O Brasil é um Estado laico que graças a deus oferece aos seus cidadãos a opção de ter qualquer religião ou até mesmo não ter religião alguma.

Como o Brasil foi colonizado por portugueses, a maioria da nossa população é católica, devido também a escravidão, muitos escravos trouxeram da África suas crenças. Com as chegadas de diferentes povos de diferentes regiões do mundo, o Brasil passou a ter uma amplitudade religiosa maior, possuindo mulçumanos, xintoístas, budistas, judeus e etc.

A constituição da maioria das cidades brasileiras se deu com a construção de uma igreja católica e uma praça marcando o centro da cidade. A população periférica deveria se deslocar para o centro da cidade aos domingos para fazer sua comunhão. Isso fez com que houvesse um espaço a ser ocupado pelas religiões africanas nas periferias das grandes cidades. Com o advento da religiões pentecostais, começou a haver um crescimento do número de fiéis nas periferias, onde não haviam tantas igrejas católicas.

Vide abaixo a composição religiosa brasileira por estado:

Unidade Federativa Católicos (%) Evangélicos (%) Espiritualista (%) Afro-brasileira (%) Outras (%) Sem religião (%)
 Acre 53,4 33,6 0,6 0 0 12,2
 Alagoas 73,3 16,1 0,6 0,1 0 9,8
 Amapá 64,9 28,6 0,4 0 0 5,9
 Amazonas 61,2 32,1 0,4 0 0 6,2
 Bahia 65,1 17,4 1,1 0,3 3,9 12
 Ceará 78,7 14,6 0,6 0 1,7 4,3
 Distrito Federal 35,7 32,6 13,5 0,2 4,1 9,1
 Espírito Santo 55,5 30.4 2,8 0,2 0 11
 Goiás 58,7 28 2,5 0 2,7 8,1
 Maranhão 74,4 17,2 0,2 0 1,6 6,5
 Mato Grosso 63,2 24,5 1,2 0,1 3,2 7,7
 Mato Grosso do Sul 59,1 26,4 1,9 0 3,2 9,2
 Minas Gerais 57,2 32,1 2,1 0 2,4 5
 Pará 43,5 35,7 0,4 0,1 2,3 6,9
 Paraíba 76,8 15,1 0,6 0 1,5 5,7
 Paraná 69,3 22,1 1 0 2,8 4,6
 Pernambuco 65,8 20,3 1,4 0,1 1,9 10,4
 Piauí 84,9 9,7 0,3 0,1 1,5 3,4
 Rio de Janeiro 37,5 35,2 4 0,9 4,6 15,5
 Rio Grande do Norte 75,8 15,4 0,8 0 1,5 6,4
 Rio Grande do Sul 68,5 18,2 3,2 1,5 2,6 5,9
 Rondônia 49,2 35 0.6 0 0 14,8
 Roraima 52,5 32,4 1 0 0 13,9
 Santa Catarina 72,9 20 1,6 0,2 2 3,3
 São Paulo 59,6 23,9 3,3 0,3 4,6 8,1
 Sergipe 77,8 12 1,1 0,2 0 8,7
 Tocantins 69,7 23,5 0,7 0 0 6,1
 Total 64,4 22,1 2 0,3 3,1 8

A porcentagem religiosa por estado da federação

Nos últimos anos pudemos ver um crescimento das religiões evangélicas e uma queda da religião católica.

Agora veremos a distribuição geográfica das principais religiões no território nacional.

Como podemos analisar, os estados mais espíritas se concentram no centro-oeste, em Minas Gerais e no extremo sul do país. O cambomblé se concentra no extremo sul do país. Os evangélicos são tem uma maior proporção no Norte, Centro-Oeste e no Sudeste. Os católicos tem maior proporção em Minas Gerais, no Nordeste e no Sul do país.

Como podemos ver, a religião que mais cresceu foi a evangélica, que é composta por uma infinidade de denominações.

Agora veremos as religiões em números:

Como pode ser visto acima, enquanto os evangélicos tradicionais diminuem, os evangélicos pentecostais e neo-pentecostais crescem numa maior velocidade.

As religiões no Brasil também estão bastante ligadas a escolaridade e renda, as religiões pentecostais geralmente são as que tem os fiéis mais pobres e menos estudados, o exato oposto da religião espírita, que tem os fiéis mais escolarizados e com maior renda.

Antes de terminar, não poderia deixar de mostrar o mapa com a distribuição das pessoas que não possuem religião. Como pode ser visto, eles basicamente se concentram no litoral e nas grandes metrópoles brasileiras.

Bem, como pudemos observar, os evangélicos estão em franca ascenção e se continuarem crescendo nesse ritmo , as expectativas são de que a população evangélica se iguale a população católica em 2040, e em 2050 a ultrapasse. Porém, como o crescimento de uma religião dificilmente tem um crescimento constante, acredito que a população evangélica irá se estabilizar quando chegar em torno de 30% da população brasileira e que não deverá possuir uma maioria de evangélicos tão cedo. Porém, como as religiões que estão ascendendo no movimento evangélico tendem a ter posições mais firmes em relação a assuntos sociais, podemos prever que a mudança no perfil religioso brasileiro pode criar um acirramento dos conflitos em torno de temas sociais.

Unidade Federativa Católicos (%) Evangélicos (%) Espiritualista (%) Afro-brasileira (%) Outras (%) Sem religião (%)
Acre 53,4 33,6 0,6 0,0 0,0 12,2
Alagoas 73,3 16,1 0,6 0,1 0,0 9,8
Amapá 64,9 28,6 0,4 0,0 0,0 5,9
Amazonas 61,2 32,1 0,4 0,0 0,0 6,2
Bahia 65,1 17,4 1,1 0,3 3,9 12,0
Ceará 78,7 14,6 0,6 0,0 1,7 4,3
Distrito Federal 35,7 32,6 13,5 0,2 4,1 9,1
Espírito Santo 55,5 30.4 2,8 0,2 0,0 11,0
Goiás 58,7 28,0 2,5 0,0 2,7 8,1
Maranhão 74,4 17,2 0,2 0,0 1,6 6,5
Mato Grosso 63,2 24,5 1,2 0,1 3,2 7,7
Mato Grosso do Sul 59,1 26,4 1,9 0,0 3,2 9,2
Minas Gerais 57,2 32,1 2,1 0,0 2,4 5,0
Pará 43,5 35,7 0,4 0,1 2,3 6,9
Paraíba 76,8 15,1 0,6 0,0 1,5 5,7
Paraná 69,3 22,1 1,0 0,0 2,8 4,6
Pernambuco 65,8 20,3 1,4 0,1 1,9 10,4
Piauí 84,9 9,7 0,3 0,1 1,5 3,4
Rio de Janeiro 37,5 35,2 4,0 0,9 4,6 15,5
Rio Grande do Norte 75,8 15,4 0,8 0,0 1,5 6,4
Rio Grande do Sul 68,5 18,2 3,2 1,5 2,6 5,9
Rondônia 49,2 35,0 0.6 0,0 0,0 14,8
Roraima 52,5 32,4 1,0 0,0 0,0 13,9
Santa Catarina 72,9 20,0 1,6 0,2 2,0 3,3
São Paulo 59,6 23,9 3,3 0,3 4,6 8,1
Sergipe 77,8 12,0 1,1 0,2 0,0 8,7
Tocantins 69,7 23,5 0,7 0,0 0,0 6,1
Total 64,4 22,1 2,0 0,3 3,1 8,0

Anúncios