EUVÍ: Por que sou contra a cotas raciais, um atraso para um país que diz não ser racista



O Brasil é um país que se orgulha pelo fato de ser um país justo que trata todos com igualdade. O problema acontece quando o próprio país que preza pela igualdade resolve criar mecanismos injustos para tentar sanar uma suposta desigualdade. Eu não sou branco, mas vejo com bastante temor a política de cotas -até porque estudei numa universidade em que ela era imposta-.

1-Sou totalmente a favor das cotas para estudantes de baixa renda! O Brasil é um país cheio de desigualdades e a política de cotas é um mecanismo útil para dar oportunidade para aqueles que foram preteridos pelo destino. A política de cotas dá a chance de uma pessoa de origem humilde estudar juntamente com pessoas mais abastadas e dessa forma cria uma maior integração social entre ricos e pobres.

Ser contras as cotas raciais é racismo? Não seria o contrário?

2-Pra mim o problema são as cotas raciais, pois elas são um atestado de discriminaçã0. Estamos em pleno o século 21 e entendo que todas essas concepções de raça devem ser extintas. Se você perguntar para qualquer cientista qual é a definição de raça você vai ouvir que todos nós fazemos parte da mesma raça, a raça humana. Se a ciência já a muito tempo derrubou a concepção racial que existia, o governo parece muito interessado a abraçá-la. Não existe raça branca, negra, amarela ou parda. Todos nós fazemos parte da raça humana e eu não consigo entender como o governo pode fazer uma distinção racial das pessoas se esse conceito foi abolido.

3-Um branco é tão humano quanto um amarelo. Um índio é tão humano quanto um negro. Somos todos iguais e devemos ser tratados com igualdade.  Eu até entendo que o governo deve tratar os iguais com igualdade e os desiguais com desigualdade, mas não acredito que a cor da pele cria uma desigualdade que diferencie uma pessoa de tal forma que ela precise ser tratada diferenciadamente. Um negro não é pior do que um amarelo por causa da cor da sua pele, então ele não precisa ser tratado de forma diferente em função disso. Da mesma forma não existe razão para um pardo ser diferente de um branco devido a melanina que existe na região cutânea de seu corpo.

Raça não existe. As únicas raças que ao meu ver fazem algo ser diferente são as raças dos cachorros.

4-Se eu entro em algum lugar e não existem amarelos, o lugar não é pior por causa disso. Se eu entro em algum lugar e não existem pardos, o lugar não é melhor por causa disso. As pessoas devem ser alocadas na vida de acordo com os seus próprios méritos, não por causa da cor das suas peles. Ninguém precisa de ajuda porque a cor da sua pele prejudica seu desempenho ou interfere no seu esforço.

O racismo é a tendência do pensamento, ou o modo de pensar, em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas e superiores umas às outras, normalmente relacionando características físicas hereditárias a determinados traços de caráter e inteligência ou manifestações culturais. O racismo não é uma teoria científica, mas um conjunto de opiniões pré concebidas que valorizam as diferenças biológicas entre os seres humanos, atribuindo superioridade a alguns de acordo com a matriz racial. 

Se não existem raças superiores, tampouco existem raças inferiores. Ninguém deve se inferiorizar por causa da cor da sua pele. O problema que de fato existe no Brasil é que em decorrência da escravidão, muitos negros se tornaram pobres e não têm oportunidade de crescimento social igual à de um branco. O negro -assim como muitos pardos e alguns brancos- foi marginalizado e vive sendo vítima do apartheid social que existe na nossa sociedade. A solução do problema do negro pobre não é diferente da solução do pardo ou do branco pobre. O próprio fato de se referirmos às pessoas pela cor de suas peles para mim já configura um racismo velado que persiste em viver na nossa geração.

5-Por que deve haver cotas para negros pobres e não deve haver cotas para brancos pobres? Por que devem haver cotas para negros ricos e não deve haver cotas para brancos ricos? Isso não é racismo? Será que as cotas não deveriam compreender apenas os pobres, independente da cor de suas peles? A política de cotas raciais é ridícula, pois fazemos parte de um país miscigenado. Qualquer pessoa carrega nas veias o DNA de seus ancetrais negros, brancos e índios.

Deveríamos aproveitar que somos tão miscigenados para jogar essa divisão de cor da pela na lata do lixo. Qual seria a “raça” de uma de pele branca que tem pai negro e mãe branca? Qual seria a “raça” de uma pessoa de pele negra que tem pai índio e mãe negra? A própria definição do que seria “raça”  compreende que todos nós temos um parentesco composto pelas mais diferentes origens e não podemos ser caracterizados como de uma “raça” apenas.

 

Além do mais a ciência já provou que fomos todos originados por um ancestral comum, ou seja, somos todos parte da mesma família e compomos a mesma raça. Todos somos mestiços. Você já se deparou com alguém “de raça”? Quando você fala que tem um irmão, alguém pergunta de que raça ele é? A alma tem raça? Tentem olhar a essência das coisas  e vocês verão que a alma das pessoas não tem raça. Quem enxerga a alma das pessoas não vê raça, vê um igual! O ser humano não é um animal para ser dividido por raças, mas existem “animais” que adoram ver “raça” nos outros.

6-É óbvio, não todos, mas alguns defensores da política de cotas raciais gostam de afirmar que todos os contrários as cotas raciais são racistas. Eles não poderiam estar mais errados. Os racistas são aqueles que acreditam que existem raças humanas distintas. Como não existem raças humanas distintas, o discurso racista de alguns propagadores das cotas racias continua a ser alimentado pela ignorância.

7-A principal mazela que a política de cotas provoca é a propagação da identificação racial dentro das pessoas. Ela faz com que uma pessoa se enxergue especial por causa da cor da sua pele, quando na verdade ela é igual a todos. A política de cotas faz com que as pessoas continuem a se indentificarem como brancas e negras, não como seres humanos apenas. Algumas pessoas gostam de pintar as pessoas de pele branca como os vilões para poderem se pintar como os mocinhos. A política de cotas raciais mascara o verdadeiro problema que existe no Brasil, pois o Brasil não vive uma divisão racial, mas uma divisão social.

😯 racismo que existe na nossa sociedade provoca até algumas aberrações ridículas. Um negro pode vestir uma camisa com estampa dizendo que tem orgulho de ser negro, mas se um branco veste uma camisa com estampa dizendo que tem orgulho de ser branco é porque de fato ele é um preconceituoso. É claro, um branco não pode reafirmar a cor da sua pele porque senão ele está humilhando as outras pessoas. Já um negro que reafirma “as suas origens” é símbolo contra o preconceito.

Daqui a pouco vão ter que criar a cota de paciência.

9-As cotas ainda criam uma divisão social que parece não ter limite. Agora querem cotas raciais para o serviço público. Isso mesmo, não são cotas para pobres, são cotas raciais. O trabalho no serviço público que deve ser obtido pelo mérito agora vai ser obtido também pelo mérito de possuir determinada raça. E isso não é racismo! É óbvio, a divisão social alimenta mais divisão social e mais grupos vão querer reinvindicar os “seus direitos”. Já tem gente que quer cotas para homossexuais e não vou me surpreender se daqui a pouco surgirem pessoas querendo cotas para evangélicos, ateus e mulçumanos. Por que não criar cotas para todas as minorias sub-representadas?

Seguindo esse raciocínio racista deveríamos criar cotas para os amarelos nas empresas em que eles fossem sub-representados. Por que não criar também cotas para católicos nas empresas em que eles são sub-representados? Eles também não são uma parte da população que também deve ser respeitada e deve participar da vida do país? E as mulheres? Elas não são sub-representadas? Elas não merecem cotas só para elas? E os homossexuais? Também não merecem cotas? E os evangélicos? Não merecem? E todos os outros pequenos subgrupos da sociedade?

Somos todos iguais.

Pergunte para o dono de qualquer empresa se a empresa que ele tem seria melhor se ele tivesse que contratar todas as pessoas de acordo com a cor de suas peles, ao invés de unicamente pelas suas qualidades profissionais. Será que essa empresa teria seu rendimento melhorado ou piorado se não pudesse contratar uma pessoa muito qualificada,  que não poderia ser aceita pelo fato da empresa já ter batido a cota de funcionários amarelos? Quem perderia com isso? Será que o Brasil um dia vai ser igual a essa empresa?

A universidade não é lugar de branco ou de negros. A universidade deve ser para todos. Se existem poucas vagas, o governo deve criar mais. O que o governo não deve fazer é ficar alimentando o darwinismo social e depois ficar tentando “melhorar os seus sistemas” se utilizando de mecanismos claramente racistas que só colocam em evidência o revanchismo racial que ainda vive em muitos.

10-Uma coisa é certa. Se o Brasil quiser ficar criando cotas para todos os grupos da sociedade que se acham ‘injustiçados”, não vai demorar muito até que se tenha que criar uma cota para os mais merecedores.

 

 

 

Um comentário

  1. Republicou isso em dannystiae comentado:
    Se somos todos iguais, devemos ser também perante a lei.
    Justiça seja feita, tá bom de acabar com essa mordomia, afinal Joaquim Barbosa e Barack Obama chegaram onde estão por meritocracia e não por favorecimento ou qualquer outro tipo de privilégio.
    Ambos vieram de origem humilde. FAVORECIMENTO NÃO, MERITOCRACIA SIM!

    Curtir

Comente com polidez!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s