características únicas para pais que não podem ser replicados pelo outro sexo.

Mães e pais simplesmente não são intercambiáveis. Duas mulheres podem ser boas mães, mas  não podem ser um bom pai. Pais de um só sexo, seja por uma mãe solteira ou um casal homossexual, privam as crianças de toda a gama de paternidade oferecidos por casais héteros. Filhos de mães solteiras sofrem com uma série de mazelas e essas mazelas podem ser propagadas num cenário futuro. 

Relações com ambos os sexos no início da vida torna mais fácil e mais confortável para a criança se relacionar com ambos os sexos mais tarde na vida. No geral, ter um relacionamento com ambos os pais masculino e feminino aumenta a probabilidade de que uma criança terá relações sociais e românticas de sucesso durante sua vida. 

Além disso, a pesquisas existentes sobre crianças criadas por homossexuais não são apenas cientificamente falhas e extremamente limitadas, mas algumas  indicam essas crianças correm maior risco para um série de resultados negativos.  Outros estudos denotam que as crianças criadas por homossexuais são mais propensas a se experimentar sexualmente, experimentar confusão sexual, e se envolverem em comportamentos homossexuais e bissexuais. 

-Estudos podem apontar que crianças criadas por homossexuais são mais propensas ase envolverem em comportamentos gays, desde que existe uma pesquisa mundial extensa que revela  que a homossexualidade é induzida pelo ambiente. Considere a antiga Grécia e Roma, entre muitas civilizações antigas, onde a homossexualidade masculina e a bissexualidade eram comuns. Isso não era assim porque a maioria desses homens nasceram com um “gene gay”, e sim porque a sexualidade é maleável e socialmente influenciada. 

10 motivos para ser a favor do casamento gay:

1- Casamento não é baseado em procriação, tampouco em bens. O casamento é baseado no amor, e existem relações homossexuais com amor.

2- Filhos criados por gays não desenvolvem necessariamente a homossexualidade.

3- Uma criança pode ser criada corretamente por uma mãe solteira ou por um pai solteiro. Por que não por dois pais ou duas mães?

4- O casamento não é baseado na procriação, se fosse, seria ilícito o casamento de inférteis e idosos.

5- Na prática, apenas é uma extensão de um direito para uma parcela ainda maior de pessoas. É muito mais moral para uma sociedade que seus cidadãos homossexuais estejam casados do que dentro de relacionamentos pouco duradouros. Leis de casamento discriminatórias privam casais de gays e lésbicas de vários direitos e benefícios federais. A Privação desses benefícios tem impacto psicológico e social negativo demonstrável em casais do mesmo sexo, seus filhos e famílias.

6- Como já existem estados que reconhecem o casamento gay, a proibição do casamento gay acaba gerando problemas jurídicos. Um casal gay casado num estado pode não ter seus direitos respeitados ao entrar num estado onde o casamento gay não é reconhecido. Da mesma forma, casais gays estrangeiros poderão não ter seus direitos reconhecidos ao chegar no Brasil.

7- O casamento gay não abre as portas para todo o tipo de aberração como a zoofilia, pedofilia e poligamia. O que o casamento gay garante é a união de duas pessoas do mesmo sexo.

8- Estudos apontam que casais gays são muito mais exigentes com seus filhos, elevando o padrão educacional destes. Com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, é bem possível que casais gays se motivem a tirar milhares de crianças dos orfanatos, os educando e lhes oferecendo um futuro.

9- Formar famílias, tradicionais ou não, é bom para o país. O casamento é um direito humano básico e uma escolha pessoal indivíduo e o Estado não deve interferir se os casais do mesmo sexo optam por se casar ou não.

10- A homossexualidade é uma variante normal da sexualidade adulta, os homens e mulheres homossexuais possuem o mesmo potencial e desejo dos heterossexuais. Esta opinião é corroborada por dados concretos, e não apenas de opiniões.

Anúncios